Arquivo do Autor: Lucas Lazarotto

A coleção de Bento Araujo na revista Record Collector

A edição de outubro da revista britânica Record Collector traz uma entrevista com Bento Araujo

por Lucas Lazarotto     05 out 2018

A edição de outubro de 2018 da revista britânica Record Collector traz uma entrevista com Bento Araujo, onde ele conta detalhes sobre a sua coleção de discos.

Para saber mais acesse https://recordcollectormag.com/articles/collector-10

Lindo Sonho Delirante vol.2: 100 daring records from Brazil (1976-1985)

In this passionate, meticulous and captivating musical research, you will find a restless, sometimes utopic, but also genuine panorama. Each album, EP or single, is accompanied by a review in Portuguese and English, and faithful reproduction of the original cover art.

por Lucas Lazarotto    

PRICE: $39.00 USD (BOOK) + $19.00 USD (ROW shipping and handling). TOTAL: $58.00 USD




Here is the second volume of Lindo Sonho Delirante, with information and commentary about 100 daring records from Brazil released between 1976 and 1985. Bento Araujo dug through his record collection, his interview archive and large amount of articles from the musical press of the period in order to immortalize one of the most dramatic, creative and revolutionary eras of Brazilian music.

In this passionate, meticulous and captivating musical research, you will find a restless, sometimes utopic, but also genuine panorama. Each album, EP or single, is accompanied by a review in Portuguese and English, and faithful reproduction of the original cover art.

The author investigates the records and trajectories of both the established acts and those who did not cause much impact at the time, but today are, or can become, sought after by collectors around the world. These are records of different musical genres, which, gathered under the banner of transgression, build a daring and peculiar scene.

In this new volume, the digging begins in 1976, setting out on a journey of 10 years, which concludes in 1985 with the end of the military regime in Brazil.

The second half of the 1970s was a period of deep discoveries and turnarounds in Brazilian music. Among the youth, there was a desire in the air, to be free from the shackles of the dictatorship and able to start all over again.

The cultural heritage from the previous decade still seemed ubiquitous: the hippie dream, the counterculture, Tropicalia, and the modernists’ “anthropophagic” commandments still mattered, but the soundtrack to that scene, psychedelic rock, was transforming into an array of different sounds and attitudes.

MPB found itself immersed in ideological conflicts, while independent artists worked outside of any known categories, opening new paths and turning their backs to the past, the rules of the record industry and the conventions of Anglo-American rock. This healthy dichotomy fomented the music contained in these 100 records.

Lindo Sonho Delirante vol.2: 100 daring records from Brazil (1976-1985) is the follow-up to Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975), released in 2016. Click here to order the first volume!

Book Specifications
ISBN 9788592179212
232 pages
21 x 19.5 cm
600 grams
Fully colored
Cover in 300g/m² coated paper, core in 115g/m² coated paper, PUR binding
Texts in Portuguese and English
Priceless information
100 reviews of albums + 100 reproductions of original cover art + Introduction

Praise for Lindo Sonho Delirante vol.1: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975):

“Penned by the editor of the country’s leading vinyl collectables magazine, this new book shines a light on 100 records that tell the story of Brazilian psych’s tumultuous first eight years. Beyond these little-known stories, perhaps the most important function of the book is as the gateway to the music itself; a listen to almost any of the iridescent singles, EPs and albums covered reveal them to be more than worthy of Araujo’s evangelism.”
Record Collector (five out of five stars review)

“The cover shots of the 100 records chosen to represent this radical strain of self-expression would be worth the price of entrance alone. Add to that the detailed descriptions, the introductory essays and the general care for quality that’s gone into this labour of love and you have an utterly essential purchase. A lavish, jaw-droppingly beautiful book.”
Shindig! (five out of five stars review)

“A lovely project cataloguing the artwork and history behind 100 classic and super rare Brazilian psych records from the country’s recording golden age. Expect to find Tropicalia favourites from Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa and more alongside recently reissued rarities from Lula Cortes, Hareton + Meta and Pedro Santos – all accompanied by bi-lingual Portuguese/English commentaries and 7″-sized full-colour reproductions.”
Vinyl Factory (LSD chosen as one of the 10 best music books of 2017)

“The book proceeds chronologically, with detailed entries on records (in Portuguese and English) describing everything from pop heroes to tropicalia pioneers to wild takes on progressive rock, and the cultural and political climate that produced them.”
Wire

“Printed in both Portuguese and English, this is the perfect gift for the well-travelled psych fan whose knowledge of the Tropicalia movement and beyond starts and stops with Os Mutantes, Brazil’s answer to late-period Beatles. It’s fascinating stuff.”
Classic Rock

“Araujo’s writing is clear and incisive, relating biographical information, historical context, cultural significance, and a brief description of the musical highlights of each record. ‘Brazil is a psychedelic country by nature,’ asserts the author. The 100 records covered in this book bear out that assertion in 100 different ways. An entire world is opened up for you in its pages. Go explore it.”
Ugly Things

Bento Araujo is a journalist, researcher and record collector. He started out playing in bands and working in record stores, until he founded poeira Zine, an independent print publication aimed at record collectors. His articles, essays and interviews have been published in newspapers O Estado de São Paulo and Folha de São Paulo, and in the magazines Bizz and Rolling Stone, among others. As a lecturer, mediator and curator, he has participated in events in Brazil and abroad. His book Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975), published in Portuguese and English, was sold in more than 40 countries. He was born, raised and still lives in São Paulo, Brazil.

Lindo Sonho Delirante vol. 2 – campanha no ar!

A campanha de financiamento coletivo do livro foi lançada no Catarse

por Lucas Lazarotto     25 Maio 2018

O jornalista, escritor, pesquisador e colecionador de discos Bento Araujo, editor da revista poeira Zine, acaba de lançar uma campanha de financiamento coletivo (crowdfunding) para viabilizar o livro Lindo Sonho Delirante vol.2: 100 discos psicodélicos ou audaciosos do Brasil (1976-1985). O primeiro volume do livro foi publicado em 2016, de forma totalmente independente, após uma bem sucedida campanha de financiamento coletivo. Lançado em português e em inglês, o livro foi vendido em mais de 40 países, ganhou cinco estrelas na revista britânica Record Collector e foi eleito pelo site britânico Vinyl Factory como um dos dez melhores livros de música do mundo daquele ano.

O primeiro volume trazia resenhas de discos lançados entre os anos 1968 e 1975, ou seja, abordava as origens do cenário psicodélico brasileiro. Neste novo volume, o autor pretende continuar contando essa história através da análise de mais 100 discos, desta vez lançados entre 1976 e 1985. Nesse período, a música brasileira ganhou ares heterogêneos, experimentais, vanguardistas e progressivos, e seguiu seu rumo sacudindo o underground, ainda sufocado pelo sangrento regime militar e pelo violento preconceito social. A garimpagem das obras contidas neste segundo volume começa em 1976, dando início a uma jornada de dez anos que termina justamente no ano de 1985, quando teve fim a ditadura militar no país.

De pioneiros como Tom Zé, Lula Côrtes, Arnaldo Baptista e Zé Ramalho até heróis e heroínas não tão celebrados como Marinho Castellar, Cátia de França, Jarbas Mariz, Luli & Lucinha e Flaviola e o seu Bando do Sol. Do rock bem brasileiro do Papa Poluição, Pão com Manteiga e Aratanha Azul, até a música vanguardista de Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção e Aguilar e sua Banda Performática. Da sofisticação progressiva d’A Barca do Sol, Terreno Baldio, Recordando o Vale das Maçãs e Bacamarte, até a fusão promovida por nomes como Hermeto Pascoal, Grupo Um, Cheiro de Vida e Cesar Mariano & Cia. Todos estarão juntos nesse segundo volume do Lindo Sonho Delirante.

Para saber mais sobre a campanha acesse www.catarse.me/lsd2

Lindo Sonho Delirante

Assista ao vídeo do crowdfunding do livro do editor da pZ

por Lucas Lazarotto     07 jul 2016

Para saber mais sobre a campanha, ou se tornar um apoiador do projeto, acesse www.catarse.me/lsd

Lindo Sonho Delirante (B)

Psicodelia Indiana

Livro traça o rock psicodélico indiano dos anos 60 e 70

por Lucas Lazarotto     03 Maio 2016

India Psychedelic - The Story of Rocking GenerationIndia Psychedelic: The Story of Rocking Generation é o nome do livro lançado pelo jornalista e pesquisador Sidharth Bhatia, que prova a importância de uma geração de músicos do seu país, jovens artistas que romperam barreiras e costumes.

Durante a década de 60, uma recém-independente nação indiana sofreu um atentado sonoro, cultural e social através da música dos Beatles.

Assim começava a revolução e um promissor cenário local movido a rock ‘n’ roll. A saborosa história vem recheada de DJs influentes, rádios piratas, cafés e clubes barra pesada e belas bandas que não deixaram um rastro – o que torna o trabalho de Bhatia ainda mais louvável.

Elevenses

A despedida de Daevid Allen em disco

por Lucas Lazarotto     06 abr 2016

ElevensesA Purple Pyramid Records acabou de colocar na praça o derradeiro álbum de Daevid Allen, Elevenses, registrado pelo músico em seus últimos meses de vida.

Falecido há pouco mais de um ano, Allen aparece acompanhado dos amigos Don Falcone (Spirits Burning), Michael Clare (University Of Errors), Trey Sabatelli (The Tubes) e Paul Sears (The Muffins) – que juntos formam o Daevid Allen Weird Quartet.

O release alega que Elevenses contém “uma mistura de estilos encontrados em toda a carreira de Allen, mais algumas surpresas, incluindo um blues, uma canção inspirada no folk irlandês, instrumentais ambientes e explosivas e um delírio pós-punk contendo a mensagem final de Daevid”.

Vinil Milionário

O site Discogs divulgou as suas vendas astronômicas

por Lucas Lazarotto    

Golden Earring - Lonely Every DayO portal Discogs é um verdadeiro paraíso para quem gosta de discos.

Nele, é possível pesquisar todas as prensagens e formatos dos lançamentos de seus artistas favoritos. É possível localizar inúmeras raridades mundo afora, de outros colecionadores ou mesmo de lojas e revendedores.

O site divulgou recentemente os 25 itens vendidos de maior valor. Dentre eles, estão um compacto de sete polegadas dos holandeses do Golden Earring (“Lonely Every Day”, vendido por US$ 3.388), um compacto do Nirvana (“Love Buzz” / “Big Cheese”, US$ 2.000), o “disco do açougue” dos Beatles (Yesterday And Today, US$ 1.892), o folk de John Villemonte (People Like You, US$ 1.619), o hard-prog obscuro da Norman Haines Band (Den of Iniquity, US$ 1.306), o compacto de estreia do Iron Maiden (The Soundhouse Tapes, US$ 1.097) e o Krautrock do McChurch Soundroom (Delusion, US$ 1.000).

Beck’s Art

Os arquivos pessoais de Jeff Beck em livro luxuoso

por Lucas Lazarotto     12 fev 2016

Beck 01Atualmente, não há ninguém no mundo imprimindo livros com a qualidade e o esmero da britânica Genesis Publications. Depois de obras dedicadas a Jimmy Page e Ronnie Wood, o novo homenageado é o guitar hero Jeff Beck.

Todas as facetas do guitarrista estão em Beck 01 e tudo aquilo que fez parte de sua carreira até agora: guitarras e carros customizados, lembranças de passagens pelos Yardbirds, Jeff Beck Groups e Beck, Bogert and Appice, sessões secretas de estúdio, parcerias com dezenas de artistas, fotos inéditas do seu arquivo pessoal, manuscritos etc.

A introdução ficou por conta do amigo e fã John McLaughlin, e edições limitadas de luxo de Beck 01, numeradas e autografadas pelo próprio guitarrista – feitas à mão com capa em couro e alumínio, também foram disponibilizadas no site da editora.

Para saber mais acesse genesis-publications.com.

Graham Bond na BBC

Tudo o que Graham Bond gravou para a emissora numa caixa imperdível

por Lucas Lazarotto     11 fev 2016

Live At The BBC And Other StoriesA curadoria é do comparsa e letrista Pete Brown, que trabalhou com Graham Bond em diversas ocasiões, e o todo o resto é de responsabilidade da sempre certeira Repertoire. O resultado não poderia ser outro, senão a compania perfeita para a caixa lançada recentemente também por Brown e pelo selo alemão, Wade In The Water.

A nova caixa de quatro CDs, Live At The BBC And Other Stories, como o nome entrega, apresenta todas as gravações ao vivo do ícone do R&B britânico na BBC, mais uma pancada de obscuridades inéditas, gravações caseiras e até uma sessão de John Peel com a dupla Bond & Brown.

Além de escutar o super influente band leader, é possível também passar por atuações de nomes descobertos por Bond, como Ginger Baker, Jack Bruce, John McLaughlin, Dick Heckstall-Smith etc.

Wilko’s Ecstasy

Novo documentário de Julien Temple retrata a sobrevida de Wilko Johnson

por Lucas Lazarotto     26 dez 2015

The Ecstasy Of Wilko JohnsonO ex guitarrista do Dr. Feelgood se encontrava em estado terminal, sofrendo de um câncer no pâncreas. Organizou um disco e uma turnê de despedida, e nesse meio tempo conheceu um fã chamado Charlie Chan, que também é médico.

Chan tentou por algum tempo travar contato com Wilko, mas sempre era barrado pelos seguranças. Uma noite ele conseguiu furar o cerco e chegou até o guitarrista, mas Wilko disse que não queria saber de curas milagrosas, pois estava apenas conformado, esperando a morte, já que seus médicos haviam lhe dado apenas alguns meses de vida. O curioso é que através dos esforços de Chan, Wilko foi operado e milagrosamente curado do câncer.

Antes de isso acontecer, no entanto, outro fã de Wilko e do Dr. Feelgood, o cineasta e diretor Julien Temple, estava perplexo com a doença terminal do guitarrista e decidiu rodar o documentário The Ecstasy Of Wilko Johnson. Temple, inclusive, já havia dirigido o premiado documentário sobre o Dr. Feelgood: Oil City Confidential. A cura de Wilko e sua sobrevida acabaram dando ao documentário um final inesperado, como explicou o diretor: “The Ecstasy Of Wilko confronta os nossos piores pesadelos, aqueles da morte iminente, confundindo as expectativas, ou melhor, virando-as de cabeça para baixo”.

The Ecstasy Of Wilko, que já passou pelos cinemas ingleses, está agora saindo em DVD e inclui um bônus chamado Watch With Wilko, onde uma câmera capta as reações do guitarrista ao assistir, pela primeira vez, o tocante filme sobre a sua própria vida.

Songs for a Wailer

Jeff Berlin pretende homenagear Jack Bruce em seu novo disco

por Lucas Lazarotto     11 dez 2015

Berlin e Bruce“Quando Jack morreu, logo pensei em honrar a sua memória com um disco contendo algumas de minhas composições favoritas de sua autoria. Por anos, nos falamos em gravar um álbum juntos, mas o tempo não espera… Gravar músicas de Jack é muito mais que um projeto, será talvez a mais emocionante gravação da minha carreira”, relatou o baixista Jeff Berlin, um dos grandes nomes da cena fusion.

Jeff lançou recentemente uma campanha de financiamento coletivo para viabilizar este seu novo trabalho, Songs for a Wailer, em homenagem ao baixista do Cream. Mas ele faz questão de garantir que não se trata de apenas mais um disco de covers: “Eu arranjei cada canção de Jack com novas e diferentes interpretações, fazendo questão de manter o espírito original das composições. Seu jeito de tocar e compor era assombroso e sempre me impressionou muito. Jack foi o único deus do contrabaixo pra mim”.

Quem desejar adquirir Songs for a Wailer em uma pré venda, basta acessar pledgemusic.com/projects/jeffberlinplaysjackbruce.

Vinyl, The Art Of Making Records

A arte de fabricar discos é o tema do livro de Mike Evans

por Lucas Lazarotto    

Vinyl, The Art Of Making RecordsVinyl, The Art Of Making Records é um livro que acaba de sair lá fora e que deve sacudir os colecionadores de vinil mundo afora. O autor, Mike Evans (Liverpool Scene), oferece uma suntuosa e visual celebração ao formato, do início de sua fabricação passando pelo auge nos anos 70, pela decadência nas décadas de 80 e 90 e pelo seu recente renascimento.

Impresso no formato mais apropriado possível, em 12 polegadas, o livro é dividido em diversos capítulos, cada um abrangendo uma década específica, dos anos 40 aos anos 2000. Uma atenção especial é também dedicada aos diversos formatos: LPs (78, 45 e 33 rotações), EPs, picture discs, edições limitadas em 180 gramas, discos coloridos etc. Selos e capistas são também analisados, assim como entusiastas do vinil que ajudaram a trazer o formato novamente ao topo, como Jack White e a sua Third Man Records.

Vinyl, The Art Of Making Records pode não ser tão atraente para os iniciados, ou colecionadores veteranos, mas é de fundamental importância para as novas gerações que andam encantadas com o formato vinil.

Woodstock Revisited

A cidade, não o festival, é tema central do novo livro de Barney Hoskyns

por Lucas Lazarotto     10 dez 2015

Small Town TalkFoi para lá que Bob Dylan se mandou após seu traumático acidente de moto em 1966. Com ele, se mudaram também para a cidade de Woodstock, o seu empresário Albert Grossman, The Band, Janis Joplin e Todd Rundgren. Logo a comunidade estava infestada de músicos, hippies, traficantes e oportunistas. Em 1969 veio o festival, na verdade realizado numa fazenda a mais de 60 milhas da cidade, mas o nome era o mesmo, e foi impossível conter a euforia e a peregrinação.

Small Town Talk é o nome do novo livro do respeitado escritor Barney Hoskyns, onde ele conta tudo isso e mais experiências de artistas como Van Morrison, Jimi Hendrix, Paul Butterfield, Tim Hardin, Karen Dalton e Bobby Charles, que não necessariamente moraram na cidade, mas por lá passaram algum tempo, ensaiando, compondo, gravando ou mesmo apenas curtindo.

Hoskyns morou em Woodstock nos anos 90 e, desde então, conheceu e colheu depoimentos de quem vivenciou toda aquela cena. Por enquanto, Small Town Talk não tem previsão de lançamento no Brasil.

Psych Tex

A sagrada e subestimada psicodelia texana em livro

por Lucas Lazarotto     05 nov 2015

A Gathering of PromisesA Gathering of Promises: The Battle for Texas’s Psychedelic Music, from The 13th Floor Elevators to The Black Angels and Beyond. O nome é longo, assim como o inesgotável assunto, mas o autor Ben Graham realizou um trabalho hercúleo ao tentar contar, pelo menos em parte, a negligenciada história de alguns nomes chave do peculiar e indomável rock psicodélico texano dos anos 60.

Trata-se de um mundo habitado por 13th Floor Elevators, Golden Dawn, Red Crayola, Moving Sidewalks, Cold Sun, Josefus e Bubble Puppy, cujo álbum de 1969 inclusive emprestou seu título para esta obra.

Como o tradicionalmente careta estado do Texas serviu de berço para grupos tão malucos, inovadores, extremos e transgressores? É exatamente isso que Graham busca responder, contextualizando dentro de âmbitos sociais, artísticos e culturais. É interessante constatar como aquele claustrofóbico ambiente afetou a música e vice-versa.

Resumindo: O relato em A Gathering of Promises é abrangente e significativo, sem deixar de ser apurado. Infelizmente sem previsão de sair no Brasil.

Black Story

Documentário sobre Ritchie Blackmore chega às lojas

por Lucas Lazarotto     27 out 2015

The Ritchie Blackmore StoryBrian May, Glenn Hughes, Lars Ulrich, Steve Lukather, Joe Satriani, Jon Lord, David Coverdale, Gene Simmons, Joe Lynn Turner, Steve Vai, Graham Bonnet, Ian Anderson, Phil Collen, Chris Welch. Não importa a quantidade de gente ilustre falando maravilhas de um dos melhores guitarristas da história do rock, o que realmente importa é a profundidade das declarações do próprio protagonista em The Ritchie Blackmore Story, um documentário em DVD e Blu-Ray que está sendo lançado pela Eagle Rock Entertainment.

Blackmore raramente dá entrevistas, mas ele não só participou do DVD como supervisionou a criação do revelador documentário que traça a sua vida e carreira, dos Outlaws até o Blackmore’s Night, passando pelo Deep Purple e pelo Rainbow. O fato do guitarrista ter anunciado recentemente que vai voltar a fazer apresentações de rock pesado deixa este documentário ainda mais interessante e bem vindo. Os extras incluem mais de 40 minutos de entrevistas adicionais com Blackmore e seus convidados.

A versão deluxe de The Ritchie Blackmore Story vem acompanhada de um livro de fotos de 60 páginas e de Live In Tokyo, um DVD e dois CDs contendo o show de despedida do Rainbow no famoso Budokan, em 1984, pouco antes de Blackmore e Roger Glover voltarem com o Deep Purple. É a primeira vez que essa apresentação é lançada oficialmente em DVD.

Trane 50

A Love Supreme completa 50 anos e ganha edição luxuosa de aniversário

por Lucas Lazarotto     20 out 2015

2611D8CA3-09C0-A898-A5AD0B75BFC60B3DA Verve anunciou o lançamento da versão The Complete Masters de uma das maiores obras do jazz, A Love Supreme, disco de John Coltrane lançado em 1965.

Cada take, conversação dentro do estúdio e overdub dos dois dias de gravação foi incluído no box de três CDs, que também traz os famigerados long-lost session reels do segundo dia de sessão de gravação, trazendo Coltrane, Elvin Jones, Jimmy Garrison e McCoy Tyner juntos de Archie Shepp e Dr. Art Davis.

A super deluxe edition vem com um livro de 32 páginas e um show registrado no Festival Mondial du Jazz Antibes, com comentários de Carlos Santana.

Big Suicide Star

Projeto de Alan Vega, Alex Chilton e Ben Vaughn é lançado em vinil

por Lucas Lazarotto     15 out 2015

Cubist BluesCubist Blues (Light In The Attic/Munster) é um registro que relata uma descompromissada jam do projeto de mesmo nome formado por Alan Veja (Suicide), Alex Chilton (Big Star, Box Tops) e o singer-songwriter Ben Vaughn.

O material foi gravado em Nova York, em 1994, e havia sido lançado apenas de forma limitada pelo fã Henry Rollins, dentro de sua estampa 2.13.61.

Para esta nova reedição em vinil duplo vermelho, Alan Veja escreveu nas liner notes de Cubist Blues: “Eu apareci com letras para uma canção e pensei que a gente poderia ver no que aquilo iria dar. Mal sabia eu que iríamos gravar por horas e horas. Lá pela última canção o meu cérebro estava queimando, literalmente eu senti que estava pegando fogo. Eu estava esgotado. No entanto, poderíamos ter ido em frente”.

São 12 faixas que até hoje soam atuais e relevantes, mas que passaram batidas em 1994, logo após a morte de Kurt Cobain e do colapso do grunge.

A vida de Andy Fraser em livro

Biografia do baixista do Free foi completada pouco antes de sua morte

por Lucas Lazarotto     11 set 2015

All Right Now Life, Death and Life AgainAll Right Now: Life, Death and Life Again é um título curioso, ainda mais se levarmos em conta que agora o baixista está mesmo morto. Fraser cunhou o principal sucesso de sua banda (ao lado do vocalista e inimigo Paul Rodgers) e ainda colocou um solo de baixo na mesma, na verdade um acompanhamento intrincado para o solo de guitarra que vinha por cima.

Seus anos como principal compositor do Free merecem destaque especial no livro, escrito pelo baixista com a ajuda do escritor Mark Hughes.

Jogado aos leões da fama ainda na adolescência, Fraser duelou com os altos e baixos de sua turbulenta carreira musical e pessoal. Lidou ainda com a prematura morte do amigo Paul Kossoff (em 1976), o preconceito ao assumir a sua homessexualidade, a Aids e o câncer, mas graças a “All Right Now” e outras composições de sua autoria gravadas por Joe Cocker, Rod Stewart e Frankie Miller, Fraser viveu sem ter que se preocupar com dinheiro. O tom, no geral, é honesto e emocional, com o músico parecendo ter encontrado a paz nos últimos anos de sua vida.

Afinidade Eterna

Linda Hoyle, ex Affinity, está com novo disco solo após 44 anos

por Lucas Lazarotto     25 ago 2015

LHHá três anos, Mo Foster, ex integrante do Affinity e respeitado músico de estúdio, organizou uma reunião especial de sua ex-banda na universidade de Sussex, Inglaterra. A vocalista do Affinity,

Linda Hoyle, calhou de estar viajando pela Inglaterra (ela mora em Ontario, Canadá) e participou do evento, criando assim a fagulha necessária para que um novo trabalho sob seu nome fosse criado, nada menos que 44 anos após o seu fundamental Pieces of Me, lançado pela Vertigo, em 1971.

Hoyle e Foster estão animados com The Fetch, com lançamento previsto nas próximas semanas pelo selo Angel Air. Além da dupla, marcam presença em The Fetch músicos como Gary Husband, BJ Cole, Ray Russell, Dougie Boyle e o marido de Hoyle: Nick Nicholas.

A capa ficou por conta de ninguém menos que Roger Dean e a engenharia de som é de Roger Wake, que trabalhou com Hoyle em Pieces of Me.

História de Amor

Love Affair ainda aguarda o devido reconhecimento

por Lucas Lazarotto     13 ago 2015

Time Hasnt Changed Us The Complete CBS Recordings 1967-1971Time Hasn’t Changed Us: The Complete CBS Recordings 1967-1971 (RPM) é o nome do novo box de três CDs da banda britância Love Affair, que, dentre outros feitos, revelou a uma pequena parte do mundo os talentos do vocalista Steve Ellis.

Ainda um adolescente quando a banda estourou, Ellis fazia parte daquela geração de jovens vocalistas britânicos talentosos: Steve Winwood, Terry Reid, Steve Marriott, Mike Harrison, Paul Rodgers – mas, por alguma razão, nunca obteve o reconhecimento da maioria deles. Talvez seja o fato da imprensa britânica ter execrado o grupo desde o início, alegando que eles não passavam de rostinhos bonitos escravizados por um produtor espertalhão, o que era metade verdade, mas nada absurdo naqueles idos de 1967.

O novo box conta com tudo gravado pelo grupo entre 1967-1971, discos, compactos, BBC Sessions, outtakes etc. Claro que o mega sucesso “Everlasting Love” está presente, mas após uma simples audição da caixa já é possível constatar que o grupo foi muito mais que apenas esse hit. Ainda é tempo de conhecer ou revisitar essa boa e esquecida banda do auge do rock britânico.

Three More For The Fans

DVD, CD e livro animam os entusiastas do Lynyrd Skynyrd

por Lucas Lazarotto     12 ago 2015

One More For The Fans! - Celebrating The Songs & Music Of Lynyrd Skynyrd - ArrivalsComo foi noticiado aqui no site da pZ, em novembro último, o Lynyrd Skynyrd se apresentou novamente no Fox Theatre, em Atlanta, onde em 1976 o grupo havia gravado seu álbum duplo One More From The Road.

O novo show, batizado como One More For The Fans, contou com muitos convidados especiais e agora está virando um DVD e um CD duplo ao vivo de mesmo nome. Gregg Allman pinta interpretando “Tuesday’s Gone”, o Cheap Trick toca “Gimme Back My Bullets”, Peter Frampton agita tudo com “Call Me The Breeze”, o Alabama apresenta “Gimme Three Steps” e o show conta também com canjas de Trace Adkins, Blackberry Smoke, Charlie Daniels, Gov’t Mule, Warren Haynes, John Hiatt, Randy Houser, Jason Isbell, Jamey Johnson, Aaron Lewis, moe., O.A.R., Robert Randolph, Donnie Van Zant e Don Was. O final do evento foi com os dois maiores hits do Lynyrd, “Free Bird” e “Sweet Home Alabama”, essa última com todos os convidados ao lado do grupo.

Para quem deseja se aprofundar mais na conturbada e trágica carreira da banda, a leitura do livro Whiskey Bottles and Brand-New Cars – The Fast Life and Sudden Death of Lynyrd Skynyrd é obrigatória. A grande sacada do autor Mark Ribowsky foi examinar a importância cultural da banda de Ronnie Van Zant não só dentro do cenário do southern rock, mas no imaginário dos EUA.

Claro que tanto a devassidão do grupo nos anos 70, como o fatídico acidente aéreo de 1977 são repassados em detalhes, mas Mark dá à banda o seu devido mérito sem ignorar a ironia cruel a que foi submetida, a evitabilidade do trágico fim e o renascimento por hora caricacato do grupo.

Six String Army

Novos discos de guitarristas de peso chegam ao mercado

por Lucas Lazarotto     16 jun 2015

Steve Hackett - Wolf LightMuitos guitarristas da fase áurea do rock estão com disco novo na praça. Davy O’List é um deles. O guitarrista foi um dos fundadores do The Nice e não lançava algo inédito desde 1997. Second Thoughts não chega a ser uma maravilha, mas é uma agradável volta de outro “dinossauro” do rock progressivo. Pop, jazz, funk e a inseparável bagagem erudita do guitarrista marcam presença num álbum totalmente descompromissado. “Halfway to Heaven” é um dos destaques.

Quem aposta no formato trio é Randy Bachman, que em Heavy Blues conta com o apoio de alguns de seus camaradas: Neil Young, Peter Frampton, Joe Bonamassa e até o saudoso Jeff Healey. No entanto, a balada “We Need to Talk” é o ponto alto.

Robben Ford também se cercou de encorpados sons de guitarra e convidados para Into The Sun: Warren Haynes, Robert Randolph, Keb Mo etc. Qualidade e o bom gosto de sempre de Ford em cada música.

O formato special guest também é utilizado por Mick Abrahams em seu Revived, onde o ex-guitarrista do Jethro Tull e Blodwyn Pig recebe participações de Bill Wyman, Martin Barre, Bernie Marsden, Paul Jones etc. O bacana é que 50% das vendas do disco serão encaminhadas para uma associação que cuida de crianças com câncer na Inglaterra.

O mestre da slide guitar, Sonny Landreth está lançando Bound By The Blues, trabalho onde revisita as suas raízes no blues. O repertório engloba material que Landreth já vinha apresentando nos palcos, como versões para “It Hurts Me Too”, “Dust My Broom”, “Walkin’ Blues” etc.

Do blues vamos para a world music de Phil Manzanera, que acaba de lançar The Sound of Blue, contando com dez temas instrumentais. O guitarrista do Roxy Music aposta em paisagens sonoras, criadas pelos seus originais timbres de guitarra. As faixas mais curiosas acabam sendo “In Conversation With Andy McKay” e “Rosemullion Head”.

Steve Hackett esteve recentemente no Brasil e seu Wolflight comprova que ele é o mais prolífico de todos os ex-integrantes do Genesis. Ambicioso, o novo trabalho endossa a sua boa fase atual. Quem duvida basta escutar “Love Song To A Vampire”, com guitarra flamenca e influência do King Crimson dos primórdios.

O mais influente guitarrista da década de 80, Eddie Van Halen, pinta com Tokyo Dome Live In Concert, o primeiro disco ao vivo do Van Halen com David Lee Roth no vocal. Mas o mundo atual precisava de um álbum ao vivo do Van Halen? Provavelmente não, já que passear pelos quatro lados do LP duplo é puro exercício de nostalgia.

Falando em nostalgia, Scorpions Revisited, como o nome entrega, é onde Uli Jon Roth resolveu estacionar a sua carreira de guitar hero. Requentando velhos temas de sua ex-banda, Uli parece ter esquecido que de bandas cover o mundo já está empanturrado e que as versões originais serão sempre as mais queridas dos fãs.

Ao vivo é onde a guitarra de Jeff Beck mais brilha e o guitarrista vem com Jeff Beck Live +, registrado na tour do ano passado, que passou pelo Brasil. No vocal está Jimmy Hall (Wet Willie) e no repertório temas como “Morning Dew”, “Superstition”, “Little Wing” e “A Day In The Life”. O disco também traz duas faixas inéditas de estúdio: “Tribal” e “My Tiled White Floor”.

Para encerrar esse pequeno especial, o incansável e imprevisível Todd Rundgren lança Global, seu 25º trabalho. Se ele vinha flertando com o rock de arena no disco anterior, agora ele vai de synth-funk e Eurodisco, deixando a guitarra de lado e apostando numa roupagem tecnopop. Surpreendente apenas para quem não o conhece.

The Moog Concordance

Apresentação de Keith Emerson será o ponto alto do evento

por Lucas Lazarotto     09 jun 2015

Robert Moog e Keith EmersonAcontece em julho, em Londres, um festival para marcar os dez anos de morte do Dr. Robert Moog, o inventor do tão celebrado instrumento que carrega o seu sobrenome.

Serão três dias de The Moog Concordance, com atrações como The Will Gregory Moog Ensemble (que conta com Adrian Utley do Portishead e o compositor Graham Fitkin), Suicide: A Punk Music Mass e o concerto do Three Fates Project, onde Keith Emerson e banda se apresentarão com o acompanhamento da BBC Concert Orchestra.

Demais comemorações devem acontecer este ano e os organizadores do evento estão tentando convencer Rick Wakeman a também participar da festa.

 

Spinetta novamente em vinil

Álbuns de diversos projetos de Luis Alberto Spinetta são relançados na Argentina

por Lucas Lazarotto     03 jun 2015

Spinetta - ArtaudA Sony Music Argentina está colocando no mercado local reedições, em elepês de 180 gramas, de algumas das grandes obras sonoras de Luis Alberto Spinetta.

Os títulos relançados são: Almendra (primeiro disco da banda), A 18’ del Sol (álbum solo de 1977), El Jardin de los Presentes e Durazno Sangrando (Invisible) e Pescado 2 e Artaud (Pescado Rabioso).

Artaud, considerado na verdade um álbum solo do artista e o melhor disco do rock argentino segundo a Rolling Stone, contará com a reprodução de sua capa original de 1973, lançada em formato “recortado” pela Talent/Microfon.

O duplo Pescado 2, como na edição original, virá com um livro de 52 páginas escrito e desenhado por Spinetta.

Conheça o som do Bombay Groovy

A banda está lançando seu primeiro disco completo e colocou no ar um clipe muito bem feito para a música “Le Bateau d’Orpheu”

por Lucas Lazarotto     09 abr 2015

bombay-groovyDe onde?
São Paulo, SP

Sacada
Fundir sons transcendentais do Oriente com sons do Ocidente e ter não um guitarrista em sua formação, mas sim um sitarista (Rodrigo Bourganos). Depois de um EP, a banda está lançando seu primeiro disco completo e colocou no ar um clipe muito bem feito, para a música “Le Bateau d’Orpheu”.

Referências
Pink Floyd, Led Zeppelin, Violeta de Outono, Ravi Shankar

Declaração
“O disco Bombay Groovy é uma experimentação sonora que dispensa os elementos vocais e verbais, substituídos por linhas consistentes de baixo, voos inventivos e virtuosos de órgão, melodias transcendentais de sitar e uma percussão pesada como uma locomotiva, flertando com diversos gêneros de música étnica e popular, em uma mistura singular”, diz o release da banda.

Ouça
“Le Bateau d’Orpheu” – Bombay Groovy (2014).

Acesse
http://www.bombaygroovy.com.br/

A Saga da Maria Vesga, por Steve Harris

O baixista relembra o seu amor pelo Jethro Tull e a regravação de “Cross-Eyed Mary”

por Lucas Lazarotto     09 dez 2014

steve harris“O Tull é sem dúvida uma das minhas bandas favoritas e Aqualung é um disco clássico. A execução é fantástica, as canções são fantásticas – atitude, vibração; está tudo lá. Não tem como não reagir a Aqualung. Algumas canções são bem dark, mas outras são bem humoradas, sarcásticas e cínicas. Muitas coisas acontecem, que disco!

Com o Maiden, sempre gostamos de gravar covers para o lado B de nossos singles, mas gostamos de gravar canções que não são muito conhecidas do grande público. Por isso, sem chance da gente escolher ‘Locomotive Breath’ ou ‘Aqualung’, optamos portanto por ‘Cross-Eyed Mary’ para o lado B do single de The Trooper (1983).

Só depois descobrimos que ‘Cross-Eyed Mary’ tocou bastante no rádio pelos EUA. Se soubéssemos disso antes, provavelmente teríamos escolhido outra música para regravar. A nossa gravadora norte-americana da época tentou nos convencer a colocar ‘Cross-Eyed Mary’ em nosso disco Piece Of Mind (1983), mas mandamos eles irem cagar…”

Patti Smith no Vaticano

Papa Francisco convidou a cantora, pessoalmente, para uma apresentação natalina no Vaticano

por Lucas Lazarotto     07 dez 2014

Papa + PattiEm 1976, os EUA assistiram Patti Smith cantando a sua versão de “Gloria”, no Saturday Night Live. Assim como em Horses, Patti abria sua versão com a polêmica frase: “Jesus died for somebody’s sins, but not mine”.

Hoje pode parecer normal, mas naquele ano de 1976, aparecer em rede nacional de TV proferindo tal blasfêmia era algo inconcebível, ainda mais que tudo foi ao ar na madrugada do domingo de Páscoa.

Trinta e oito anos depois, o inusitado aconteceu, já que o Papa Francisco convidou a cantora, pessoalmente, para uma apresentação natalina, no Vaticano.

O evento será transmitido ao vivo para todo o mundo, isso se realmente acontecer, já que alguns grupos religiosos italianos estão fazendo de tudo para banir a cantora das igrejas. Em Nápoles, por exemplo, quatro dias antes do show no Vaticano, está agendada uma apresentação dela na Basílica San Giovanni Maggiore.

http://youtu.be/yy9fs3cndrQ

Conheça o som do Dogman

O grupo utiliza a linguagem stoner, criando um link entre o cerrado do Planalto Central e o deserto californiano.

por Lucas Lazarotto     14 out 2014

De Onde?
Goiânia/GO

Sacada
Apostar em riffs cavalares da escola Iommi, mas sem abrir mão da pegada das bandas mais pesadas de Seattle. Visualmente, em seus clipes, o grupo utiliza a linguagem stoner, criando um link entre o cerrado do Planalto Central e o deserto californiano.

Referências
Black Sabbath, Soundgarden, Kyuss, Down, Black Label Society, Alice In Chains

Declaração
“Rock ‘n’ roll pesado e sem firula. Essas são as palavras de ordem do DogMan, banda formada em 2013, trazendo da aridez do cerrado goiano composições simples, refrões memoráveis e uma vontade de fazer música boa com conteúdo relevante”, diz o release da banda.

Ouça
“Desert” – Dogman (2014).

Acesse
dogman.tnb.art.br

DJ Harvey’s Wildest Dreams

DJ lança disco com capa inspirada em Kapt. Kopter and the (Fabulous) Twirly Birds, de Randy California (Spirit).

por Lucas Lazarotto     17 set 2014

DJ Harvey’s Wildest DreamsNem só de DJs malas vive a música eletrônica.

Algumas exceções fogem à regra, como Gilles Peterson, Egon, Andy Votel e Harvey Bassett, o capitão do projeto DJ Harvey’s Wildest Dreams.

Nada de bate-estaca sem inspiração no disco homônimo. Harvey ataca tocando guitarra, teclados e bateria, criando o que ele mesmo batizou de trilha sonora para a sua road, ou acid trip.

“Last Ride” é uma das faixas mais interessantes e a capa ainda é uma homenagem a Kapt. Kopter and the (Fabulous) Twirly Birds, de Randy California (Spirit).

Marcenaria

A Marcenaria não é uma simples banda, mas um coletivo de jovens músicos com transbordantes ideias e desejos

por Lucas Lazarotto     01 set 2014

De onde?
São Paulo, SP

Sacada
Desafiar a si mesmo. A Marcenaria não é uma simples banda, mas um coletivo de jovens músicos com transbordantes ideias e desejos. Com humildade, a banda acabou criando, como eles mesmos dizem, “um movimento de retroalimentação sonora”.

Referências
Gong, Elomar, Grupo Um, Gentle Giant

Declaração
“Músicos de correntes e estilos diferentes unem-se na utilização da linguagem fusion somada à música regional para compor sons e passagens laboratoriais”.

Acesse
facebook.com/quintetomarcenaria

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/45868886″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”100%” height=”450″ iframe=”true” /]

Nik Turner 74

Hoje é aniversário de um dos fundadores de um dos grupos pioneiros do space rock: Hawkwind

por Lucas Lazarotto     26 ago 2014

Nik TurnerHoje é aniversário de Nik Turner, um dos fundadores de um dos grupos pioneiros do space rock: Hawkwind.

O compositor, flautista, saxofonista e vocalista gravou os principais álbuns do grupo: Hawkwind, In Search of Space, Doremi Fasol Latido, Space Ritual, Hall of the Mountain Grill, Warrior on the Edge of Time e Astounding Sounds Amazing Music.

Assista abaixo uma apresentação do projeto Nik Turner’s Space Ritual dentro de uma das principais lojas de discos do mundo, a Amoeba, em São Francisco.

A dose de mamute do Yes

Tales From Topographic Oceans, o excesso dos excessos que nem os próprios integrantes do Yes conseguem digerir

por Lucas Lazarotto     22 ago 2014

Tales From Topographic OceansEu adoro rock progressivo. Como todo amante do gênero, passei anos e anos escutando os gigantes (Genesis, Floyd, Yes, ELP) e também os não tão falados mas igualmente gigantes ao meu ver (Crimson, Giant, VdGG, PFM, Can etc.).

Mesmo sendo um grande apreciador do Yes, um álbum que sempre me soou indigesto é Tales From Topographic Oceans, o ápice do exagero sem noção do estilo. Apesar de muitos fãs do grupo levarem a sério essa baboseira, os próprios integrantes assumem que foram longe demais em Tales From Topographic Oceans. Na edição mais recente da publicação britânica Uncut, membros do Yes fizeram as seguintes declarações sobre o álbum:

Alan White: “Passamos seis meses em estúdio. Jon Anderson estava gravando sua voz e disse: ‘Não está soando tão bem como na minha casa. No meu banheiro soa tão bem…’. Então os roadies construíram uma réplica do banheiro de Jon no estúdio, com chuveiro e tudo. E ali ele gravou seus vocais. Jon era mágico ao explicar exatamente o que desejava. Às vezes ele pedia um pouco de poeira dourada num trecho, ou prateada em outro, e o engenheiro de som tinha que decifrar o que ele estava querendo”.

Jon Anderson: “Eu queria gravar aquele disco no campo, numa tenda, com um gerador. Tudo para captar os pássaros, o vento e os sons da Terra. Todos acharam que eu era louco, então eu levei para o estúdio alguns recortes de vacas, ovelhas, árvores e plantas – tudo para fazer com que aquele local não se parecesse com um estúdio”.

Chris Squire: “Gravamos e editamos várias sessões, em dias diferentes, esperando depois juntar tudo e esperar que aquilo fizesse algum sentido. Não vou afirmar que tínhamos uma visão clara do que desejávamos e isso ficou evidente no disco. Se queríamos emular o lado mais pop do Yes, não deveríamos ter criado algo tão longo”.

Com suas quatro faixas, cada uma tomando um lado inteiro do LP duplo original, Tales From Topographic Oceans foi o disco do Yes que pior envelheceu. Situado entre o fulminante Close To The Edge e o furioso Relayer, Tales From Topographic Oceans é uma baleia branca encalhada num banco de areia qualquer de um gigantesco oceano progressivo. Quem conseguir atravessar esses quatro mares, numa nadada só, merece uma medalha… Prateada ou dourada, como os desejos de Jon Anderson.

 

 

 

Os colecionadores e as suas coleções

Luxuoso livro apresenta colecionadores na intimidade de suas salas/quartos de som

por Lucas Lazarotto     08 ago 2014

Dust and Grooves - livroQuem aprecia o ritual de colecionar discos de vinil e costuma navegar pela internet atrás de informações sobre colecionadores, conhece muito bem o trabalho do fotógrafo Eilon Paz. Há anos ele é o responsável pelo site dustandgrooves.com, cuja especialidade é mostrar colecionadores em seu habitat natural, ou seja, em sua sala/quarto de som, onde armazena sua estimada coleção de discos. A beleza das fotos de Eilon acabou criando um grande números de seguidores e entusiastas, que passaram a gerar uma demanda para que todo aquele rico material visual se transformasse num livro.

Visando arrecadar fundos para bancar uma viagem pelo mundo atrás de coleções de discos, o autor lançou uma campanha no Kickstarter. Foi assim que Eilon Paz conseguiu dinheiro suficiente para imprimir o luxuoso Dust & Grooves: Adventures In Record Collecting, obra que em 416 páginas compila coleções vinílicas de 130 colecionadores. É uma viagem íntima ao mundo pessoal de cada colecionador, que pode ser um DJ, um produtor musical, um vendedor de discos ou qualquer entusiasta do formato. A primeira parte do livro traz fotos e citações e a segunda parte conta com entrevistas com alguns dos principais colecionadores.

Dust & Grooves: Adventures In Record Collecting pode ser adquirido no site dustandgrooves.com.

Kansas fará shows no Brasil em novembro

Celebrando 40 anos de carreira, o Kansas acaba de confirmar dois shows no Brasil

por Lucas Lazarotto     06 ago 2014

Celebrando 40 anos de carreira, o Kansas acaba de confirmar dois shows no Brasil: dia 20 de novembro, no Vivo Rio, no Rio de Janeiro, e 21 de novembro, no HSBC Brasil, em São Paulo.

Esta é a segunda passagem da banda pelo país, mas pode ser considerada a primeira, já que na outra ocasião a banda realizou uma única (e muito mal divulgada) apresentação como atração internacional de um bizarro rodeio, em Jaguariúna, no interior de São Paulo.

Infelizmente essa nova tour não contará com o vocalista original do Kansas, Steve Walsh, que deixou o grupo recentemente. Da formação original virão ao Brasil Phil Ehart (bateria) e Richard Williams (guitarra).

Serviço:
KANSAS – 40th Anniversary Tour
Serviço Rio de Janeiro
Data: 20 de novembro de 2014
Local: Vivo Rio
Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo
Abertura da casa: 20h | Inicio show Kansas: 22h
Classificação etária: a partir de 16 anos
Capacidade: 2.000 lugares sentados
Ar-condicionado no local
Acesso para portadores de mobilidade reduzida
Manobrista no local: R$ 30,00
Forma de pagamento: Aceitamos dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) / não aceitamos cheques.
Chapelaria: Incluída
Ingresso Rápido – Ingressos online: www.ingressorapido.com.br
Informações e compras: 4003-1212
Atendimento pós-venda SAC: 4003-2051
Ingressos:
Setor VIP – R$ 350,00 | Setor VIP (meia entrada) – R$ 175,00
Setor 1 – R$ 270,00 | Setor 1 (meia entrada) – R$ 135,00
Setor 2 – R$ 200,00 | Setor 2 (meia entrada) – R$ 100,00
Setor 3 – R$ 120,00 | Setor 3 (meia entrada) – R$ 60,00
Setor 4 – R$ 100,00 | Setor 4 (meia entrada) – R$ 50,00
Camarote A – R$ 380,00 | Camarote (meia entrada) – R$ 190,00
Camarote B – R$ 290,00 | Camarote (meia entrada) – R$ 145,00
Frisas – R$ 300,00 | Frisas (meia entrada) – R$ 150,00
Balcão – R$ 190,00 | Balcão (meia entrada) R$ 95,00
Pontos de venda em Rio de Janeiro:
Bilheterias do Vivo Rio – SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA
Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo
Horário de atendimento: Segunda a sábado: 12h às 21h | Domingo/feriado: 12h às 20h.
Formas de pagamento: Dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) não aceitamos cheques.
Kansas SPServiço São Paulo
Data: 21 de novembro de 2014
Local: HSBC Brasil
Endereço: Rua Bragança Paulista 1.281
Abertura da casa: 20h | Inicio show Kansas: 22h
Classificação etária: a partir de 16 anos
Capacidade: 2.000 lugares sentados
Ar-condicionado no local
Acesso para portadores de mobilidade reduzida: http://www.hsbcbrasil.com.br/acessibilidade
Manobrista no local: R$ 35,00 antecipado e R$ 40,00 na hora.
Forma de pagamento: Dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) / não aceitamos cheques.
Chapelaria: R$ 10,00
Ingresso Rápido
Ingressos online: www.ingressorapido.com.br
Informações e compras: 4003-1212
Atendimento pós-venda SAC: 4003-2051
Ingressos
Setor VIP – R$ 350,00 | Setor VIP (meia entrada) – R$ 175,00
Setor 1 – R$ 280,00 | Setor 1 (meia entrada) – R$ 140,00
Setor 2 – R$ 270,00 | Setor 2 (meia entrada) – R$ 135,00
Setor 3 – R$ 200,00 | Setor 3 (meia entrada) – R$ 100,00
Setor 4 – R$ 120,00 | Setor 4 (meia entrada) – R$ 60,00
Camarote – R$ 380,00 | Camarote (meia entrada) – R$ 190,00
Frisas – R$ 300,00 | Frisas (meia entrada) – R$ 150,00
Cadeira alta – R$ 280,00 | Cadeira alta (meia entrada) R$ 140,00
Pontos de venda em São Paulo:
Bilheterias do HSBC Brasil – SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA
Endereço: Rua Bragança Paulista 1.281
Horário de atendimento:
Segunda a sábado das 12h às 22h
Domingo e feriado das 12h às 20h.
Formas de pagamento: Dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) não aceitamos cheques.

 

A fuga de Czukay

O remix definitivo do líder do Can

por Lucas Lazarotto     31 jul 2014

Holger Czukay“Só estamos produzindo versões em vinil – CDs são para as pessoas apressadas. O vinil é para aqueles que querem escutar música e celebrá-la de uma maneira diferente”.

É assim que o ex-Can, Holger Czukay (76), promove o relançamento de dois discos – Der Osten ist Rot (1984) e Rome Remains Rome (1987) – num vinil duplo de dez polegadas.

O destaque é o remix que Czukay fez para “Sudetenland”, especialmente para a ocasião. A letra retrata a fuga do músico, de sua cidade natal (Gdańsk, Polônia) rumo ao oeste europeu, no fim da Segunda Guerra. É cantada em polonês e inglês por um coral de mulheres do leste europeu e conta com canjas de ex-companheiros do Can (Jaki Liebezeit e Michael Karoli) e Jah Wobble.

Ouça “Sudetenland”