poeiraCast 243 – Sabotage (Black Sabbath)
por Bento Araujo     22 jul 2015

Neste episódio a conversa é sobre o álbum Sabotage, do Black Sabbath, que está completando 40 anos.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Helio

    Apesar de conter grandes músicas, muitas vezes o Sabotage me soa como uma tentativa milimétrica de repetir o seu antecessor, seguindo a mesmíssima fórmula que fez Sabbath Bloody Sabbath ser considerado o auge criativo e artístico do grupo.

    Responder
  2. Igor Motta

    Meu disco preferido do Sabbath e o primeiro a ouvir e comprar foi o volume 4, meu segundo foi o Sabbath Bloody Sabbath, o terceiro foi o Sabotage e depois completei minha coleção com os dois primeiros e os últimos dois álbuns da década de 70. Hoje ouvindo em sequencia todos os álbuns desta época é notória a evolução da banda em todos os sentidos, instrumental, arranjos e produção mas, ao contrário do que todos dizem acho o Sabotage o álbum do Sabbath mais sinistro e atormentado de todos. Supertzar parece ser tocada com a banda e uma orquestra e um coral de demônios nas portas do inferno. Minha preferida deste álbum é o tema de The Writ última do lado B do LP que começa com uma linha de baixo e risos e choros macabros e uma explosão de som, continua com um lamento arrastado aos gritos de Ozzy, a música é composta por camadas sonoras com muito dinamismo hora arrastada, hora rápida, hora com groove para cair em dedilhados, solos e riffes matadores. Não há nenhuma música ruim no álbum, minha segunda preferida é Megalomania que fecha o lado A. Sensacional álbum e realmente a capa é tão ridícula que chega ser boa, principalmente quando você conhece a biografia da banda e as loucas histórias por trás da composição de cada disco. Legal o programa de vocês não conhecia vou acompanhar daqui pra frente.

    Responder
  3. sidney fernando

    Disco Maravilhoso, um dos grandes discos da minha vida, mas apesar de grandes álbuns que vieram depois, marca o fim de uma era no Sabbath, discordo do Bento, o que não acontece muito, com relação á capa, apesar de ser meio nas coxas, a idéia, a concepção é legal, poderia ter sido melhor explorada á época…acho todas as músicas perfeitas, inclusive “Am I Going Insane”, mas “Hole in the Sky” é a melhor, Icônica, Meu Preferido é o Volume 4

    Responder
  4. Pedro

    Poeiristas uni-vos! Faltam-me as edições 1 a 13 e mais a 18 do poeirazine. O mercado livre nos explora com preços absurdos. Evidente que Bento & Cia nao têm interesse na simples reedição dos numeros esgotados. Entao, o que proponho é o seguinte. Nós faríamos uma lista de quem tem interesse nos numeros esgotados (nos que falei e outros que já podem ter esgotado) e produzimos as edições faltantes pra cada um (via cópia com boa qualidade e claro com autorização do Bento, a qual desde já suplico) o suficiente pra completar as coleções! Fica a idéia e o agradecimento a quem se interessar.

    Responder
    1. Bento Araujo Autor do post

      Oi Pedro, o interesse existe sim, e muito, o que não existe é a verba para reeditar uma quantidade mínima de cada um de todos esses exemplares esgotados. Mas na nova fase da pZ que está por vir, um dos planos é reeditar essas edições aos poucos, abrindo uma pré venda aqui no site aos interessados. Assim teremos a oportunidade de levantar uma quantia para relançar esses números, numa espécie de financiamento coletivo. Grande abraço!

      Responder
  5. Caio Alexandre Bezarias

    Sem dúvidas a melodia de Am I going insane é pueril, boba. Mas o solo de guitarra épico e o vocal que Ozzie disparou fazem dela uma composição poderosa.
    Bento: o que achou da proposta do Pedro, logo acima? Alguma chance? (para mim, por exemplo, falta somente o número 1; assim a proposta é tentadora). Não há possibilidade de reeditar os números mais antigos?
    Abraço a todos.

    Responder
    1. Bento Araujo Autor do post

      Oi Caio, o interesse existe sim, e muito, o que não existe é a verba para reeditar uma quantidade mínima de cada um de todos esses exemplares esgotados. Mas na nova fase da pZ que está por vir, um dos planos é reeditar essas edições aos poucos, abrindo uma pré venda aqui no site aos interessados. Assim teremos a oportunidade de levantar uma quantia para relançar esses números, numa espécie de financiamento coletivo. Grande abraço!

      Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *