poeiraCast 462 – Brasil 71
por Bento Araujo 07 jul 2021

Uma conversa sobre os grandes álbuns de várias vertentes da música brasileira em 1971!

Ouça o poeiraCast também pelo Spotify, Deezer, iTunes e diversos apps de podcast.

Preparamos uma playlist que serve como trilha sonora para este episódio, com músicas que indicamos durante o programa. Ouça aqui!

Depois de doze anos de estrada e mais de 460 episódios online, o poeiraCast precisa do seu apoio para continuar no ar. Seja um assinante/apoiador do poeiraCast e faça parte desta história. Para realizar o seu apoio e saber mais sobre as recompensas, acesse catarse.me/poeiracast

Importante: o poeiraCast somente irá continuar se atingirmos a meta mínima da campanha.

Agradecimentos especiais aos apoiadores:

Alexandre Citvaras, André Gaio, Antonio Neto, Bruno Pugliese, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Cláudio Lemos, Claudio Lojkasek, Claudio Rosenberg, Eduardo Alpendre, Ernesto Sebin, Felipe de Paula, Fernando Padilha, Flavio Bahiana, Hélio Yazbek, Janary Damacena, Lindonil Reis, Luís Araújo, Luís Porto, Luiz Paulo Jr., Marcelo Moreira, Marcelo Zarra, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Matheus Pires, Mauricio Pires, Miguel Brochado, Nei Bahia, Oscar Neto, Pedro Furtado Jr, Rafael Campos, Raul dos Santos, Ricardo Nunes, Rodrigo Acrdi, Rodrigo Lucas, Thatiana Santos, Vagner dos Santos, Vandré dos Santos, Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Caio Alexandre Bezarias

    Há meses não postava comentários sobre as edições do Poeiracast, então vamos lá:
    Primeiro, óbvio e o de sempre: ótimas todas as edições de 2021. A dedicada ao Hawkwind agradou particularmente, não só por eu ser fã do grupo, mas também por trazer informações que poucos conheciam.
    Sobre o tema do segundo bloco desta edição: o In-edit é um deleite para nós melômanos, as deficiências estéticas de muitos filmes se apagam perto do ineditismo do conteúdo. Sobre a edição deste ano, alguns pitacos:
    O curta que registra o show dos primórdios da carreira de Alice Cooper- hilário, caos puro. Um belo exemplo do que afirmei acima.
    O documentário sobre os Secos e Molhados, apesar de boas histórias e revelações (a origem do grupo, a primeira formação, como esta se encontrou, é uma história e tanto), peca pela parcialidade. De fato, registrar só a versão do João Ricardo sobre as brigas e o fim do grupo macula um tanto o documentário, mas obrigatório para interessados na música e rock brasileiros.
    Texas Carlos Massacre é imperdível: um filme com ideias, personalidade, tem estética e, com perdão da piadinha barata, sangue.
    Um filme desta edição que vocês não citaram, provavelmente não assistiram, mas muito bom: the rise of the synths, que investiga as origem e ascensão desse gênero musical que cultua e resgata a música e estética dos anos 80. Bem-feito, uma exploração didática e convencional do gênero, mas muito clara, boas entrevistas. E ninguém menos que John Carpenter(que é um herói dos milhares de músicos, a imensa maioria intencionalmente anônimos e sem mostrar o rosto, que compõem essa cena) apresenta e narra!
    Acabei por escrever demais, talvez para compensar os meses sem nada comentar, rs rs.
    Grande abraço a todos, longa vida ao PoeiraCast.

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *