Nova fase da poeira Zine

Iremos interromper a nossa produção de edições impressas bimestrais, mas é importante ressaltar que isso não significa o fim da pZ

por Bento Araujo     07 abr 2016

Bento pZA poeira Zine está começando uma nova fase.

Chegamos ao fim de um ciclo, mas também ao começo de outro, muito mais promissor.

Depois de 13 anos e 69 edições lançadas, iremos interromper a nossa produção de edições impressas bimestrais. Mas é importante ressaltar que, de forma alguma, isso significa o fim da pZ. O mercado editorial está passando por reformulações e nós também, mas vamos voltar em breve, com muitas novidades.

Nosso desejo é preparar edições especiais, livros, e outras surpresas, sem periodicidade específica. Isso sempre dentro da nossa principal premissa: de ir o mais a fundo possível nas pautas, resgatar e investigar nomes esquecidos do passado, apresentar bandas novas surpreendentes e lutar arduamente contra a superficialidade, a mesmice e o jogo de interesses que atualmente imperam em boa parte do jornalismo musical brasileiro.

Aproveito para agradecer imensamente a todos vocês que acompanharam a jornada até aqui e que, de uma forma ou outra, se identificaram com a proposta editorial da nossa querida poeira Zine.

Grande abraço,
Bento Araujo

  1. CLEIBSOM CARLOS

    Bento, a edição impressa dava prejuízo? O esforço para produzi-la não compensava o retorno? Não é que você “deve” uma explicação aos leitores, mas pelo menos para mim o porque do fim da edição impressa ainda não está claro. Independente disso, continuarei te acompanhando porque gosto muito do seu trabalho e, como já te disse em contato anterior, para mim o fim da Poeira impressa é até agora uma das notícias mais tristes do ano!!

    Responder
    1. Bento Araujo Autor do post

      Cleibsom, infelizmente ficou impraticável manter a pZ impressa bimestralmente, em função da crise no Brasil e no ramo das publicações em papel. Grande abraço e obrigado!

      Responder
  2. Marcelo Carnelos

    É com imensa tristeza que recebo essa notícia.
    Durante anos acompanhando a revista (tenho todas) pude comprovar a seriedade e paixão com que ela é feita. Além disso, pude conhecer inúmeras bandas que hoje fazem parte do meu dia a dia e também fatos que nem sequem imaginava que pudessem existir no cenário do rock nacional e internacional.
    Ainda essa semana apresentei e recomendei a pZ a um amigo, que ficou “espantado” com a qualidade das matérias.

    Mas fazer o que…a vida segue! Essa semana também tomei a difícil decisão de encerrar meu negócio no ramo alimentício, parar pelo menos por um tempo, reestruturar, como bem disse o Bento.

    Só nos resta aplaudir o trabalho feito pelo Bento e seguir acompanhando o site para saber das novidades.

    Vai fazer falta “o melhor da música do melhor dos tempos”.

    Despeço-me ao som de Steely Dan, “My Old School”.

    Um abraço Bento, e sucesso!!

    Responder
  3. Leonardo Luciano Morais

    Tenho quase todas PZ, me parece como vinil, curto as mudanças de capas, (que são maravilhosas), o conteúdo impecável da revista, a resenhas dos colecionadores, apaixonante, uma pena, ficava esperando minha revista com ansiedade. Fico a espera de como será a mudança, Obrigado a todos.

    Responder
  4. Ricardo de Oliveira Nunes

    Uma pena! Eu tenho todas as edições da Poeira Zine que significaram para mim uma grande volta ao meio período de adolescente quando eu descobrir o rock como forma de comunicação e contracultura nos anos 70. Eu espero que a revista volte logo para deleite daqueles que como eu viveram aquele momento único na história da música. A Poeira Zine foi a única revista brasileira atual a satisfazer a todos interessados em curtir a música de boa qualidade de alto nível daquela época.

    Responder
  5. Caio Alexandre Bezarias

    Não tenho somente o n.1 da Poeira Zine, ouvi todos os PoeiraCast.
    Aguardando ansiosamente para ler todas as novas publicações que você planeja, Bento. E que essa interrupção da edição bimestral seja somente isso: uma pausa e que ela volte com todas as glórias.
    Grande abraço

    Responder
  6. alexandre

    Droga. Sempre xinguei e briguei com a Poeirazine a cada lançamento, reclamava da ausência de bandas, discordava das opiniões da revista… mas também sempre “brigo” e reclamo da minha esposa, que eu amo muito. E agora, cadê a nossa “guia” pros bons sons? 13 anos de serviços prestados aos bons sons em um país onde a cultura é relegada ao último plano, É MUITA COISA SIM. Valeu Bento, só me resta aplaudir de pé e enxugar essa lágrima chata que insiste em cair dos olhos.

    Responder
  7. Felipe de Paula

    Guardarei na estante com mto carinho. E apesar da sensação ruim, a ausência da obrigatoriedade bimestral pode tornar os trabalhos ainda melhores. Boa sorte, continuaremos acompanhando.

    Responder
  8. ALEXANDRE DE CARVALHO MACHADO

    Conheci seu trabalho na Rock Brigade. Parei de assiná-la por desapego ao universo “tru” metal, mas foi só a Poeirazine que trouxe para a capa o MEU som, que é o rock dos 60’s e 70’s. Fico entristecido pelo fim, embora o compreenda.
    Agora uma questão: noves fora os projetos especiais, não rolava uma lojinha on-line não? Cara, com o tanto de material que vcs desencavam nós ficamos sedentos para travar um contato oficial com as dicas e seleções da PZ. Sei que não é simples, mas vcs tem um time muito experiente. Quem lê a PZ gasta seu dinheiro com produtos oficiais. Ao invés de botarmos o faz-me-rir no ML, Ebay ou Amazon, iria para vcs. Sei lá, sou parte interessada pq tem coisa que mesmo lá fora é fodinha pra se achar (fora a espera medonha, frete..). Enfim, obrigado por tudo e um abraço.

    Responder
  9. osvaldo luiz oliveira

    minha opinião: a pz é uma publicação de, práticamente, uma só pessoa,o esforço para isso é desgastante e imagino que o retorno financeiro não seja compensador. também imagino que sem a responsabilidade/esforço da periodicidade poderão serem lançadas edições pontuais (revistas,livros,etc.) no capricho,como a música, nós e a pz merecem. Não digo que foram 13 anos e 69 edições, pois muito mais virão e para o dia a dia temos a internet. valeu e valerá, long live e inté.

    Responder
  10. cleber pinto

    obrigado pelo momentos de felicidade e descoberta de novos mundos musicais. Trabalho brilhante. Que Deus o acompanhe nesta nova empreitada.

    Responder
  11. Renato

    Ola Bento, é com muito tristeza que uma “era” terminou; você foi idealizador e responsavel por esta publicação que honestamente não deixa nada a desejar em matéria de qualidade de artigos dos fálidos “MELODY MAKER e CIRCUS”, mas tb “NME”, “MOJO”, “PROG MAGAZINE”, “CLASSIC ROCK”, etc…Enfim obrigado e parabéns pela tua competencia em disponibilizar por todos estes anos tal revista. E quem sabe até algum dia !

    Abçs

    Renato

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *