poeiraCast 244 – Terceiros Álbuns
por Bento Araujo     29 jul 2015

“O difícil terceiro álbum”, ou o que define o som da banda… Várias conjecturas são feitas sobre esse momento particular na carreira dos artistas de rock. Nesta conversa, lembramos alguns dos terceiros álbuns mais interessantes.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Luiz

    Este sim: programa muito legal. Para enriquecer um pouco mais o tema de terceiros álbuns, esbocei uma lista me atendo ao Rock Brasil dos anos 80 e percebi que também temos obras importantes e clássicos. Segue:

    Titãs – Cabeça Dinossauro
    Os Paralamas do Sucesso – Selvagem?
    Legião Urbana – Que País É Este 1978/1987

    Abração !!!

    Responder
  2. João

    Programa muito bom, aliás os deste tipo e os ‘familia’ são os melhores. Alguns terceiros que destaco, pela qualidade, até antes de ouvir o programa todo:
    Aerosmith – Toys in the Attic
    UFO – Phenomenon
    Ted Nugent – Cat Scratch Fever
    Nazareth – Razamanaz
    Humble Pie – ST
    E um que destruiu uma grande banda:
    Spooky Tooth – Ceremony

    Responder
  3. sidney fernando

    Dois Terceiros álbuns que Definiram o som da banda na minha opinião são: “Sin After Sin” do Judas Priest e “The Number of the Beast” do Iron Maiden, outro terceiro disco maravilhoso é o “Closer to Home” do Grand Funk. O Terceiro disco do Metallica é o super clássico “Master of Puppets”. “Phenomenon” terceiro álbum do UFO é excelente e contém simplesmente “Doctor Doctor” e “Rock Bottom”. Voto no John Paul Jones como baixista e artista em geral

    Responder
  4. Marcel de Souza

    Ninguém lembrar do “The Number…”, primeiro disco do Maiden com o Bruce foi fo***!!! ahaha. Mas o podcast dessa semana foi bem bacana. Até o próximo!

    Responder
  5. Caio Alexandre Bezarias

    Primeiro, fiquei realmente honrado que meu questionamento feito em outro comentário ser respondido em pleno PZCast! Valeu pela atenção e consideração, Bento.
    Sobre essa questão do progressivo ser discriminado, os críticos da Bizz perseguirem o gênero (também li muito a citada revista, durante os 80´s): acredite ou não, progressivo é meu gênero favorito no rock, até mais que heavy metal, que idolatro. Ao mesmo tempo que descobri muitos grupos e artistas legais, lendo a revista, ficava bronqueado pacas com a perseguição que faziam aos anos 70, principalmente a birra com o prog. E também fui muito zoado por cultuar esse estilo musical tão maldito, como vocês já devem ter sido.Aliás: já não houve uma edição do PZCast sobre o tema?
    E por fim, aviso aos invejosos: Verdão rules!! Dá-lhe porco!!!
    Grande e fraterno abraço a todos.

    Responder
  6. Caio Alexandre Bezarias

    Mais uma coisa: Bento,deixa disso. O programa não está em decadência, pelo contrário. Nós, que acompanhamos o PZCast, somos ouvintes fiéis(ouvi todas as edições), apontamos aquelas que não ficaram boas justamente porque somos fãs, gostamos e estamos acostumados com um padrão elevado.Repare que as críticas foram dirigidas quase exclusivamente às edições em que abriram livros aleatoriamente. Inclusive eu postei comentário a respeito: ideia muito legal, que deveriam repetir mais vezes, mas que deve seguir um princípio: abriu em tal página(artista/canção),comente, seja elogiar, detonar, não importa.

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *