poeiraCast 318 – Prog norte-americano
por Bento Araujo     22 mar 2017

O rock progressivo é cria da Europa, mas assim como se espalhou por todo o mundo, também foi feito na América do Norte. Bandas dos Estados Unidos, assim como algumas do Canadá e do México são o assunto do programa.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Artur Mei, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Haig Berberian, Lindonil Reis, Luigi Medori, Luis Araujo, Luis Kalil, Luiz Junior, Pedro Furtado, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz e William Peçanha.

edifier

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. MARIO JOSE PEREIRA

    sintetizadores Korg que sonoridade diferente dos Mini – Moogs nas Obras Progs de Bandas fora do eixo Europeu e guitarras com amps e captadores diferenciados das Fenders Havia diferenças dos Valvulados para os de circuito integrado aí há grande diferença sonora de temas clássicos da formação musical e a produção sonora ao vivo com grandes improvizações que deu origem a outras obras Prog: JOURNEY /THE FLOCK /BLOODROCK /AMBROSIA /LIGHTHOUSE /SKYLARK I /SUGARLOAF/MARSHALL TUCKER BAND I /MCKENDREE SPRING / GRANDES músicas até que obscuras e alguns títulos lançados aqui bem deu fome vou comer o Greguinho quentinho no Pão até ……

    Responder
  2. Matheus

    De prog americano mais recente dá pra citar talvez o Mastodon.

    Tudo bem que já é bem mais pesado, mas se falaram de Dream Teather e Queensryche…

    Responder
  3. Artur Mei

    Nossa! Essa do King Diamond foi demais! Realmente rolam bandas que dá vergonha de ouvir mas mesmo assim você gosta muito. Gosto muito de Whitesnake, mas tenho vergonha de ouvir na frente da minha namorada! hahahah Fica aí uma boa dica para um episódio do programa: “Bandas que gosto e tenho vergonha de ouvir na frente dos outros”

    Responder
  4. william peçanha

    Bentão e demais:
    Do México tem também o Cast, de sua vasta discografia há alguns discos muito interessantes e se não me engano, todos cantados em inglês com um sotaque também interessante.
    Desde sempre considerei o Kansas progressivo até o “Monolith” (sonoridade, letras, palco), depois, houve uma grande despirocada só entrando nos eixos de novo em alguns lançamentos bem recentes, dos 2000 pra cá.
    Concordando com o Sérgio, acrescento que o Styx foi bom também nos primeiros discos até chegarem em 1979, depois, houve despirocada igual à do Kansas (esse desespero de encontrar um vocalista com a mesma voz do Denis DeYoung chegou a ser ridícula).
    José, quem falta ao The Who ainda não entrou na banda.
    Quanto a ouvir heavy metal dentro de casa (algumas bandas, diga-se), se a pessoa tem vergonha de ouvir tendo como plateia os familiares, que os familiares saiam de casa… O amor e a devoção ao heavy metal TEM de prevalecer (mas, aqui pra nós, tem algumas bandas que hoje a gente pega o lp e tenta ver UMA explicação de tê-lo ali na estante e não encontra).
    Sorte a todos e um abraço em cada um.
    Agora, que os irmãozinhos americanos são chatinhos TAMBÉM fazendo progressivo, disso não tenho dúvida.

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *