poeiraCast 375 – O Blues Britânico dos Anos 60
por Bento Araujo     04 jul 2018

Nosso assunto neste episódio é aquele momento na história em que o blues atravessou o Atlântico e se tornou um dos estilos preferidos no Reino Unido, com novos artistas britânicos reverenciando os bluesmen originais ao mesmo tempo em que imprimiam suas próprias marcas.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Artur Mei, Bruno Santos, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Dario Fukichima, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Lindonil Reis, Luis Araujo, Luis Kalil, Luiz Paulo, Marcio Abbes, Marco Reis, Marcos Oliveira, Pedro Furtado, Rodrigo Teixeira, Rossini Santiago, Rui Silva, Válvula Lúdica e Wilson Rodrigues.

Saiba como ganhar um CD na promoção poeiraCast/fonesdeouvido.com.br escutando este episódio do programa!

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Marcelo de Almeida Garcia

    Jimi Hendrix Experience é uma banda inglesa, foi formada lá.
    É como Van Halen, os irmãos são holandeses mas a banda foi formada no EUA.
    Simples.

    Responder
    1. Ricardo Alpendre

      Sim, a banda é inglesa, mas com uma diferença grande em relação ao VH: os dois irmãos foram pros EUA ainda crianças, e a cultura musical deles foi formada no país em que montariam a banda, diferente do Hendrix.

      Responder
  2. GERALDO SALDANHA FILHO

    E aí galera. Massa, o LSD 2 vai sair em dezembro, mês do meu aniversário(nasci em 14 de dezembro de 1976) com certeza vai ser um livro essencial como é o LSD 1. Espero que o Bentão lembre da grande banda brasileira de jazz/fusion MEDUSA, que tinha o grande HERALDO DO MONTE nas guitarras. Infelizmente os 2 álbuns lançados pela banda só saíram em vinil, nunca foram lançados em cd. Erro fatal. Parabéns pelo programa. Grande abraço e vIVA a MÚSICA DE QUALIDADE, ONTEM, HOJE, AMANHÃ, SEMPREEEEEEE

    Responder
  3. Marcio Abbês

    Programa dinâmico! Achei um dos melhores já realizados. Um belíssimo bate-papo cheio de informações sobre o blues britânico. Um programa para ouvir duas vezes. Parabéns! Abração a todos!

    Responder
  4. José Carlos Soares

    Muito bacana essa edição do programa. Algumas roubalheiras (ou somente “inspiração”, se preferirem rs) que certas bandas praticaram com a obra de alguns ícones do blues me fizeram pensar em sugerir um especial sobre “colaborações marcantes não creditadas”.Me vem a mente de imediato as colaborações do Hermeto Pascoal para o Miles Davis que não foram devidamente creditadas, assim como o baixista da banda do Lou Reed, que criou uma linha de baixo fundumentalmente marcante para “walk on the wild side”, mas que não consta como compositor da música, entre tantos outros casos.

    PS: no aguardo pelos especiais sobre
    GONG e GREATEFUL DEAD (e SPOOKY TOOTH e FAMILY rs)!

    PS 2: mantendo o meu (mal) costume do comentário que fiz na edição passada, mas na falta de local mais apropriado, gostaria que alguma alma iluminada me eu. qual é a música que toca na abertura do programa 272, especial John mclaughlin, e de outra que toca aos 39:36, abrindo o terceiro bloco dessa edição : http://www.poeirazine.com.br/poeiracast/272/ (lembrando que o McLaughlin retorna ao Brasil para shows no Rio, São Paulo, e não sei mais em quais A cidades em novembro, para se apresentar dentro do Mimo festival ).

    Valeu, obrigado e abraço a todos

    Responder
      1. Isidoro Hofacker dos Santos Jr

        Mestre Varanda, taí uma sugestão p/incluir ao programa – ao final de cada edição V.Sa. poderia citar as músicas usadas em cada programa!! o que achas rapá????

        Responder
  5. André Rocha

    Mais uma vez um ótimo programa! Um dos melhores dessa temporada 2018! Só achei o Ricardo Alpendre um pouco purista ao classificar alguns sons como “blues rock”e outros como blues. Penso que o que ele chama de blues rock nesse programa tem muita da característica dos britânicos em fazer blues. “Dente de ouro” do Blues Etílicos, por exemplo, eu acho um baita blues brasileiro.
    Abraços!

    Responder
    1. Ricardo Alpendre

      É que quando a gente sai das estruturas musicais reconhecidas como blues, me parece até meio fora de órbita classificar como “blues”. Falo de progressões, mas um pouquinho sobre ritmo também. É uma questão de opinião.
      Já os trabalhos brasileiros como esse do Blues Etílicos (eu também gosto), eu diria que são um blues BEM brasileiro. Minha aposta é que um americano consideraria boa parte como brazilian music.

      Responder
  6. GERALDO SALDANHA FILHO

    Galera, acabo de ter um sonho louco aqui. Eu comecei a ouvir o Poeiracast que vcs fizeram sobre o álbum Sabotage, do BLACK SABBATH e acabei dormindo com o fone de ouvido ligado. E sonhei que eu estava em uma casa com vcs 4, tinha vários bolos de aniversário. Engraçado que o sonho durou uns 2 minutos apenas e eu não falei nada. Daí no sonho cada um de vcs estava falando os seus álbuns favoritos do Sabbath e começou a me dar uma pontada forte no lado direito da barriga. Nesse exato momento eu acordei aqui e pasmem…com umas pontadas fortes exatamente no lado esquerdo da barriga e com vcs dizendo quais os seus álbuns favoritos do Sabbath. Olha, que coisa maluca…de outro mundo…06/07/18 01:03 da madrugada

    Responder
  7. Joana Costa

    Salve galera do Poeiracast, acompanho a revista faz anos mas nunca tinha ouvido o podcast, muito bom, parabéns a todos. Um salve especial para o Bento que já conheci pessoalmente na livraria martins fontes da paulista e q foi mto simpático. Gostaria de saber se vcs já fizeram um programa sobre o Steve Winwood. Obrigada e abraços

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *