poeiraCast 302 – Melhores discos de 1986
por Bento Araujo     19 out 2016

Neste episódio comentamos discos de que gostamos e/ou que achamos importantes do ano de 1986. O metal se dividia em mais estilos, o rock gótico trazia novidades, e, como sempre, os gêneros musicais sofriam mutações criativas e mercadológicas.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Antonio Valença, Artur Mei, Bernardo Carvalho, Caio Bezarias, Claudio Rosenberg, Dario Fukichima, Ernesto Sebin, Eric Freitas, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Haig Berberian, Hugo Almeida, Itamar Lima, Lindonil Reis, Luigi Medori, Luis Araujo, Luiz Junior, Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Mateus Tozzi, Pedro Furtado, Rafael Pereira, Raimundo Soares, Rodrigo Vieira, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Saulo Carvalho e Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Anderson

    Ano sensacional para o Technopop e para o Metal. Incluo o Depeche Mode no Technopop e para mim o Black Celebration é o disco que iniciou a fase do Depeche que me interessa.

    Responder
  2. João Cândido

    No começo do PoeiraCast havia sempre um ou dois temas a mais além do tema principal. No número 45, por exemplo, o tema principal foi Jimi Hendrix e o tema complementar, nicknames. Rendeu uma boa conversa.

    Responder
  3. João

    Temos que ressaltar as defesas constantes do Sérgio em relação a Duran Duran, George Michael e outros, que renderam frases antológicas do Zé, como por exemplo: “Se eu tivesse certeza que fosse viver até 150 anos, talvez um dia escutasse Adam and the Ants”.

    Responder
  4. William Peçanha

    …acho que, claro que muitos outros não foram citados e nem é essa a intenção quando se faz um programa e/ou lista de “melhores de” mas três ausências PARA MIM foram sentidas: “Invisible Touch” do Genesis (meio dispensável não fosse por “Land of Confusion” e seu vídeo clip muito engraçado), “Power”, do Kansas (outro que não fez lá muita falta mas pelo conjunto da obra merecia uma citação) e “The Final Countdown”, mais farofa impossível!!
    Falando nisso, o que você quatro acharam do novo cd do Kansas (“The Prelude Implicit”), gostaram, dá pra dizer que o ano está salvo com esse lançamento?
    No mais, seguimos na torcida para que os colaboradores se multipliquem!
    Um forte abraço em todos.

    Responder
  5. Caio Alexandre Bezarias

    Conclusão a que se chega, depois de mais uma edição que repassa grandes discos de um determinado ano: sempre há boa música, em qualquer época e ano, basta procurar.
    Difícil pacas fechar em um só, mas concordo com o Bentão: Reign in Blood é o grande disco de 1986. É o disco definitivo do trash metal, precisa de mais argumento?
    Momento engraçado/memorável nesses mais de 7 anos de Poeiracast? Aquele(s) que frequentemente relembro nos comentários: Bento entre desolado/revoltado declara que ‘os irmãos Alpendre mais uma vez acabam com o PoeiraCast…” – e também as reedições dessa fala, que de tempos em tempos, felizmente, retorna. Essa tem de entrar no boxset!!! Ha ha ha!!
    Grande abraço a todos, e que o Poeiracast dure outros 7 anos, depois mais 7, outros 7…

    Responder
  6. antonio rennan sales

    1. Ira! Vivendo e Não Aprendendo
    2. Paul Simon Graceland
    3. The Bolshoi Giants
    4. The Housemartins London 0 x Hull 4
    5. Alceu Valença Rubi

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *