Morse Code: La Marche des Hommes

O som de La Marche Des Hommes é encorpado. Os timbres foram escolhidos a dedo. A disposição sonora de todo o álbum é brilhante

por Bento Araujo     09 maio 2015

Curiosa a trajetória dessa banda canadense de Montreal, Quebec. Começaram no início da década de 70 como Morse Code Transmission, um combo psicodélico, cantando em bom inglês, que lançou dois álbuns: Morse Code Transmission (1971) e Morse Code Transmission II (1972).

É sabido que houve uma explosão progressiva em Quebec, por volta de 1974. Uma nova e promissora cena surgiu e, para não ficar de fora dela, a banda tomou algumas atitudes drásticas e ousadas.

Primeiro encurtaram o nome para apenas Morse Code, depois abandonaram as letras em inglês em favor do francês. A sonoridade deixava de ser psicodélica e se tornava progressiva, sinfônica, repleta de influência de grupos como Yes, Genesis e Ange. Os três próximos trabalhos vieram nessa linha, sendo este La Marche Des Hommes o primeiro e melhor deles. A capa também se destaca, com silhuetas do quarteto e o sol raiando ao fundo, em meio às nuvens.

Christian Simard (teclados e vocais), Michel Vallée (baixo e vocais), Daniel Lemay (guitarra, flauta e vocais) e Raymond Roy (bateria e percussão) estavam à frente de seu tempo. Ouça a terceira faixa, “La Cérémonie de Minuit” e comprove. Parece algo que os medalhões do prog sinfônico britânico viriam a fazer anos depois.

Interessante também o uso de clavinete com Mellotron e flauta na suingada “Cocktail”, uma espécie de prog-funk, se é que isso existe. Como se Stevie Wonder, ou os Commodores do início, fizessem uma jam com o Moody Blues e com o Jethro Tull. Inusitado.

O som de La Marche Des Hommes é encorpado. Os timbres foram escolhidos a dedo. A disposição sonora de todo o álbum é brilhante, como todo grande clássico prog deve ser, levando o ouvinte a criar paisagens na medida em que o disco vai rodando. Quando chegamos em “Une Goutte de Pluie” é essa a sensação. A mais longa e exploratória de todas é a faixa-título, a primeira do disco.

Se você não conhecia e aprovou, pode ir sem medo atrás dos dois álbuns seguintes do grupo: Procréation (1976) e Je Suis le Temps (1977).

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *