poeiraCast 359 – As origens do metal melódico
por Bento Araujo     14 mar 2018

Quais foram as bandas e as músicas que originaram o estilo melódico que tomaria de assalto as prateleiras de heavy metal nos anos 1990 e 2000? A conversa, sempre bem humorada, é sobre esse assunto neste episódio do poeiraCast!

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Alexandre Guerreiro, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Lindonil Reis, Luis Araujo, Luiz Silva, Marcio Abbes, Pedro Furtado, Rossini Santiago, Rubens Queiroz, Sempre Música, Tropicália Discos, Válvula Lúdica e William Peçanha.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Marcio Abbês

    Juro que estranhei a chamada do programa com a foto do Led Zeppelin. Nunca imaginei a influência da banda no estilo. Acho que há apenas um belo toque. Rainbow já é outra história. Depois de escutar o programa todo, acho que a turma se saiu muito bem, já eles fizeram uma panorama bem legal do estilo. Não esperava tanto. Abração a todos!

    Responder
  2. George

    Em 1996 eu tinha meus 17 anos e era um desses moleque que piravam no Metal melódico de bandas como Rhapsody, Stratovarius, Angra(vcs esqueceram deles!),Hammerfall, Gamma Ray,Helloween, Blind Guardian…umas menos melódicas como Rage, Savatage, Running Wild(a banda mais esperada do metal germânico para vir ao Brasil), Accept…Savatage e Rage(veio pra cá em fevereiro desse ano inclusive) para mim são as melhores, sou muito fã das duas! Hoje em dia o pessoal mais novo nem fala mais metal melódico, dizem Power Metal.

    Responder
  3. Pedro Furtado Jr

    Carissimos. Obrigado pela lembrança do programa do Deep Purple. O som está muito bom. Tudo bem equilibrado e nada a reparar. O que importa é o conteúdo e este é sempre impecável. O programa de hoje não faz parte do meu universo sonoro mas tem quem goste e por isso merecem espaço e respeito. Sempre tem o que aprender. Como sugestao de programa: – os multiinstrumentistas do rock. Fico curioso pra saber quem a mesa considera um multiinstrumentista. Forte abraço.

    Responder
  4. Isidoro Hofacker dos Santos Jr

    Moçada, se formos levar em conta alguns critérios que usaram no programa, podemos incluir os “Scorpions” também nessa turma dos precursores do metal melódico!

    E quanto à mixagem de nosso mestre varanda, está muito boa – alguns programas atrás durante o “que andas ouvindo” ele deixou a música de abertura no fundo e atrapalhou um pouco, mas daí em diante ficou “tudo magiclick”

    Abraços, empoeirados

    Isidoro, Buca das 4

    Responder
  5. Matheus

    Uriah Heep tem muita influência no power metal/metal melódico.

    Vale lembrar que eles sempre tiveram bastante projeção na Alemanha, berço de muitas bandas do estilo.

    E se eu não me engano o vocal do Blind Guardian tem um projeto paralelo com o nome de Demos & Wizards.

    Responder
  6. william peçanha

    Olá.
    Bentão: “Heavy Horses” é o melhor de toda a discografia do Tull!!!
    José: Só não tenho paciência para essas reedições especiais, pra mim são um amontoado de sobras com uns toquezinhos aqui ou ali de alguns instrumentozinhos que no total não vem a dizer nada… De positivo, talvez, o mexe-mexe do Steven Wilson (pra quem tem uma aparelhagem profissional que possa dar ao ouvinte todo o deleite de escutar essas pérolas).
    Ricardo: Está ok o áudio, pelo menos não noto nada de estranho ou fora do lugar…
    Sérgio: um abraço.
    O que me incomoda e me faz não gostar do tal metal melódico é o tal de bumbos duplos á velocidade da luz!!
    Ritchie Blackmore é culpado de TUDO!!!!
    “A Light in the Black” é simplesmente do caralho!!!
    Rainbow era bom (até 1979)… Depois é que ficou esquisito.
    Ponto para Uriah Heep e Queen.
    (O motoqueiro voltou ou é chuva???).
    Um abraço a todos e em cada um.

    Responder
  7. Caio Alexandre Bezarias

    Confesso que o tema me surpreendeu,assim que acessei a página. E favas contadas que o José daria sua já lendária resposta à pergunta…Assim que vi o tema, pensei: ‘O José Damiano vai zoar o metal melódico do início ao fim!”, rs rs rs.
    Agora falando um pouco sério: ótimo programa, rastrearam bem a fundo, muito a fundo, as raízes do gênero, inclusive músicas que passam batidas como obras que deram elementos ao power/melódico, a reouvi-las com atenção. Já a confusão entre os dois nomes é pequena e fácil de corrigir, como o Sérgio fez: metal melódico é um power com algumas características exageradas.
    Eu gosto do gênero, os dois Keepers são obras-primas não só dele, mas de todo o heavy metal, mas a mesmice, a repetição e o exagero fizeram muito mal ao metal melódico.
    Uma pequena correção: Nightwish tem alguns elementos típicos do power/melódico, mas é heavy metal sinfônico e ponto.
    Sobre o Jethro Tull: melhor não comentar muito, sou suspeitíssimo, meu grupo favorito de todo o rock, apenas.
    Grande abraço a todos.

    Responder
  8. Ruth Aparecida

    Olá gente! Sou ouvinte do podcast há algum tempo. Muito legal ouvir as histórias e discussões que vocês tem aí. Sobre o feedback de edição dos episódios, acho bem bacana. Apenas uma deixa pra deixar meu primeiro comentário por aqui (:

    Vida longa e próspera ao PoeiraZine!

    Responder
  9. GERALDO SALDANHA FILHO

    Heheheh criei um MONSTRO: Sérgio Alpendre…sou fã de vcs todos, se vcs fizessem um programa na televisão, teria mais audiência que o Fantástico. Poderia se chamar FODÁSTICOS heheheh

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *