poeiraCast 296 – Steve Winwood
por Bento Araujo     07 set 2016

The Spencer Davis Group, Traffic, o supergrupo Blind Faith, mais Traffic e uma bela carreira solo. Tudo isso sem contar participações e parcerias! Hoje vamos com Steve Winwood, que veio da região de Birmingham, West Midlands, Inglaterra.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Antonio Valença, Artur Mei, Bernardo Carvalho, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Claudio Rosenberg, Dario Fukichima, Ernesto Sebin, Eric Freitas, Evandro Schott, Fernando Costa, Flavio Bahiana, Gabriel Garcia, Haig Berberian, Hugo Almeida, Itamar Lima, Lindonil Reis, Luis Araujo, Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Marcos Oliveira, Mateus Tozzi, Pedro Furtado, Rafael Pereira, Raimundo Soares, Raphael Menegotto, Rodrigo Lucas, Rodrigo Vieira, Rodrigo Werneck, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Saulo Carvalho, William Peçanha e Wilson Rodrigues.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. João Cândido

    Ótimo programa, abordaram todas as fases do Steve Winwood.

    Em 71, nos estúdios da Island, o Traffic gravava John Barleycorn Must Die. Vizinho a eles, a dupla Ian McDonald/Michael Giles gravava seu projeto dissidência do King Crimson. A proximidade gerou uma pequena colaboração: Steve Winwood gravou piano e órgão no tema Turnham Green, primeira parte de Suite in C.

    O Dave Brubeck, citado pelo Cadinho, também é autor de Blue Rondo a la Turk (que seria regravada pelo ELP)

    https://www.youtube.com/watch?v=t_lOqfke3yc

    Ele foi o primeiro músico de jazz a aparecer na capa da revista Time, o que gerou um certo mal estar porque havia a expectativa de que a revista homenageasse algum jazzista negro (como Louis Armstrong ou Duke Ellington).

    Com relação a guitarras gêmeas, daria pra ir além e dizer que os Beatles inventaram também as guitarras trigêmeas. Foi na introdução da música The End, em que Lennon, George e McCartney se alternam em pequenos solos (cada um faz 3).

    abraço

    Responder
        1. Luis Andre Araujo

          Por nada.

          E sobre tua sugestão, é aquela coisa: até que depois de um tempo eles poderiam voltar em um assunto ou outro que já foi tema, talvez mudando apenas o enfoque, o tipo de abordagem. Porque quando passa o tempo as opiniões também podem ir se modificando/se enriquecendo.

          Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *