Arquivo da tag: Allman Brothers

poeiraCast 492 – Blues rock

Neste episódio, conversamos sobre o estilo que funde o rock ‘n’ roll com sua origem mais reconhecida: o Mais

por Bento Araujo     07 fev 2024

Neste episódio, conversamos sobre o estilo que funde o rock ‘n’ roll com sua origem mais reconhecida: o blues.

Ouça o poeiraCast também pelo Spotify, Deezer, iTunes e diversos apps de podcast.

Depois de 14 anos de estrada e mais de 490 episódios online, o poeiraCast precisa do seu apoio para continuar no ar. Seja um assinante/apoiador do poeiraCast e faça parte desta história. Para realizar o seu apoio e saber mais sobre as recompensas, acesse catarse.me/poeiracast

Agradecimentos especiais aos apoiadores:

André Gaio, Antonio Neto, Aylton José Vasconcelos, Bruno Maia, Bruno Pugliese, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Cláudio Lemos, Claudio Rosenberg, Eduardo Alpendre, Ernesto Sebin, Fernando Bueno, Fernando Padilha, Flavio Bahiana, Francisco Okamura, Hélio Yazbek, James Yamazato, José Adja de Souza, Luís Araújo, Luís Porto, Luiz Paulo Jr., Marcelo Moreira, Marcelo Zarra, Marcio Abbes, Matheus Pires, Mauricio Pires, Miguel Brochado, Nei Bahia, Peter Alexander Weschenfelder, Rafael Campos, Raul dos Santos, Rodrigo Lucas, Rodrigo Werneck, Thatiana Oliveira, Tomas Gouveia, Vagner dos Santos, Vandré dos Santos, Wilson Tortorelli Filho.

poeiraCast 391 – Tecladistas

Neste episódio, falamos dos tecladistas favoritos da casa, alguns dos mais geniais e influentes do rock. Torne-se um Mais

por Bento Araujo     31 out 2018

Neste episódio, falamos dos tecladistas favoritos da casa, alguns dos mais geniais e influentes do rock.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Artur Mei, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Lindonil Reis, Luis Araujo, Luis Kalil, Luiz Paulo, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Mauricio Pires, Pedro Furtado Jr., Rodrigo Lucas, Rossini Santiago, Rui Silva e Wilson Rodrigues.

poeiraCast 310 – Álbuns ao vivo: divisores de águas

Este episódio, o último poeiraCast de 2016, é sobre o papel que muitas vezes o álbum ao vivo Mais

por Bento Araujo     14 dez 2016

Este episódio, o último poeiraCast de 2016, é sobre o papel que muitas vezes o álbum ao vivo tem na carreira de uma banda, abrindo território para uma mudança de estilo, de formação, ou até a derrocada criativa ou comercial.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Antonio Valença, Artur Mei, Bernardo Carvalho, Caio Bezarias, Claudio Rosenberg, Dario Fukichima, Ernesto Sebin, Eric Freitas, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Haig Berberian, Hugo Almeida, Itamar Lima, Lindonil Reis, Luigi Medori, Luis Araujo, Luiz Junior, Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Mateus Tozzi, Pedro Furtado, Rafael Pereira, Raimundo Soares, Rodrigo Vieira, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Saulo Carvalho, William Peçanha e Wilson Rodrigues.

poeiraCast 297 – Pontos turísticos do rock

Neste episódio lembramos de alguns lugares em que a história do rock foi feita por seus maiores personagens. Mais

por Bento Araujo     14 set 2016

Neste episódio lembramos de alguns lugares em que a história do rock foi feita por seus maiores personagens.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Antonio Valença, Artur Mei, Bernardo Carvalho, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Dario Fukichima, Ernesto Sebin, Eric Freitas, Evandro Schott, Fernando Costa, Flavio Bahiana, Gabriel Garcia, Haig Berberian, Hugo Almeida, Itamar Lima, Lindonil Reis, Luis Araujo, Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Mateus Tozzi, Pedro Furtado, Rafael Pereira, Raimundo Soares, Raphael Menegotto, Rodrigo Lucas, Rodrigo Vieira, Rodrigo Werneck, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Saulo Carvalho, William Peçanha e Wilson Rodrigues.

pZ 64

Parliament-Funkadelic, Colosseum, Motörhead, Spooky Tooth, Som Imaginário, Granicus, Allman Brothers, Plástico Lunar, Cozy Powell etc.

por Bento Araujo     01 fev 2016

PARLIAMENT-FUNKADELIC
Você já parou para pensar como seria o mundo da música sem o coletivo Parliament-Funkadelic do capitão George Clinton? Teríamos Cream, Vanilla Fudge e Led Zeppelin, do lado mais heavy. MC5 e The Stooges, do lado mais punk. James Brown colocando todos para dançar. Jimi Hendrix, Sly Stone e os Chamber Brothers fundindo a música negra com o rock psicodélico. Pink Floyd levando a música pop ao espaço sideral. Miles Davis modernizando o jazz. Kraftwerk e o Krautrock sintetizando o minimalismo alemão às massas. O Kiss explodindo e divertindo. E, tanto Stevie Wonder como Marvin Gaye, vendendo horrores e ao mesmo tempo desafiando a poderosa Motown em busca de liberdade criativa. Mas não teríamos o conglomerado de músicos que fez de tudo isso um pouco, debaixo de uma perspectiva cultural, social, política e artística que até hoje é válida. Nosso especial inclui ainda uma longa discografia selecionada (e comentada), para ingressar de cabeça na P-Funksperience.

COLOSSEUM
Quando Roma mandava no mundo, os bretões não passavam de bárbaros. Na segunda metade dos anos 60 do século XX, porém, quando a Inglaterra mandava no mundo do rock, um dos maiores símbolos da civilização romana, o Coliseu, serviu de inspiração para alguns bretões oferecerem ao povo o pão da boa música e o circo da performance irresistível. Plateia alguma seria capaz de permanecer indiferente diante do som produzido com sangue e muito talento pelos gladiadores do Colosseum.

MOTÖRHEAD
O controverso Motörhead de 1983 teve uma trajetória relâmpago. Another Perfect Day, o único álbum do grupo gravado com Brian Robertson na guitarra, foi execrado pelos fãs, que acusavam Lemmy de ter amenizado demais a música do trio. A pZ investiga tudo através de um conto regado a muito ego, drogas, shortinhos e sapatilhas de balé.

SOM IMAGINÁRIO
Sexta-feira santa, 1970. O Som Imaginário fazia a sua primeira apresentação. Eram jovens, livres e inflamados. Estavam todos se apresentando sem camisa, como relembrou Zé Rodrix no Jornal de Música, em 1976: “Nós fomos o primeiro grupo a tocar de peito nu neste país”. Wagner Tiso, Tavito, Luiz Alves, Laudir de Oliveira, Robertinho Silva e Zé Rodrix formavam o sexteto descamisado, que adotou o nome Som Imaginário após um show ao lado do amigo em comum, padrinho, guru e “elemento aglutinador” Milton Nascimento. O show se chamava Milton Nascimento Ah!… e o Som Imaginário. Do show pintou o nome que batizou o promissor conjunto, rapidamente adotado por produtores de todo o Brasil.

SPOOKY TOOTH
Em 1969 o Spooky Tooth lançou um trabalho importantíssimo quando se trata das origens do rock pesado. Dramático e épico na medida certa, Spooky Two merece ser redescoberto pelas novas gerações.

COZY POWELL
Amante da bateria e da velocidade, ele se tornou um dos músicos mais respeitados, requisitados e influentes do rock dos anos 70 e 80, sempre demonstrando um estilo pesado, preciso e vigoroso de tocar. Esteve no Brasil algumas vezes (Whitesnake, Brian May) e deixou registrado mais de 70 trabalhos, com diversos grupos e artistas. Em carreira solo, registrou quatro discos e três compactos, transitando com facilidade entre pop, fusion, erudito e heavy metal.

PLÁSTICO LUNAR
Daniel Torres (vocal e guitarra), Plástico Jr. (baixo e vocal), Leo Airplane (teclados) e Marcos Odara (bateria) formam a Plástico Lunar, banda de rock de Aracaju, Sergipe, que, como eles mesmos dizem, “já beijou o blues e abraçou o progressivo, oscila entre a psicodelia e a black music e vem se destacando por produzir um som sem afetação dos ritmos regionalistas”. Depois de dois EPs e um álbum, eles estão de volta com Dias Difíceis no Suriname, lançado recentemente pela Rock Company/Museu do Disco. Leo Airplane e Marcos Odara bateram um papo com a pZ sobre o novo disco e sobre o que anda rolando com a banda.

GRANICUS
Quando Alexandre, o Grande, deu sua primeira surra no Império Persa, em 334 AC, não estava fazendo apenas História. Estava fazendo também rock ’n’ roll, pois 2306 anos depois, o rio que batizou essa batalha, Granicus, emprestou seu nome para uma banda americana de hard rock que atacava os instrumentos com a fúria dos macedônios e que também morreu jovem como o grande general. A diferença é que o Granicus nunca foi uma banda vitoriosa, muito menos coberta de glórias.

E MAIS:
Quintal de Clorofila, The Allman Brothers Band, David Bowie, Bi Kyo Ran, The Poppy Family, Happy The Man, Magma, Gong etc.

poeiraCast 232 – Rock É Juventude?

Inspirados por uma lista publicada no site U Discover Music, conversamos sobre a ligação entre o rock e Mais

por Bento Araujo     06 Maio 2015

Inspirados por uma lista publicada no site U Discover Music, conversamos sobre a ligação entre o rock e a juventude, comentando álbuns hoje clássicos, sendo que alguns já têm mais que o dobro da idade dos artistas quando os gravaram.
Estrelando: Hendrix, Elvis, Dylan, Stones, Beatles e muitos outros.

poeiraCast 214 – O Fim

A exemplo do Allman Brothers, que decretou seu fim recentemente, que outros grupos deveriam colocar a mão na Mais

por Bento Araujo     19 nov 2014

A exemplo do Allman Brothers, que decretou seu fim recentemente, que outros grupos deveriam colocar a mão na consciência e tomar a mesma atitude?
Esse é o tema de discussão do poeiraCast desta semana.

Lynyrd Skynyrd recebe Gregg Allman, Peter Frampton e outros

O show no Fox Theatre contará ainda com Charlie Daniels, Warren Haynes e Cheap Trick.

por Ricardo Alpendre     15 ago 2014

Lynyrd Skynyrd e convidadosEm 1976, nos shows em que foi gravado o LP duplo ao vivo One More from the Road, o Lynyrd Skynyrd fez parte de uma extensiva campanha para salvar o Fox Theatre de Atlanta, Georgia.

Neste ano, quase quatro décadas depois, o Fox sediará um concerto de celebração da história do grupo de Jacksonville, Florida, que tem tanta importância na casa.

Está anunciado para a noite de 12 de novembro o show One More for the Fans. Além da banda que está excursionando extensivamente pelos Estados Unidos, haverá participações de Gregg Allman, Charlie Daniels, Peter Frampton, Warren Haynes, John Hiatt, Cheap Trick e Donnie Van Zant, entre outros, além de Trace Adkins e do grupo Alabama – que aparecem em destaque sobre todos os outros convidados no site do Fox.

O público em geral poderá comprar ingressos a partir de 18 de agosto. Já os “vips” dispostos a desembolsar mais de mil dólares podem há alguns dias comprar ingressos em área privilegiada, num pacote que inclui vários brindes.

Allman Brothers ao vivo em New Orleans

As aventuras do editor da pZ em New Orleans

por Bento Araujo     13 jul 2014

 

Gregg Allman ao vivo em New OrleansFicamos estacionados há uns dois passos da grade de proteção, na cara do palco. O coração começou a bater mais forte quando um praticável veio sendo arrastado pelos roadies, trazendo a percussão de Marc Quinones (no meio), e os kits de Jaimoe e Butch Trucks nas laterais. O kit de Trucks trazia o desenho de um cogumelo no bumbo, com a inscrição “Butch”. Reconheci então o roadie de Warren Haynes, um gordinho que sempre aparece nos vídeos do Gov’t Mule, e ele estava extremamente atarefado, montando o set do guitarrista. Tapetes eram espalhados pelo chão do palco e o Hammond, caixa Leslie e Fender Rhodes de Gregg Allman também foram posicionados bem na nossa frente. Devo confessar que eu havia escolhido aquele lado esquerdo do palco de propósito, pois tinha certeza de que Gregg Allman ali ficaria.

A galera esperava ansiosa. Alguns coroas, casais, mas também muita molecada. Atrás de mim, um garoto ruivinho aparentando uns 10 anos de idade, vestia uma camiseta escrita “Gregg Allman”. Um outro coroa meio bêbado chegou para o garoto e disse algo do tipo: “Se prepare garoto, pois você vai assistir ao Gregg e sua banda em ação!”. O moleque, com cara de saco cheio extremo, chega pro tiozão e resmunga: “Eu já assisti o Allman Brothers Band por três vezes!”, com seu pai fazendo sinal de aprovação do lado. O bebum ficou calado e eu espantado, pois em meus 33 anos de idade, eu nunca tinha visto o grupo ao vivo… e o garoto com apenas 10 anos já tinha visto três shows deles! Aliás esse tipo de “humilhação” é muito comum nos EUA.

Entre uma cerveja e outra, você naturalmente começa a conversar sobre shows e festivais mais antigos com as pessoas, e é muito comum, por exemplo, uma senhora com visual totalmente “careta”, falar algo do tipo: “Eu assisti o Jimi Hendrix tocar na minha Universidade em 1968”, ou “eu segui o Grateful Dead pelo país em 1971”, ou “eu vi o Grand Funk ao vivo na turnê do Survival”, ou “eu estava naquele show em que o Jim Morrison foi preso”, ou “eu estive em Watkins Glenn, Woodstock, Altamont e no Atlanta Pop Festival”…
Humilhações à parte, era a nossa vez de conferir o ABB ao vivo e os gringos parece que sentiam essa nossa emoção e compartilhavam de tudo com a mesma intensidade. Outra cena marcante: um garoto de uns 12 anos de idade fumando maconha atrás da gente, e com o pai! Surreal, aqui não é muito comum ver esse tipo de coisa… Assusta um pouco.

Às 17 horas em ponto, a banda sobe ao palco e timidamente cada integrante toma o seu posto. Derek Trucks entra de muletas, ajudado pelo seu roadie, o que causou um certo espanto na plateia. Derek tocou sentado durante todo o set, mas como ele é sempre bem tímido, paradão e concentrado, isso foi quase que imperceptível em sua performance.

A primeira música do show foi “Don’t Keep Me Wonderin’”, que já fez todo mundo dançar e entrar no clima. O volume era ensurdecedor e a massa sonora que vinha do palco era cristalina e encorpada. Impressionante a qualidade do som durante todo o festival, chega a dar raiva! Tudo redondinho, encorpado, sem nada “sobrando”. O som do ABB ao vivo é único, é possível perceber a camada de percussão vinda do fundo do palco, passando pelas camas de teclados de Gregg e chegando à frente com as guitarras agressivas de Warren e Derek bem “na sua cara”. Do lado direito, um monstro que atende pelo nome de Oteil Burbridge fecha esse arquivo zipado de som sulista com os graves mais envolventes e pesados de todo o Festival. Nos últimos minutos dessa primeira faixa, Oteil tocou virado para seus amplificadores e agitou tanto no groove que ele própria criava, que seus óculos escuros voaram longe. Era o delírio máximo e havia acabado somente a primeira música do show!

Uma viagem a 1969 foi promovida pela banda na segunda faixa da apresentação, “Trouble No More”, contida no disco homônimo de estreia do grupo. Logo depois uma surpresa naquela altura do set, o clássica “Midnight Rider”, geralmente executada “mais adiante” nos sets da banda. Todo mundo cantava junto, emocionante. Warren assumiu a liderança (que geralmente fica com Gregg) para cantar “Woman Across The River”, que ficou famoso na versão de Freddie King. Foi a única faixa “mais recente gravada pela banda” a ser tocada nesse show, já que ela aparece no último disco de estúdio deles, o excelente Hittin’ The Note, lançado em 2003.

“Ain’t Wastin’ Time No More” veio depois, com Gregg migrando para o Fender Rhodes, tocando virado para o palco e de lado para a plateia. Gregg é o pai do Southern Rock, debaixo de seus óculos escuros e suas tatuagens está a pura história do rock norte-americano, com seus vícios, tragédias e herança da música negra. Nessa faixa que abre o álbum Eat A Peach, é impossível não olhar para o céu azul (“Blue Sky”) e lembrar de Duane, o homenageado nesse tema em questão. Essa foi a primeira composição de Gregg após a morte do irmão, e ela fala sobre sua dificuldade em ter que lidar com isso pelo resto de sua vida. Ouvir “Ain’t Wastin’ Time No More” ao vivo e pensar em Duane Allman é uma experiência espiritual, transcende qualquer barreira material. Gregg também faz isso em silenciosa comunhão com os fãs mais ardorosos que ali estão e esse feeling paira no ar do Jazz Fest.

Depois da homenagem a Duane, era hora de Gregg e Warren homenagearem Bob Dylan, com uma versão matadora e dolorosa para sua “Blind Willie McTell”, cuja letra tem tudo a ver com New Orleans, falando de blues, escravidão, plantações de algodão e da vida do próprio Blind Willie McTell, bluesman cujo maior sucesso foi “Statesboro Blues”, não por mera coincidência a próxima canção executada pelo ABB neste show. Nesse instante, tínhamos a nítida impressão de que estávamos vivenciando mais do que música e diversão. Era história pura da América: blues, a harmonia sulista, Dylan, Blind Willie McTell e ABB, um turbilhão que passava pelas nossas cabeças.

Warren Haynes ao vivo em New Orleans

Gregg e Warren continuam dividindo os vocais e mantendo a emoção do show em alta, apresentando uma versão maravilhosa de “Soulshine”, talvez a mais famosa e bela composição de Warren Haynes.

Dando continuidade, mais duas faixas do primeiro disco do grupo: “Black Hearted Woman” e “Dreams”. Nessa última, a mais psicodélica da carreira da banda, foi incrível olhar para o lado esquerdo do palco e ver a lua (cheia) surgindo, enquanto que do lado direito o sol ainda brilhava e se preparava para se pôr. Você acredita em perfeição? E em alinhamento dos astros? Só quem estava ali naquele instante para sacar do que eu estou falando… Todo mundo em transe com as notas bem escolhidas de “Dreams”, e com o sol abençoando todos os presentes que se preparavam para mais uma homenagem, dessa vez ao irlandês Van Morrison, já que Warren cantou uma versão de “And It Stoned Me”, faixa que abre o exuberante Moondance. Van se apresentaria no fim de semana seguinte do Jazz Fest, então a homenagem foi mais do que apropriada. “No One To Run With”, do disco Where It All Begins foi a próxima canção do dia, abrindo caminho para a sempre monstruosa “Whipping Post”, o marco zero do rock sulista e a cartilha de qualquer banda que tem pretensão a ser uma jam band. Durante “Whipping Post” é evidente a sensação de que todos no ABB jogam pelo time.

Ninguém quer aparecer mais do que o outro, cada um tem o seu papel. A explosão é coletiva e a massa vai ao delírio com os longos solos de Derek e Warren. Desbunde completo. A música termina. Os caras deixam o palco e está todo mundo em êxtase completo. Basta um giro de 360 graus ao seu redor e todo mundo tem um sorriso estampado no rosto e uma tremenda excitação em seus gestos.

Os caras voltam para encore, mas apenas Gregg (no violão), Oteil e Warren. É hora de “Melissa”, a mais famosa balada da banda. O público feminino canta junto e Gregg pousa de galã.

A banda toda volta e ataca de “One Way Out”, transformando o Fair Grounds numa imensa pista de dança. Sim, pode parecer engraçado, mas os gringos adoram essa música (talvez por ela ter aparecido em tantas trilhas sonoras por lá e ter sido um imenso hit nas rádios) e costumam dançar com ela. Foi uma verdadeira festa e assim o ABB encerrou sua apresentação na 41ª edição do Jazz Fest e também o primeiro fim de semana do evento.

pZ 47

The Small Faces, The Who, The Creation, The Spencer Davis Group, The Birds, Zoot Money, Georgie Fame, The Action, The Artwoods etc.

por Bento Araujo     12 jul 2014

THE SMALL FACES
A banda mod definitiva, talvez o grupo britânico que melhor expressou a influência da música negra norte-americana com o fato de se vestir de maneira impecável, como um autêntico dândi inglês. As aventuras de Steve Marriott, Ronnie Lane, Ian McLagan e Kenney Jones – dos primeiros e selvagens anos R&B até a psicodelia surrealista do clássico Ogden’s Nut Gone Flake. Inclui discografia comentada.

THE NIGHT TIME IS THE RIGHT TIME
O nascimento do modernismo como subcultura. A influência do pós-guerra, as roupas, a trilha sonora negra e urbana da América, as danças, o auge e a decadência da cena mod dos anos 1960. Inclui também o revival mod do final dos anos 1970 e a influência do movimento até os dias de hoje.

QUADROPHENIA (THE WHO)
A ópera-rock definitiva do The Who. Tudo sobre a fábula mod de Pete Townshend – a conturbada confecção do álbum, a traumática tour de promoção em 1973 e muito mais.

THE WHO AO VIVO EM NOVA YORK

A pZ foi cobrir o novo show do The Who em Nova York, com total e absoluta exclusividade dentro do jornalismo musical brasileiro. A banda está excursionando mundo afora com seu show Quadrophenia And More, que deve aportar por aqui no segundo semestre. Só na pZ você confere, em primeira mão, todos os detalhes desse mega show.

THE SPENCER DAVIS GROUP

Um jovem de 16 anos de idade chamado Steve Winwood e companhia, no grupo imortalizado por hits como “Keep On Running”, “Gimme Some Lovin’” e “I’m A Man”. R&B made in UK.

THE CREATION
Outra grande banda mod que flertou com a psicodelia. Seus hits “Painter Man” e “Makin’ Time” marcaram época e a banda tinha Pete Townshend e Jimmy Page entre seus fãs. Page se baseou no guitarrista Eddie Phillips para tocar sua guitarra com um arco de violino.

IT’S A MOD, MOD WORLD
Outros nomes que agitaram o mundo mod na década de 1960: The Birds, John’s Children, Georgie Fame, Geno Washington, Chris Farlowe, Alan Bown, Zoot Money e mais um playlist de 20 hinos do estilo.

ALLMAN BROTHERS BAND AO VIVO NO BEACON THEATRE, NYC
Outra cobertura exclusiva da pZ, que assistiu aos dois primeiros shows da banda de Gregg Allman na temporada do Beacon Theatre, em NYC.

E mais:
Entrevista com Phil Mogg (UFO), The Artwoods, The Action, Scorpions, Alvin Lee, Father Yod, Kevin Ayers, Imagery e muito mais.

pZ 30

ZZ Top, Johnny Winter, Southern Rock, Alex Chilton, Lynyrd Skynyrd, Blackfoot, Josefus, 13th Floor Elevators, Moving Sidewalks, Jazz Fest etc.

por Bento Araujo     11 jul 2014

ZZ TOP
A pZ passa a limpo a época dourada do trio texano, quando eles lançaram o álbum Tres Hombres, em 1973.

JOHNNY WINTER
Uma geral no início da carreira fonográfica do guitarrista, quando lançou seus dois primeiros álbuns, em 1969.

NEW ORLEANS JAZZ & HERITAGE FESTIVAL
A pZ foi até New Orleans conferir o Jazz Fest e trouxe na bagagem resenhas de shows fantásticos de Allman Brothers Band, Jeff Beck, Gov’t Mule, Black Crowes, Levon Helm, Van Morrison, Simon & Garfunkel e muitos outros. Confira o diário completo de nossa viagem e fotos inéditas e exclusivas da primeira aventura de nossa pZ Trips.

MANUAL DA PSICODELIA TEXANA
Apresentando: 13th Floor Elevators, Josefus, Cold Sun, Fever Tree, Bubble Puppy, The Moving Sidewalks, Zakary Thaks e muitos outros. Se você pensa que psicodelia americana é só São Francisco, se prepare para mudar de opinião.

20 HINOS DO SOUTHERN ROCK
Escolhidos por você, com sons inesquecíveis de Lynyrd Skynyrd, Allman Brothers, The Outlaws, Blackfoot, Marshall Tucker Band, Little Feat, Down etc.

ALEX CHILTON
Nosso pZ Hero dessa edição é o ex-Big Star e Box Tops, verdadeira lenda do rock de Memphis.

Especial 1

pZ especial de aniversário. Na estrada do rock n’ roll e os maiores discos ao vivo da história do rock escolhidos por você.

por Bento Araujo     07 jul 2014

pZ especial de aniversário
Na estrada do rock n’ roll e os maiores discos ao vivo da história do rock escolhidos por você!
São cinco anos de atividade, trazendo a cada três meses o melhor da música do melhor dos tempos. Para comemorar, nada melhor do que uma edição especial, toda colorida e com 84 páginas, trazendo contos da estrada protagonizados por grandes bandas do rock n’ roll. De quebra, aqui estão os 30 melhores discos ao vivo da história, escolhidos por você no decorrer deste segundo semestre. Para escrever sobre cada um deles, contamos com participações especiais de uma série de convidados ilustres.

Monterey Pop Festival

Grand Funk Railroad (Shea Stadium 1971)

Concerto Latino Americano de Rock (São Paulo 1977) (O Terço, Crucis, Arnaldo & Patrulha, etc.)

Led Zeppelin (Knebworth 1979)

MC5 (Detroit 1968)

Genesis (Brasil 1977)

David Bowie (Londres 1973)

Festivais ao Ar Livre no Brasil dos anos 70 (Iacanga, Saquarema, Guarapari, etc.)

Mamma Mia: the Spaghetti Incidents (Zappa, King Crimson, VdGG)

Quando o bicho pega nos palcos e bastidores (Cactus, Humble Pie, Slade)

30 discos ao vivo que abalaram o rock (segundo os leitores da pZ)
Deep Purple, Allman Brothers, Thin Lizzy, Gentle Giant, Humble Pie, Scorpions (e uma entrevista exclusiva com Uli ‘John’ Roth), Uriah Heep, Lynyrd Skynyrd, Kiss, Rainbow, Iron Maiden, Focus etc.

pZ 4 (ESGOTADO)

Invasão Britânica, Southern Rock, Nektar, Lanny Gordin, Gov’t Mule, Patrulha do Espaço etc.

por Bento Araujo     03 Maio 2013

Edição comemorativa aos 40 da “British Invasion”. Em 15 páginas, 30 bandas foram abordadas: Beatles, Stones, Who, Kinks, Animals, Creation, Yardbirds, Small Faces, Spencer Davis Group, The Troggs, Gerry And The Pacemakers, Zombies, The Searchers, Them, Pretty Things etc.

Rock Sulista – O guia definitivo para se iniciar no estilo, com clássicos de Allman Brothers, Lynyrd Skynyrd, Blackfoot, ZZ Top, Little Feat, The Marshall Tucker Band, Outlaws, Ozark Mountain Daredevils, Charlie Daniels Band, etc.

O progressivo do Nektar e as gravações do clássico A Tab In The Ocean.

E mais: Lanny Gordin, Gov’t Mule, Patrulha do Espaço etc.

Pérola Escondida: Boomerang

Have A Nice Day: Wallace Collection / Mungo Jerry

poeiraCast 101 – Van Halen + Wanee Festival
por Bento Araujo     25 abr 2012
poeiraCast 79 – Bandas com irmãos
por Bento Araujo     21 set 2011