poeiraCast 349 – O que é Classic Rock?
por Bento Araujo     25 out 2017

Ian Gillan, embora não fosse o primeiro a detectar, deu uma visão do artista sobre o assunto em uma notória entrevista, anos atrás. Mas o que vem junto com esse rótulo “classic rock”, criado pelo mercado, e quais os possíveis fatores que geraram essa categorização?

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Alexandre Guerreiro, Artur Mei, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Dario Fukichima, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Luigi Medori, Luis Araujo, Luis Kalil, Luiz Paulo, Marcio Abbes, Pedro Furtado, Ricardo Nunes, Rubens Queiroz, Sempre Música, Tropicália Discos, Válvula Lúdica e Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Vandré Santos

    Parabéns pelo programa. Esse passaria facilmente de 2 horas de duração.
    Tenho uma pergunta: vocês acham que a forma como a música é consumida hoje em dia, junto com a criação da denominação “classic rock” faz com que o ouvinte em geral se acomode e caia naquela de “não tem nada de novo” invés de procurar por novidades?
    Ainda sobre a forma como a música é consumida: antes do streaming e compartilhamento de música, você comprava disco por causa de uma música, ou comprava um disco pela indicação de alguém e ainda, quando era moleque, quando comprava um disco eu ficava meses escutando aquele disco, porque não ia ter dinheiro pra comprar outro tão cedo.
    Abração à todos!

    Responder
  2. mario jose pereira

    Efetivamente pouca gente que gosta de Classic viveu este período,então grande sacada inventar o termo,na contra mão da declaração de Ian bem direta e objetiva,mas com resalva eles foram os Pais da coisa Rock Hard,Heavy,Prog,New,praticamente um Exílio musical de Mercado pois e a vida na estrada…..timbres e equipamentos evoluiram e por que o artísta não pode criar novidades e quando o faz troca de nome usando o famoso Pseudo foi Passado já era ficou rotulado e pode até vender via Novela atual com trilha sonora de Monstros ELP/Lynyrd? Qual e das rádios,criar curiosidades para ampliar o conhecimento sonoro do ouvinte,Claro que não e melhor a Carne de Vaca Podre então continuar Colonizado ou se tornar Colonizadores Sonoros,Quem ouzar será Feliz..ROTULOS para Tolos Talvez?como diria JR.na FM 97 Camarões me Mordam///onde fica a qualidade Sonora Final do trampo do artísta mesmo tendo Músicos Ventrílocos mais é isso Arte pela Arte? é Guru e termo Genesiano lado B Selling England by the Pound…..constant change.

    Responder
  3. João Cândido

    Sem meias palavras, o chamado “classic rock” representa o melhor do que foi produzido dentro da história do rock. Tanto do ponto de vista musical quanto poético. O que se compara a Led Zeppelin? ou a Van der Graaf Generator? Algumas bandas que participaram do movimento atuam até hoje (Jethro, Deep Purple, The Who, etc), mas o auge foi do final dos anos 60 até o surgimento do punk. Foi nesse momento que os caras criaram suas obras primas e, embora alguns grupos insistam em apresentar material novo, a história só se repete como farsa, como diria o Marx.

    É notório que, apesar de toda a tecnologia e de todas as formas de comunicação recentemente surgidas, o mundo passa por um declínio cultural. As pessoas preferem cultuar celebridades bocós a ouvirem música. Nesse contexto, o tipo de música proposto pelo classic rock não tem espaço. Magma esteve no Brasil e mal foi comentado pela imprensa. A tendência é que a coisa piore, mas mesmo assim sempre há a certeza de que haverá moleques de 13, 14 anos que descobrirão Pink Floyd, Led e todas as bandas do classic rock. Contra isso os canalhas do mercado não podem fazer nada.

    Abraço

    Responder
  4. Guto

    O João Cândido foi o mais lúcido: TODOS OS QUE AMARAM O QUE HOJE CHAMAM “CLASSIC ROCK”, AMARAM QUANDO FOI LANÇADO. Naquela época não era classic, apenas rock. E era poderoso… Nada mais existe assim hoje. PONTO.

    Responder
    1. Ricardo Alpendre

      Penso que a questão esteja longe de ser essa. E se fosse, estaria sujeita só ao gosto pessoal dos ouvintes que acreditam que o melhor é só o daquele curto período? Pra mim alguns artistas fazem parte do melhor, que está espalhado por um período muito mais extenso. Pra mim o rótulo hoje nocivo “classic rock”, surgiu justamente por uma demanda dessa parcela conservadora do público.

      Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *