poeiraCast 233 – Heavy Metal em 1985
por Bento Araujo     13 maio 2015

O assunto deste episódio é o heavy metal e o hard rock há exatos 30 anos: melhores discos, bandas que se destacaram, os estilos que estavam em evidência…
Estrelando: Megadeth, Slayer, Possessed, Celtic Frost, Anthrax, Motley Crue, Savatage e outros.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. André Luiz Zilz

    uma banda que me lembrei que também decaiu neste ano foi o Raven que partiu para um lado mais comercial com o disco Stay Hard.
    Há alguns discos não citados, mas que acho que são muito bons de 85 que são: o australiano Heaven – Knockin’ On Heaven’s door, Helloween – Walls os Jericho e o de estréia dos japoneses do Anthem.

    Responder
  2. Pedro

    caros, que oportunidade perdida para um “duelo”, de gigantes ou de anões… tsc tsc tsc, qta gente frustrada como eu deve ter por aí… a cereja vcs nao estao colocando no bolo. #voltaduelo.
    outra coisa, ja tem alguns programas passados de novo com problemas de acesso, e eles fazem falta porque na epoca tinha o duelo (ele de novo…).
    abç.

    Responder
  3. marcos Tulio

    Motley Crue, Savatage, Anthrax são bandas ridículas e horríveis e heavy metal em 1985 era uma merda cara !! O heavy Metal só foi bom de 1970 (paranoid) até 1977 ( Sin After Sin)….e só !!

    Responder
  4. gustavo badauy

    Bento, posso estar enganado quanto ao ano de lançamento dos lps, rss, na época não tinha cd não e mesmo!! Mas vamos lá, segue abaixo a minha modesta lista:
    1 – Exodus – Bonded by Blood (fantástico, clássico absoluto!!)
    2 – Slayer – Show no Mercy (Muito foda!!)
    3 – Mercyfull Fate- Don’t Break the Oath – (animal)
    4 – Artillery – Fear of Tomorrow (porradaria, sonzeira)
    5 – Dark Angel -Darkness and Descends (obra prima)
    6 – Kreator – Endless Pain (tormentoooorrrr)
    7 – Metallica – Jump in the Fire (comecei ai e tinha esse ep)
    8 – Exorcist – Nightmare Theatre
    9 – Destruction – Eternal Devastation ( curse of gooodsss)
    10 – Grave Digger – Witch Hunter (fodastico)

    Responder
  5. caio

    Caro Bento e demais,

    Chegando por aqui um pouco atrasado…

    Apresento aqui uma visão mais impiedosa dos anos 80

    Os anos 80, que só começam de fato a partir de 1983, foram anos muito estranhos (aliás, o período que vai de 78 a 82 constitui uma época bastante peculiar na história da música e merecia mais atenção por parte da crítica).

    1985 marca o início de uma época nefasta para o rock de uma maneira em geral, com a única exceção das bandas nascidas a partir do Metallica, Slayer e cia.

    Por isso é importante relembrar o que se passou nessa década. Destaco aqui alguns exemplos que traduzem o espírito da época e que me vem imediatamente à cabeça: Bruce Springsteen passa a ser o namoradinho da América com o hit Born in the USA (e outros mais), o pop industrial se consolida e arrasta até gente como Phil Collins e Van Halen. “We are the world” passa a ser uma espécie de hino desse momento que é a cara da era Reagan. Até mesmo o mundo britânico, que produziu coisas boas nessa época, sucumbe a essa nova ordem com os Pet Shop Boys, Culture Club, Duran Duran, etc… Por aqui pelo Brasil, os produtores musicais proibiam expressamente que a guitarra ocupasse um lugar de destaque nos hits do novo “rock” nacional. Timbres distorcidos, nem pensar! Remanescentes dos anos 70 eram chamados de pessoal “das antigas”. Já pensou nos referirmos a 2006 como um período “das antigas”? Isso dá idéia do horror e da distância temporal que os anos 80 tomou de tudo que vinha antes. Para os aficcionados em séries, a segunda metade dos anos 80 representou o que de pior foi produzido na história do gênero, com a produção de muito lixo.
    O rock de uma maneira geral não poderia ficar impune a uma época tão cafona, careta e reacionária. As bandas que tocaram no Rock in Rio foram um bom exemplo disso: metade delas tomou rumos explicitamente comerciais como o Scorpions e o Whitesnake; a outra metade – Iron Maiden, Ozzy e AC/Dc – entraram progressivamente em declínio, para somente ressurgirem nos anos 90 – e mesmo assim mais por força de seu passado. Era o declínio do heavy metal tradicional, de um lado, e do outro, a ascensão de bandas californianas do gênero “farofa”, que representavam o mais decadente e cafona sub-produto do rock em termos de estética e comportamento. Outro dia dei uma busca do Google images do “rock 80’s”. Foi constrangedor e cômico ao mesmo tempo.
    Época triste, na qual o rockstar passou a ser sinônimo de sujeito babaca.

    Felizmente, essa atitude e estética decadente cairia com o rock dos anos 90, mas isso é uma outra história…

    * Ps: vocês esqueceram de citar o Ultimatum, coletânea do Dorsal Atlântica e Metalformose lançada durante o Rock in Rio…

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *