poeiraCast 456 – Hawkwind
por Bento Araujo 13 jan 2021

Com mais de meio século de estrada, o Hawkwind é uma banda que tem seguidores fiéis e um caráter de coletividade artística, tendo entre os colaboradores eventuais figuras como o escritor de ficção Michael Moorcock. Eles são o nosso assunto no primeiro programa de 2021.

Ouça o poeiraCast também pelo Spotify, Deezer, iTunes e diversos apps de podcast.

Preparamos uma playlist que serve como trilha sonora para este episódio, com músicas que indicamos durante o programa. Ouça aqui!

Depois de onze anos de estrada e mais de 450 episódios online, o poeiraCast precisa do seu apoio para continuar no ar. Seja um assinante/apoiador do poeiraCast e faça parte desta história. Para realizar o seu apoio e saber mais sobre as recompensas, acesse catarse.me/poeiracast

Importante: o poeiraCast somente irá continuar se atingirmos a meta mínima da campanha.

Agradecimentos especiais aos apoiadores:

Alexandre Citvaras, André Gaio, Antonio Neto, Bruno Pugliese, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Cláudio Lemos, Claudio Lojkasek, Claudio Rosenberg, Eduardo Alpendre, Ernesto Sebin, Felipe de Paula, Fernando Padilha, Flavio Bahiana, Hélio Yazbek, Janary Damacena, Lindonil Reis, Luís Araújo, Luís Porto, Luiz Paulo Jr., Marcelo Moreira, Marcelo Zarra, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Matheus Pires, Mauricio Pires, Miguel Brochado, Nei Bahia, Oscar Neto, Pedro Furtado Jr, Rafael Campos, Raul dos Santos, Ricardo Nunes, Rodrigo Acrdi, Rodrigo Lucas, Thatiana Santos, Vagner dos Santos, Vandré dos Santos, Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Ricardo Alpendre

    Feliz ano novo, pessoal!
    Se alguém tiver seu comentário não aprovado imediatamente (e não tiver cometido nenhuma malcriação, é claro), é porque o sistema de filtragem é meio bocó, e a gente aprova assim que possível.

    Responder
  2. Roberto Arara

    Salve galera do poeira, que bom encontrá-los firmes e fortes, que tenhamos todos um ótimo ano. Quem diria poeiraCast do Hawkwind, quem te viu ,quem te vê…Banda que sempre gostei, muito. Comprei o Warrior on the edge of time no lançamento, comprei pela capa, não conhecia, virei fã , é meu disco preferido deles até hoje, alias parece que preferido de todo mundo.
    o duelo pra mim, pareceu mais David contra Golias, explico: quando o Asia estava gravando o primeiro disco, tinhamos uma enorme expectativa ,por conta dos integrantes, esparavamos algo no minimo fantastico, quando saiu o disco, aquela bela capa, tava tudo conspirando a favor, ate colocarmos o disco pra ouvir, isso na loja que frequentavamos na época, todo mundo excitado, ninguem nem respirava, ai veio 0 impacto… disco fraquissimo, horrivel, ninguem gostou, e estavamos num grupo de amigos, bem ,foi uma decepção enorme, só fui ouvir novamente muito anos depois, só pra confirmar, discos horriveis, acho que foi o maior embuste em torno de nomes consagrados. ah, não comprei naquele dia, nem depois ,nem nunca. Talvez ,se fosse uma banda apenas com garotos em sua primeira banda, eu achasse só fraco, mas praquela formação, acho inadmissivel. chamar aquele pop farofa de rock é uma ofensa, mais ainda prog. Já o Uk é legal, nada extraordinario ,mas legal. é isso galera, abraços a todos.

    Responder
  3. Sérgio Siscaro

    Pessoal do Poeira Cast, o especial do Hawkwind foi um marco! Apesar de seus discos fantásticos, sua influência em vários estilos e sua longevidade que já supera meio século, a banda ainda é inexplicavelmente desconhecida aqui no Brasil! Muito bom o podcast de vocês: equilibrado (ainda que, talvez, pudesse dedicar um pouco mais de tempo à fase “Eternal Champion” do meio dos 80s e aquela série de álbuns paralelos “The Weird Tapes”) e informativo. Quando lia o Poeira Zine, sempre senti falta de uma matéria de capa sobre a banda; o podcasta ajuda a reparar essa falta! (aliás, há planos de, em algum dia pós-pandêmico, o Poeira Zine impresso voltar??).

    Eu não sabia sobre as declarações de Brock sobre Enoch Powell… Eu sempre tive a impressão de que o jeitão “libertário” da banda se devia não a ele, mas apesar dele… Na biografia The Saga of Hawkwind, de Carol Clerk, transparece uma imagem de Brock como super-controlador, uma espécie de Steve Harris do Space Rock… Bem ao contrário de Nik Turner, que encarnava aquele jeitão freak-doidão. Não surpreende que o Brock acabasse tendo inclinações políticas desse gênero; aliás, o baixista Alan Davey também seria próximo de de um tal Paul Eason, do British National Party… Lamentável…

    Um abraço a todos!

    Responder
    1. Ricardo Alpendre

      Pois é, Sérgio, também li em fóruns sobre a presepada do Alan Davey em apoio à racistaiada britânica do BNP, e li justamente quando procurava me inteirar mais sobre as declarações do Brock. Interessante essa visão quanto ao jeitão libertário dos Hawks.
      E também senti falta de falarmos mais sobre várias coisas de depois dos anos 70, mas não cabe tudo sobre uma banda longeva num programa. Eu seria capaz de ficar conversando sobre uma banda como o Hawkwind o dia inteiro =D

      Responder

Faça um comentário Ricardo Alpendre Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *