poeiraCast 275 – Prog Folk
por Bento Araujo     13 abr 2016

O rock progressivo encontrou a música folk (o que de fato ocorreu logo que o prog surgiu) em grande parte pelas mãos dos artistas que são comentados neste episódio. Bandas como Jethro Tull, Renaissance, Strawbs, Comus, Gryphon e muitas outras, que trouxeram puseram uma pitada “antiga” nos sons progressistas.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Diogo Dias, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Fernando Costa, Flavio Bahiana, Gabriel Garcia, Haig Berberian, Hugo Almeida, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Neigmar (Lado A Discos), Pedro Furtado, Raphael Menegotto, Rodrigo Vieira, Rodrigo Werneck, Rubens Queiroz e Saulo Carvalho.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Diogo Maia de Carvalho

    Pô Bento, não gosta do Josh Homme? Nem daquele trio que ele montou com o John Paul Jones e com o Dave Growl, o Them Crooked Vultures? Eles gravaram um dos melhores discos dos últimos 30 anos em 2009.

    Responder
  2. Erich Duarte

    Pessoal, parabéns pelo programa, acompanho desde o início. Gostaria de sugerir como tema, a banda Stray (merecia uma capa da poeira) e também o Dick Wagner (verdadeiro pz hero) e suas bandas Frost e Ursa Major. Abraços

    Responder
  3. Eduardo Zaidan

    Excelente tema! Adoro programas assim porque são cheios de indicações, e só aumentam a lista interminável de bandas que a gente se sente obrigado a escutar para conhecer rs

    Responder
  4. CLAUDIO ROSENBERG

    Boas pessoal! Domingo passado foi o último capítulo da primeira temporada de Vynil.
    Vocês acompanharam ?
    Que acharam ?
    Abraços!

    Responder
  5. Haig Berberian

    Duas coisas:

    – Gostaria que vocês comentassem a eterna (e divertida) provocação do Ayrton Mugnaini Jr., que diz que “o Pink Floyd é uma banda folk superproduzida”.

    – Sempre considerei o Renaissance uma banda de Prog Folk. Um dia, conversando com meu grande guru Felipe Fontenelle, ele me diz, para minha surpresa, que jamais havia considerado o som da banda Prog Folk, e sim Prog Sinfônico. Qual é a opinião dos senhores a respeito?

    Responder
    1. Eduardo Sandoval

      Ayrton pisou feio na bola dessa vez…..eu comprava os livrinhos de bolso dele, mas vindo-o a conhecer nas redes sociais vi que i cara sabe muito menos do que eu pensava que ele sabia….PF é considerado prog por 99, milhões de 9 por cento dos criticos mais sérios do mundo e ponto final.

      Responder
  6. Rubens Queiroz

    Salve poeirentos! E o “Stand Up” do Tull, não entra nessa lista? “Pointy Of Entry” e “Never Say Die” são Clássicos!
    EU ASSUMO: DETESTO ABBA!! E ainda invoco o Zé do Caixão a jogar uma praga pra quem falar que gosta: vai ter que ver o filme Mamma Mia! (tudo pode piorar) todos os dias pro resto da vida, pelo menos o Lemmy escapou…..KKKKKKKKKKKKKKKK.
    Bem lembrado pelo Claudio, não viram Vinyl?

    Responder
  7. Caio Alexandre Bezarias

    Ótimo tema(sou progger assumido e o prog-folk é uma das minhas vertentes favoritas do gênero), bem explorado – citaram todos os expoentes do subgênero com segurança, parabéns! Senti falta de falarem mais do Comus, que seria, digamos, o lado macabro do progfolk (aliás, descobri o grupo num pérola escondida do começo do Poeira Zine).
    Sobre o tema do cruza da área, a resposta para essa falta de compreensão de público e crítica é simples: a indigência cultural e o conservadorismo tacanho que imperam nesse país, incluindo entre a maioria dos ‘roqueiros’ e nossos ‘críticos musicais’ – convenhamos, a maioria dos tipinhos que desfilou pelas páginas das revistas sobre rock e música pop nacionais, resenhando discos (leia-se, perpetrando asneiras mastodônticas) desde os anos 70, não passam de uns patetas metidos a rockstars rebeldes, diluições tropicais de mr. lester bangs(para mim, o maior enganador e pateta da história do jornalismo de rock)
    Grande abraço a todos.

    Responder
  8. Eduardo Sandoval

    Concordo com o Sérgio, eu gosto de reggae somente feito por artistas que não são de reggae, como Dyer MKyer do Led, os reggaes do Clash e do Police tambem.

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *