poeiraCast 366 – Lados B de LPs
por Bento Araujo     02 maio 2018

Às vezes, de forma calculada ou não, os LPs têm o lado B (ou lado 2) bastante marcante, que acaba se diferenciando na discografia como uma ousadia ou até como um experimentalismo. Alguns deles são lembrados neste episódio.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Alexandre Guerreiro, Bruno Santos, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Dario Fukichima, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Lindonil Reis, Luis Araujo, Luis Kalil, Luiz Paulo, Marcio Abbes, Pedro Furtado, Rossini Santiago, Rubens Queiroz, William Peçanha e Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Marcio Abbês

    Levei um susto ao ver a foto de apresentação desse programa. Acabei de receber o disco “Low” de presente do meu irmão. Ele comprou em Londres e viu um show de um músico que o Bowie venerava, Peter Hammill. Ele ficou impressionado com a linda voz do Peter no alto dos seus 70 anos. Sou fã de vocês! Abração a todos!

    Responder
  2. Bruno Assis

    O Bento em um Poeira Cast alguns anos atrás falou sobre o fato de “Red” do King Crimson estar em primeiro lugar nos discos de 74 no Rate Your Music, o que me fez ir atrás do disco que hoje considero o “melhor disco da história”, como costumo brincar com meus amigos. Sou eternamente grato por vocês terem “encurtado” esse caminho. Starless sem dúvida é um deleite musical, a perfeição em vários níveis.

    Responder
  3. Haig Berberian

    Sugestão de tema: “o álbum na era das playlists”. Ainda vale a pena (mercadologicamente) lançar álbuns completos ou é melhor investir em singles e EPs? A prática, antes tão comum, de ouvir um disco com atenção, hoje me parece coisa de gente esquisita.

    Responder
  4. Haig Berberian

    Vocês esqueceram um lado B emblemático do prog: “Echoes”, lado B do “Meddle”. Bem diferente do lado A, com a melhor faixa longa do Pink Floyd.

    Responder
  5. Parffit Jim Balsanelli

    Valeu a citação, galera! Piracity agradece a lembrança, Cadinho!

    Aproveitando a questão do meu nome e a PZnº0, nunca canso de agradecer ao grande Luiz Domingues por ter me presenteado com essa edição recém saída do forno.

    Outros discos não citados onde considero o lado B especial/diferente:
    * Kinks – Arthur (o disco soa como um resumo da banda: lado A era mais voltado ao que fizeram até então e lado B apontava um futuro)
    * Bruce Springsteen – The Wild, The Innocent & The E Street Shuffle (tem que ter coragem para deixar Incident on 57th Street no lado B)
    * Neu! – Neu! ’75 (lado A Rother e lado B Dinger)

    Responder
  6. Eduardo Zaidan

    Bom Dia Pessoal!

    Meu Top 5

    1º O “Lado 4” do “Something/Anything?” do Todd Rundgren (Pra mim um dos 10 melhores discos de todos os tempos) é todo ao vivo, diferente dos outros 3 “lados” que foram gravados em estúdio (por Todd, sozinho, em sua casa).

    2º Low (lado todo Ambient)

    3º Abbey Road (lado Suíte)

    4º Led Zeppelin III (lado todo acústico)

    5º Foxtrot (lado Suíte)

    Grande Abraço!

    Responder
  7. Matheus

    Ninguém comentou o lado B do “Synchronicity” do Police, que tem todos os hits do disco, enquanto que no lado A ficavam as faixas mais “estranhas”.

    Responder
  8. william peçanha

    Olá.
    Eu ia citar o The Police “Synchronicity”, mas o Matheus se adiantou.
    Citaram o “In Through the Out Door” e confesso que uma de minhas cruzadas é conseguir AS TAIS SEIS CAPAS DIFERENTES deste disco (quatro já estão aqui na estante), para desespero da minha patroa, a Eliza, que não consegue entender o por quê do “dinheiro jogado fora”!!!
    Tenho uma opinião sobre o “Physical Graffity” (principalmente o tal lado 4) mas diante da defesa apaixonada do Ricardo acho melhor me recolher…
    Excelente programa.
    Um abraço em todos e em cada um.

    Responder
  9. Eric Freitas

    Dentre os discos que chamo ‘de cabeceira”, mesmo gostando dele inteiro, tem um que acho que o lado B estraçalha o lado A, que o Rising, do Rainbow.

    Responder
  10. Vandré Santos

    O lado B do Aces High Maxi Single que saiu no Brasil tinha os lados B dos singles de The Trooper, 2 Minutes to Midnight, além do Aces High e eles me infuenciaram na busca por descobrir as originais.

    Responder
  11. mario josé pereira

    Saudações do outro lado do vinyl,sempre bem prensado-na sonoridade em muitos LPs,grandes obras citadas por período e toda a complexidade para fazer o produto final em pouco tempo afinal era o mercado a fim de ganhar aí entrava a parte criativa das Bandas como os HEEPs LIVE 73 LADOS B com ares diferentes e Pauleiras Progs.outro Clássico NIGHHTINGALES & BOMBERS simplesmente objetivo no tema,já por aqui SÁ e GUARABIYRA {Pirão de peixe com pimenta} lado B eterno na música brazuca ,ZÉ RAMALHO lado B {A dança das borboletas} só mágicos nos instrumentos e foram muitos outros sons desde período até os anos 80 quando o som ficou pasteurizado e vendável,aí é outra História…..

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *