Buffalo Springfield: “For What It’s Worth”

Imortalizada como uma das grandes canções de protesto da década de 60, “For What It’s Worth” foi regravada por inúmeros artistas

por Bento Araujo     04 abr 2016

Buffalo SpringfieldNo final de 1966, o Buffalo Springfield havia se tornado a banda da casa no popular Whisky A Go Go, localizado na Sunset Strip, em Los Angeles. Foi justamente por isso que assistiram, praticamente de camarote, aos primeiros tumultos da contracultura norte-americana, onde os jovens hippies se uniram para protestar contra uma lei da vizinhança que pretendia impedir barulho, aglomerações e trânsito após as 22h.

O evento, que contou com a adesão de gente como Jack Nicholson e Peter Fonda, foi depois imortalizado no filme Riot On Sunset Strip e no primeiro e único hit do Buffalo Springfield: “For What It’s Worth”.

Stephen Stills, tocado por todos aqueles violentos incidentes, escreveu a canção, que foi registrada no dia 5 de dezembro de 1966, no Gold Star Recording Studio, em Hollywood. O título, que não aparece em nenhum trecho da letra, surgiu de uma frase utilizada por Stills quando este apresentou a canção a Ahmet Ertegun, o responsável por contratar o Buffalo Springfield para o selo ATCO, de propriedade da Atlantic Records.

“For What It’s Worth” chegou à sétima posição das paradas da Billboard, após ser lançada como compacto, em janeiro de 1967. Curiosamente, a canção ficou de fora das versões originais dos três elepês lançados pelo grupo, entre 1966-1968. Foi incluída, no entanto, posteriormente nos relançamentos do primeiro disco homônimo do conjunto. No lançamento de uma coletânea, em 1969, chamada Retrospective – The Best Of Buffalo Springfield, “For What It’s Worth” foi também incluída, e ainda como o primeiro tema do tracklist.

Imortalizada como uma das grandes canções de protesto da década de 60, “For What It’s Worth” foi regravada por inúmeros artistas, dentre eles o Staple Singers, um dos principais nomes que entoavam canções de protesto na época, e o Rush, que regravou a música em seu álbum de covers, Feedback (2004).

Neil Young, parceiro de Stills no Buffalo Springfield, ficou furioso quando este último autorizou a inserção de “For What It’s Worth” num comercial de cerveja. Young nunca permitiu que alguma canção sua fosse utilizada em comerciais, mas como Stills era o autor, não teve como impedi-lo. Young acabou criticando publicamente tal atitude na sua “This Note’s for You”.

Artigo originalmente publicado na pZ 65

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *