poeiraCast 272 – John McLaughlin
por Bento Araujo     23 mar 2016

Aproveitando a vinda de John McLaughlin ao Brasil para shows em São Paulo e Porto Alegre, fizemos este episódio do poeiraCast, em que esse gênio inglês da guitarra é o assunto principal. E para você, qual é o Top 5 desse músico que transcende estilos e gêneros musicais?

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Carlos Yoti, Claudio Rosenberg, Diogo Dias, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Fernando Costa, Flavio Bahiana, Gabriel Garcia, Haig Berberian, Hugo Almeida, Luis Araujo, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Neigmar (Lado A Discos), Pablo Nubile, Pedro Furtado, Raphael Menegotto, Rodrigo Vieira, Rodrigo Werneck e Rubens Queiroz.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Marcio Abbês

    Parabéns pelo programa! Os irmãos Alpendre já são uma verdadeira instituição. Deep Purple não é responsável pelo rock de penhasco. Agora, o Uriah Heep é responsável pela magia do rock (risos). Tive a oportunidade de assistir a dois shows do John McLaughlin, que apresentava uma belíssima musicalidade, mesmo quando fechava os seus lábios para imprimir velocidade nos seus solos. Fantástico!

    Responder
    1. Ricardo Alpendre

      Obrigado, Abbes!
      Se não me engano a frase do Deep Purple ser o culpado pelo rock de penhasco é o nosso amigo Luiz Calanca – a conferir, hehe!
      Quais foram os shows que assistiu? O primeiro imagino que seja o do festival em 1978 (?), mas e o outro?

      Responder
  2. Vandré Santos

    Parabéns pelo programa, muito legal.
    O Bolha está moderando bem vocês. No Cruza na Área quase que ele se perdeu pelo debate do tema.
    Procurei e não encontrei, ou pelo menos não me lembro, mas vocês já fizeram algum programa sobre o Pappo?
    Abração.

    Responder
  3. monica

    o programa foi ótimo o Cruza na área foi sem duvida o melhor , ouvi o programa umas duas vezes e rolei de ri com os comentários de vocês , dá até pra fazer um Cruza na área com esses comentários , tá difícil saber quem se superou se foi o Sérgio ou Ricardo nas argumentações sobre o Terry Reid, ele não foi a primeira opção de vocal para o Led ? isso dá um Cruza na área ficou imaginando as reações da Família Alpendre .

    Responder
    1. Ricardo Alpendre

      Mas não se deixe enganar (ou make no mistake, como dizem lá em cima, hehehe)… Esses assuntos são puxados só por se saber que coincidimos em achar determinados artistas superestimados. Eu, por exemplo, acho-o um compositor e intérprete apenas mediano. Há quem ache Queen superestimado, veja só; mas não considero que isso renderia uma polêmica interessante.

      Responder
          1. monica

            Bom o Queen na atual circunstâncias é superestimado , sou fã do Queen mas essas “voltas” é muita picaretagem, acaba com o legado ,Bom legado, apesar de concordar com o Sérgio quando convidaram o George Michael pra cantar ficou legal , só não conta pra ele que eu falei isso.

  4. Eduardo Zaidan

    Programa excelente, conhecia o John McLaughlin dos discos do Miles, principlamente In a Silent Way que é o 2º melhor disco do Miles atrás apenas do Kind of Blue, na minha modestíssima opinião. Gosto muito também do Bitches Brew (injustiçado por vocês rs). Além do Mahavishnu Orchestra, que eu ouvi poucas vezes, tenho que corrigir isso.
    Preciso também escutar alguns disco da carreira solo dele, que não tem como ser ruim rs.

    Ri muito quando o Sergio falou que era molecagem da Aretha kkkkk.
    Mas, realmente, acho que ela só conhecia esses três artistas na Inglaterra.

    O “Bolha”, diminuiu muito o “numero de atropelamentos” do programa, reduziu quase a zero. Porém, no “Cruza Na Area” dessa edição, nem o “Bolha” conseguiu conter os ânimos de vocês rs

    Responder
  5. roberto forcato

    parabens pelo programa dessa semana, achei muito legal.Tambem me diverti muito com o “cruza na area”, é sempre um momento descontraido e sem compromisso, mas eu entendi de forma diferente a declaração da Aretha, ela não disse que eram as prediletas dela, nem que eram as melhores, disse penas que tinha tres coisas acontecendo, eu vi da mesma forma que vejo o “poeira zine recomenda”, ou o anterior “o que andas ouvindo”. quando voces recomendam qualquer coisa não significa que gostam mais daquilo que de outras coisas por exemplo, é só uma forma de evidenciar algo que gostariam que os outros conhecessem tambem, eu acho que ela conheceu o trabalho do Terry Reid, e ficou bem impressionada na hora e quis passar isso adiante,usando o óbvio (Beatles e Stones) como referencia ou parametro, não acredito que ela sustentaria essa afirmação por muito tempo, acredito que foi só empolgação mesmo pelo novo,”gente conheci um cara genial, voces precisam ouvir”, acho que foi mais ou menos assim.mas foi muito mais legal do jeito de voces, senão que graça teria no quadro do programa?

    Responder
  6. João

    Acho que o McLaughlin se vale da velocidade de um modo diferente em relação a caras como Steve Vai, etc. A velocidade tem outra função pro cara, não se resume a um exibicionismo barato.

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *