poeiraCast 283 – O selo Vertigo
por Bento Araujo     08 jun 2016

Já havíamos gravado programas sobre selos discográficos como Harvest, Stax, Island, Elektra… Todos eles muito importantes, é claro. Mas não tínhamos, até agora, dedicado um episódio ao selo Vertigo, um dos mais admirados no rock pela ousadia da aposta nos artistas e principalmente pela qualidade da música. Então, aqui está!

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Antonio Valença, Artur Mei, Bernardo Carvalho, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Erich Duarte, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Fabian Santos, Fernando Costa, Flavio Bahiana, Gabriel Garcia, Haig Berberian, Hugo Almeida, Luis Araujo, Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Marcos Cruz, Marcos Oliveira, Mario Bronzati, Mateus Tozzi, Paulo Costa, Paulo Vieira, Pedro Furtado, Raphael Menegotto, Rodrigo Vieira, Rodrigo Werneck, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Saulo Carvalho, William Peçanha e Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Marcio Abbês

    Mais um ótimo programa. Só demonstra que não é a hora de parar. Vocês estão só no começo de um novo ciclo. Podem acreditar! Vamos em frente! Abração!

    Responder
  2. monica

    O Poeiracast não pode para de jeito nenhum, os últimos programas pra mim foi um misto de risos, lágrimas, curiosidade , não tem nada de ingênuo, aliais nunca foi ingênuo , os temas estão cada dia melhores ,vocês tem que continuar.
    Eu tenho o primeiro do Black Sabbath o nome do Ozzy tá com a grafia errada em vez de ter os dois Zês está com dois Esses.
    P.s: Não como esse disco foi parar na minha casa não me de compra-lo.

    Responder
  3. Luís André Araújo

    É isso. Mais um ótimo programa!! Além da discussão sobre o Selo Vertigo, onde mais iríamos ouvir alguém falando sobre Dedalus e Centipede? Pô, vida longa ao poeiraCast!!

    Responder
  4. Rubens Queiroz

    Bem ou mal o Zappa sempre aparece, se vivo o Mestre poderia voltar pra a guitarra já que eu não gosto muito da fase do synclavier. Seria um ótimo tema pra um poeiraCast, libera o Zé e o Cadinho pra pizzaria e convida o Massari!
    E o Phil Lynott? Fazendo shows com o Thin Lizzy!? Turnê no Brasil? Aí sim eu conheceria o novo “palestra”.
    abcs

    Responder
  5. William Peçanha

    Com orgulho tenho em minha coleção o primeirão do Gentle Giant pelo selo Vertigo… E acho que é o único.
    Num passado não muito distante haviam mais, mas o escriba aqui deu a louca e desfez da coleção de vinis lá pelo idos de 2000 e lá se foram alguns exemplares originais de Black Sabbath (conforme disse a Mônica, com um tal de Ossie nos vocais) e outros menos cotados mas não menos importantes.
    Fazendo coro com TODOS, vida longa ao Poeira Cast!!!!

    Responder
  6. Diogo Maia de Carvalho

    O Acquiring the Taste foi o primeiro disco do Gentle Giant que eu ouvi e gostei logo de cara, nem precisei adquirir o gosto citado no nome do álbum.

    Responder
  7. Rubens Queiroz

    Estava tentando convencer um amigo do prédio a ouvir o poeiraCast, mas entre os 280, ele foi ouvir logo o do Rush….não deu tempo de alertar…menos um (ouvinte)….fã do Rush…kkkkkkk

    Responder
  8. Luís André Araújo

    Por falar em Zappa, alguém poderia informar o nome da coletânea de singles do Supersister, citada pelo José Damiano? Conheço os álbuns ‘Present from Nancy’, ‘To the Highest Bidder’ e ‘Pudding en Gisteren’, mas queria saber que coletânea é essa.

    E Zappa foi tema principal no poeiraCast 114 (sobre os 12 primeiros relançamentos que ainda iriam sair, em 2012) e no pC 199 (Zappa em 1974). Mas a carreira dele é tão extensa, que ainda dá pra pinçar mais uns 30 temas pra debate. Realmente seria legal a ideia do Rubens, de convidar o Massari pra uma discussão zappista. Mas é legal o bate-papo com todo mundo, inclusive com quem não é tão fã, pra que tenha um contraponto, o que sempre enriquece bastante (e muitas vezes fica divertido – afinal de contas, “gênio ou esforçado”?) rsrs.

    Responder
  9. William Peçanha

    Caro Rubens, nós temos apenas dois tipos de sentimentos ao ouvir o mal fadado programa “dedicado” ao RUSH: ou rir (de forma um tanto quanto nervosa) ou comprar uma Honda Titan e ir lá para o prédio (ou casa, ou garagem, ou estúdio…) onde o quarteto grava o Poeira Cast e acelerar, em protesto APENAS por este programa – e acelerar até acabar a gasolina… Tente explicar lá para o amigo fã de Rush que tudo não passou de brincadeira (eu acho) e que são TODOS gente boa!!! (ainda não me conformo com o comentário a respeito do Alex Lifeson…)… Tái, pensando agora com calma, quem sabe aquele motoqueiro que azucrina as gravações não é um fâ de Rush e escutou TAMBÉM o Poeira Cast 22????

    Responder
    1. Rubens Queiroz

      Kkkkkk….eu tentei mas fã do Rush é muito sério, reouvi o cast e realmente é muito engraçado… só acho que o Fly By Night é tão bom quanto o 2112 e o Moving Pictures.
      abcs.

      Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *