poeiraCast 356 – Os discos mais caros vendidos no Discogs
por Bento Araujo     21 fev 2018

Neste episódio, comentamos alguns casos curiosos de discos comercializados com altos valores entre os usuários do site Discogs, uma das maiores fontes de referências discográficas na internet.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Alexandre Guerreiro, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Lindonil Reis, Luis Araujo, Luiz Silva, Marcio Abbes, Pedro Furtado, Rossini Santiago, Rubens Queiroz, Sempre Música, Tropicália Discos, Válvula Lúdica e William Peçanha.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. william peçanha

    Com toda a licença de discordar do Eduardo Sandoval.
    …E dando um alô para o Jeferson: Só paga se achar que o disco vale, esses caras estão abusando verdadeiramente quando o assunto é preço de lps meio sumidos… Olho aberto.
    Pessoal:
    Também ocorre o contrário, outro dia lá no Vinil na Net consegui um lp da Kate Bush, o “The Dreaming” (que nem é tão bom assim…) com poster e release da gravadora (no caso, a EMI) quase de grátis.
    E outro do Joe Walsh, o “…But Seriously, Folks”, com poster, encarte com letras, release da gravadora em excelente estado por míseros míseros…
    Falando em PROMO, outro dia comprei um lp do Rush, o “Counterparts”, que é até meio rarinho entre os itens negociados lá no Mercado Livre (pedem em média R$ 180,00 ou R$ 250,00), pela bagatela de R$ 80,00… Estranhei… Mas o cara me explicou que as duas primeiras faixas do lado um estavam arranhadas mas isso compensava por ser um disco “PROMO”, tinha até um carimbo em letrinhas douradas para certificar… Tentei explicar para o cara que em meus tempos de funcionário de uma rádio FM aqui de minha cidade (Cataguases-Minas) a emissora recebia caixas e mais caixas de discos com esse carimbo que era para algum radialista menos honesto não vendê-lo pelas lojinhas da cidade… Mas o cara disse que ‘NÃO!!! AS GRAVAÇÕES DESTE DISCOS QUE VEM COM ESSE SELO SÃO DIFERENTES DAS DOS NORMAIS”!!!!… achei melhor não levar a discussão adiante.
    Comprei o disco para completar a coleção.
    Quanto à conservação do que se oferece por aí, quanto mais fotos do item, melhor.
    E o tema foi legal, rendeu uma pesquisadinha por aí para ver o que eu tenho de raro aqui na estante (claro que NADA que ultrapasse os R$ 100,00).
    Alguém já disse recentemente que “depois que inventaram o politicamente correto as coisas ficaram um pouco chatas”, os últimos 8 minutos do programa de hoje provam isso.
    Um abraço em todos e em cada um.

    Responder
  2. Eduardo Zaidan

    Olá a Todos. Eu acredito que todos que estão atrás de mais conhecimento musical a todo momento como a grande maioria aqui (ou senão todos) tem pelo menos um pouco de colecionismo na veia.
    O LP geralmente é lindo, dá pra ver a foto da capa e do conteúdo interno muito bem, tem capas de varios formatos, tem poster, além do charme do vínil e tal. Mas eu desisti de comprar LP faz tempo porque é um absurdo o que se cobra por aí.
    Cada louco com sua mania, mas pra mim não faz sentido ter que mais que uma cópia de qualquer álbum que seja rs.

    Aproveitando o tema, Joel Whitburn é um cara que já lançou varios livros sobre a parada da Billboard e tem essa coleção absurda com todos os discos do top 200 e todos os singles do top 100 que já apareceram nas paradas da Billboard
    https://www.youtube.com/watch?v=j3m1DwU0ImI

    Grande abraço a todos.

    Responder
  3. Pedro Furtado Jr

    Pessoal, esse nosso amigo Rossini eh genio. Deveriamos erguer uma estatua! Resgatou os episódios antigos e repostou o antológico e maravilhoso PZ 162, sobre o Innervisions do Stevie Wonder. Obrigado Rossini! Abraço a todos.

    Responder
    1. Rossini

      Olá Pedro, obrigado. A gente faz o que está ao nosso alcance para que a cultura se espalhe pelo nosso Brasil. Espalhe a notícia para os amigos que gostam de música sobre o poeiraCast disponível aí em todas as plataformas. Quant0 mais gente ouvindo música diferente desta que está aí na “grande” mídia, melhor. Abraço!

      Responder
  4. Caio Alexandre Bezarias

    O primeiro bloco foi legal, mas o cruza na área foi decididamente melhor. E com perdão de todos, se soar excessivo ou agressivo,não me seguro e disparo palavras de ordem: morte ao politicamente correto!!

    Abraço a todos.

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *