Arquivo da tag: La Maquina de Hacer Pajaros

poeiraCast 322 – O prog no ano do punk

Nossa conversa neste episódio é sobre o que de melhor se produziu no rock progressivo em 1977, ano Mais

por Bento Araujo     19 abr 2017

Nossa conversa neste episódio é sobre o que de melhor se produziu no rock progressivo em 1977, ano marcado pelo lançamento do punk rock como movimento.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Artur Mei, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Clark Pellegrino, Claudio Rosenberg, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Haig Berberian, Lindonil Reis, Luis Araujo, Luis Kalil, Marcio Abbes, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Scheherazade, Sempre Música, Tropicália Discos e Válvula Lúdica.

poeiraCast 291 – Melhores discos de 1976

São tantos discos de cabeceira que o programa ficou bem longo. E mesmo assim, muitos grandes álbuns de Mais

por Bento Araujo     03 ago 2016

São tantos discos de cabeceira que o programa ficou bem longo. E mesmo assim, muitos grandes álbuns de 40 anos atrás ficaram de fora. Digamos que comentamos neste episódio alguns dos melhores discos de 1976…

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Antonio Valença, Artur Mei, Bernardo Carvalho, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Dario Fukichima, Ernesto Sebin, Eric Freitas, Evandro Schott, Fernando Costa, Flavio Bahiana, Gabriel Garcia, Haig Berberian, Hugo Almeida, Itamar Lima, Lindonil Reis, Luis Araujo, Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Mateus Tozzi, Pedro Furtado, Rafael Pereira, Raimundo Soares, Raphael Menegotto, Rodrigo Lucas, Rodrigo Vieira, Rodrigo Werneck, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Saulo Carvalho, William Peçanha e Wilson Rodrigues.

La Maquina de Hacer Pajaros

A força do prog argentino dos anos 1970

por Bento Araujo     28 jun 2014

pzperolas-la-maquina

 

La Maquina de Hacer Pajaros foi um dos muitos projetos do argentino Carlos Alberto Garcia Moreno, o popular Charly Garcia, herói na terra do Maradona.

Na primeira metade dos anos 70, Garcia atuou com Nito Mestre no Sui Generis, uma das principais bandas da América Latina.

Em 1975, lágrimas e tristeza na Argentina. O Sui Generis faz seu show de despedida com Charly se mandando para o Porsuigieco, um conglomerado com a nata do folk portenho: Raúl Porchetto, León Gieco, Nito Mestre e María Rosa Yorio. Essa ‘tchurma’ lançou um único e belíssimo registro em 1976 (eu tenho!) mas o que Charly queria mesmo era se aventurar em uma banda de Rock Progressivo.

Apreciador das aventuras sinfônicas do Genesis, do virtuosismo do Yes e da elegância do Steely Dan, Charly Garcia montou uma verdadeira academia progressiva na Argentina, a La Maquina de Hacer Pajaros, formada por Carlos Cutaia nos teclados, o próprio Garcia também nos teclados e voz, Gustavo Bazterrica na guitarra, José Luis Fernández no baixo e Oscar Mouro na bateria. Assim como o Procol Harum, e outras bandas do estilo, a La Maquina de Hacer Pajaros tinha dois tecladistas, o que deixava a sonoridade deles ainda mais rica e elaborada.

Os seguidores do Folk do Sui Generis e do Porsuigieco torceram o nariz para esse novo projeto de Garcia que explorava a fundo todas as possibilidades musicais de seus integrantes.

O primeiro e homônimo álbum (alguns fãs o chamam de “Bubulina”, o nome da primeira música), lançado em 1976, é uma pérola do Progressivo mundial. Os sete temas do álbum compõem uma obra única e forte, que permanece intacta quase trinta anos depois de seu lançamento. “Bubulina” e seu clima Yes, a grooveria e o solo a la Grand Funk de “Boletos, Pases Y Abonos”, o folk de “Por Probar El Vino Y El Agua Salada” e a viagem de onze minutos que é “Ah, Te Vi Entre Las Luces” são os destaques da sublime estreia.

No ano seguinte a banda edita o segundo álbum, Películas, outro belíssimo registro, que, assim como a estréia, passou totalmente batido no gosto do grande público. Aliás, demorou um bom tempo para que esse projeto de Charly fosse reconhecido até mesmo pelo público argentino.

O grupo ensaiava diariamente visando cada vez mais aprimorar a sua performance ao vivo. O guitarrista Gustavo Bazterrica falta a alguns desses ensaios e Charly o manda embora, logo depois de um grande show em Montevidéu. Para seu lugar vem Alejandro “Golo” Cavotia. Fazem mais um par de shows, mas a vontade de Charly é acabar com tudo e vir morar no Brasil.

Na época, Charly era casado com uma brasileira e apaixonado pela música de Milton Nascimento.
Com o inevitável fim, Charly bola um grande espetáculo de despedida para La Maquina De Hacer Pajaros, batizado de El Festival Del Amor – Charly Garcia Pianista y Amigo.

Um dos melhores shows foi essa despedida no Luna Park (a principal casa de shows de Buenos Aires), em novembro de 1977. Nesse espetáculo de despedida da La Maquina, Charly dividiu o palco com muitos convidados como Nito Mestre, León Gieco, Raúl Porchetto, Gustavo Santaolalla, Los Hermanos Markoff, David Lebón, a base acústica do Sui Generis (Rinaldo Rafanelli e Juan Rodríguez), Aníbal Kerpel e Pino Marrone, do Crucis.

Com tudo encerrado em Buenos Aires, Charly Garcia e David Lebón se mandaram para o Brasil e com a ‘la plata’ arrecadada com o grande concerto do Luna Park alugam por três meses uma grande casa em Búzios, onde montam o Serú Girán, uma das mais populares bandas de rock da Argentina.

Texto originalmente publicado na pZ 10.

 

pZ 10 (ESGOTADO)

Thin Lizzy, Grateful Dead, Malo, La Maquina de Hacer Pajaros, Cream etc.

por Bento Araujo     03 Maio 2013

A poeira Zine traz um especial sobre os últimos dias da banda de Phil Lynott, o glorioso Thin Lizzy. Em janeiro serão completados 20 anos da morte desse músico excepcional, assim, resolvemos antecipar as homenagens com esse especial. Os tempos pesados dos discos Renegade e Thunder And Lightning, a tour de despedida, o último disco duplo ao vivo e os derradeiros concertos são a tônica dessa super matéria. O Thin Lizzy dava suas últimas cartadas e agonizava em alto estilo, lotando shows, roubando a cena nos grandes festivais e voltando às paradas.

Os 40 anos da fundação do Grateful Dead e os 10 anos da morte de Jerry Garcia. Não poderíamos perder a oportunidade para fazer uma abordagem inédita sobre um fato bizarro que sempre acompanhou o Grateful Dead: o azar do grupo nos grandes festivais dos anos 60.

E Mais: entrevista com Jaques (Kaleidoscópio), Eldo Pop, Band Of Joy, Rick Wakeman no Brasil em 1975, etc.

Como Comprar: Lemmy Kilmister (Hawkwind/Motorhead)

Capas Históricas: Malo (Malo)

Canções que Mudaram o Mundo: Sunshine Of Your Love (Cream)

Pérola Escondida: La Maquina de Hacer Pajaros

Have A Nice Day: Thunderclap Newman / ? Mark and the Mysterians