poeiraCast 431 – Como seria o mundo sem os Beatles
por Bento Araujo     18 set 2019

Com todo o burburinho sobre o filme Yesterday e o cenário em que ele se desenvolve, resolvemos entrar também na conversa sobre como seria o mundo se os Beatles não tivessem existido.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Herval Domingues, João Roberto Tayt, Lindonil Reis, Luis André Araujo, Luis Kalil, Luiz Paulo Jr., Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Marco Aurélio, Ricardo Nunes, Rossini Santiago, Válvula Lúdica, Vandré dos Santos e Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Monica Cristina

    Cade o duelo Beatles com Adorno X Beatles sem Adorno?
    Assisti o documentário sobre o Chicago e acho o Peter Cetera um filho da mãe.
    O Kayak foi tema da Enciclopédia do Rock do programa Altofalante da Rede Minas.

    Responder
  2. Rene Ferri

    Acho que o mundo musical sem os Beatles seria hoje quase o mesmo, apenas bem menos exuberante. As bandas de Liverpool daquela época, as melhores, ganhariam destaque, assim como as melhores de Manchester, de Londres etc. O que fez a diferença foi a Beatlemania, provocada pelo desabrochar repentino inexplicável do power de criação de Harrison, Lennon e McCartney — na verdade, eu diria que aquilo foi uma explosão, um Big Bang. Se não foi pacto com o diabo ou obra de engenharia social, em conluio com egressos da Escola de Frankfurt e os luminares da Nova Ordem Mundial, então, não sei o que aconteceu. Nesse contexto, os Beatles até poderiam existir, seria aquela banda meia-boca da 2ª divisão de Liverpool, que gravou um single obscuro com Tony Sheridan na Alemanha, e que gravaria, talvez, + 2 ou 3 compactos na Inglaterra, e escorregaria para o limbo. A banda era aquilo que está no Decca Tapes, uma banda sem imaginação, com a cabeça no rock’n’roll anacrônico, ultrapassado, atrasadíssimo dos anos 50, o besteirol de Cochran/ Vincent/ Holly/ Domino etc. que faria a banda patinar por alguns anos até morrer.

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *