Them – Now and Them

Now And Them é considerado um dos álbuns mais subestimados da história do rock. Por não contar com a presença de Van Morrison, muitos dos seguidores do grupo sequer se deram o trabalho de colocar o disco para rodar na vitrola.

por Bento Araujo     05 jan 2015

ThemEm 1967, o Them além de ter colocado a Irlanda no mapa do rock mundial, já havia também emplacado alguns hits como “Gloria”, “Here Comes The Night”, “Mystic Eyes” e uma versão seminal de “Baby Please Don’t Go”. Fazendo parte da British Invasion, o grupo chegou com tudo na América e surpreendeu com sua sonoridade, recheada de lascivos riffs de teclados, pegada garageira e a voz negra de Van Morrison. Em 1966, o grupo lotava o Fillmore West de São Francisco, realizando shows impecáveis no ápice de sua tour norte-americana. Logo após um show no Havaí, o grupo entrou em colapso.

Uma má distribuição da grana arrecadada na tour foi o estopim para os músicos, que além de entrarem em atrito com o management, criaram rusgas também com a gravadora e entre eles próprios. Outro fator crucial foi o fato da gravadora exigir constantemente a participação de músicos de estúdio (Jimmy Page, por exemplo) nas gravações, o que frustrava bastante os integrantes originais.

Acharam melhor mesmo encerrar as atividades, com Van Morrison e Alan Henderson voltando para Belfast, e Ray Elliot e David Harvey decidindo permanecer na América.

Enquanto Morrisson engendrava sua carreira solo do outro lado do Atlântico, Elliot e Harvey estudavam minuciosamente a cena psicodélica de São Francisco. Embasbacados com tantas novas possibilidades, convencem o baixista Alan Henderson a mudar para o novo e psicodélico lar e recrutam, direto de Belfast, o vocalista Kenny McDowell e o guitarrista Jim Armstrong.

Gravado em Hollywood, Now And Them pode ser considerado um dos álbuns mais subestimados da história do rock. Por não contar com a presença de Morrison, muitos dos seguidores do grupo sequer se deram o trabalho de colocar o álbum para rodar na vitrola.

Os dez minutos da oriental “Square Room” já valem o preço que você pagou pela bolacha, qualquer seja ele. A versão para “I’m Your Witch Doctor”, clássico de John Mayall, certamente influenciou Lemmy, que também gravou a canção durante os dias dourados do Motorhead. “Walking in the Queen’s Garden” e a versão de “I Happen to Love You” são puro rock inconseqüente de garagem, contrastando com o pop polido de “Truth Machine” e “You’re Just What I Was Looking for Today”, com o blue-eyed soul de “What’s the Matter Baby” e com o clima cool de “Nobody Loves You When You’re Down and Out”, gravada também por Clapton em seu tempo de Derek And The Dominos.

Essa encarnação do Them ainda lançou mais um bom disco pelo selo Tower, Time Out! Time in, de 1968, antes de implodir novamente.

Caia de ouvidos em Now and Them, mas com o cuidado de não comparar os vocais de McDowell com os de Morrison.


  1. Paulo R. Camargos

    Bandassa!!! Muito bem dito pelo Bento – banda que foi subestimada.
    Ainda bem que a internet, propicia a socialização do conhecimento, principalmente o musical.
    Paulo

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *