Arquivo da tag: poeira zine

Lindo Sonho Delirante vol. 3: 100 fearless records from Brazil

In this passionate, meticulous and captivating musical research, you will find a restless, sometimes utopic, but also genuine panorama. Each album, EP or single, is accompanied by a review in Portuguese and English, and faithful reproduction of the original cover art.

por Bento Araujo     23 nov 2020

PRICE: $39.00 USD (BOOK) + $10.00 USD (ROW shipping and handling). TOTAL: $49.00 USD

Available December 11th. Pre-orders begin shipping week of December 7th.





The new book

Brazil, 1985. The end of the military regime, Rock in Rio put Brazil on the global map of pop music, Tancredo Neves was elected president, Ayrton Senna won his first F1 Grand Prix, and Bizz magazine was released. While Brazilian rock music gained unprecedented notoriety in the country, musical revolutions didn’t stop happening in the underground. It is here that the third volume of Lindo Sonho Delirante begins.

From the second half of the 1980s onwards, after a period of political liberalization and cultural submission to the First World, Brazilian music started being rediscovered and revalorized by the youth. Preconceived notions started crumbling. Musicians went back to experimenting, mixing influences from abroad with our Brazilian roots. Anthropophagic revolutions started happening again. There was a recapture, a revaluation of forgotten records by Brazilian artists. Musicians, DJs, producers and collectors from around the world started exploring Brazilian music beyond bossa nova.

The goal of Lindo Sonho Delirante vol. 3: 100 fearless records from Brazil (1986-2000) is to show that Brazil produced transgressive musical works, many of which, unfortunately, continue to be neglected by a large audience. The digging of the works contained in this third volume begins in 1986. We set out on a journey that ends in the year 2000.

More than 60 interviews were made for this project so this new book bring many exclusive reports, accounts and recollections from Akira S, Alex Antunes, Andrea Daltro, Edson Natale, Fabio Golfetti, Frank Jorge, Jarbas Mariz, João Parahyba, John Ulhoa, José Augusto Lemos, Kassin, Marcos Suzano, Maria Rita Stumpf, Maurício Pereira, Miguel Barella, Paulo Barnabé, Pena Schmidt, Pedro Sá, Priscila Ermell, R.H. Jackson, Sandra Coutinho, Tetê Espíndola, Thomas Pappon, and Vitor Ramil, among others.

Book Specifications
ISBN 9786500106930
232 pages
21 x 19.5 cm
600 grams
Fully colored
Cover in 300g/m² coated paper, core in 115g/m² coated paper, PUR binding
Texts in Portuguese and English
Priceless information
100 reviews of albums + 100 reproductions of original cover art + Introduction

Each one of the 100 records reviewed in the book appears as above

What is the Lindo Sonho Delirante project?

Lindo Sonho Delirante is a series of books that tell, through reviews of records, the trajectory of the fearless, cutting-edge, experimental and psychedelic music produced in Brazil. The goal of the series is to present an alternative history of Brazilian music and share records beyond the obvious, getting away from the interest of the industry and the algorithms of the digital platforms.

For a long time, what was heard and studied about Brazilian music around the world was the bossa nova and the big names of MPB. From the ‘90s onwards, there was a surge in interest on other scenes, such as Tropicália, Manguebeat, Vanguarda Paulistana, and the psychedelia from Pernambuco, among many others. The main goal of the Lindo Sonho Delirante project is to present these several musical facets of Brazil to the world, since the books are published in Portuguese and English.

The two previous volumes

In 2016, we released, together, the first volume of the series: Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975). In 2018, it was time for the second volume, Lindo Sonho Delirante vol. 2: 100 daring records from Brazil (1976-1985). The results were incredible and these campaigns turned into some of the biggest crowdfundings for musical books in Brazil. More than 1,000 people believed in the project and helped realize the dream of showing the richness of our music to the world. With support from each one of you and the people who purchased the books after the campaigns, we were able to carry on with the project. Today there are more than 5,000 books spread over more than 40 countries. Lindo Sonho Delirante is more than a book series. It is a project that involves lectures, workshops, concerts, trips around the world, record reissues and discussion panels about a very important facet of Brazilian music that is unfortunately not properly celebrated. The project has already promoted book launching events and lectures in England, France, Germany, Switzerland, Denmark, Norway, Sweden and the United States. In Brazil, events and lectures have taken place in Fortaleza, João Pessoa, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo and Recife.

About the author

Bento Araujo is a journalist, researcher and record collector. He started out playing in bands and working in record stores. In 2003, he created poeira Zine, an independent publication that introduced a considerable amount of information on artists from around the world who had never captured the attention of mainstream media. After 13 years of intense activity and 69 issues published, poeira Zine’s impact paved the way for a weekly podcast: poeiraCast. The author has also had his articles, essays and interviews published in the two biggest Brazilian newspapers, O Estado de São Paulo and Folha de São Paulo, as well as in music magazines such as Bizz, Rolling Stone, Rock Brigade and Roadie Crew. As a presenter, he worked with Gastão Moreira and Edgard Piccoli on the Heavy Lero show. As a lecturer, mediator and curator he takes part in many musical events throughout Brazil and South America. As a reporter, he has covered festivals, shows and musical events in the U.S., Europe, and several Latin American countries. In 2016 he released his first book, Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975) , published in Portuguese and English, and sold in more than 40 countries.

Lindo Sonho Delirante vol.2: 100 daring records from Brazil (1976-1985)

In this passionate, meticulous and captivating musical research, you will find a restless, sometimes utopic, but also genuine panorama. Each album, EP or single, is accompanied by a review in Portuguese and English, and faithful reproduction of the original cover art.

por Lucas Lazarotto     05 out 2018

PRICE: $39.00 USD (BOOK) + $19.00 USD (ROW shipping and handling). TOTAL: $58.00 USD




Here is the second volume of Lindo Sonho Delirante, with information and commentary about 100 daring records from Brazil released between 1976 and 1985. Bento Araujo dug through his record collection, his interview archive and large amount of articles from the musical press of the period in order to immortalize one of the most dramatic, creative and revolutionary eras of Brazilian music.

In this passionate, meticulous and captivating musical research, you will find a restless, sometimes utopic, but also genuine panorama. Each album, EP or single, is accompanied by a review in Portuguese and English, and faithful reproduction of the original cover art.

The author investigates the records and trajectories of both the established acts and those who did not cause much impact at the time, but today are, or can become, sought after by collectors around the world. These are records of different musical genres, which, gathered under the banner of transgression, build a daring and peculiar scene.

In this new volume, the digging begins in 1976, setting out on a journey of 10 years, which concludes in 1985 with the end of the military regime in Brazil.

The second half of the 1970s was a period of deep discoveries and turnarounds in Brazilian music. Among the youth, there was a desire in the air, to be free from the shackles of the dictatorship and able to start all over again.

The cultural heritage from the previous decade still seemed ubiquitous: the hippie dream, the counterculture, Tropicalia, and the modernists’ “anthropophagic” commandments still mattered, but the soundtrack to that scene, psychedelic rock, was transforming into an array of different sounds and attitudes.

MPB found itself immersed in ideological conflicts, while independent artists worked outside of any known categories, opening new paths and turning their backs to the past, the rules of the record industry and the conventions of Anglo-American rock. This healthy dichotomy fomented the music contained in these 100 records.

Lindo Sonho Delirante vol.2: 100 daring records from Brazil (1976-1985) is the follow-up to Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975), released in 2016. Click here to order the first volume!

Book Specifications
ISBN 9788592179212
232 pages
21 x 19.5 cm
600 grams
Fully colored
Cover in 300g/m² coated paper, core in 115g/m² coated paper, PUR binding
Texts in Portuguese and English
Priceless information
100 reviews of albums + 100 reproductions of original cover art + Introduction

Praise for Lindo Sonho Delirante vol.1: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975):

“Penned by the editor of the country’s leading vinyl collectables magazine, this new book shines a light on 100 records that tell the story of Brazilian psych’s tumultuous first eight years. Beyond these little-known stories, perhaps the most important function of the book is as the gateway to the music itself; a listen to almost any of the iridescent singles, EPs and albums covered reveal them to be more than worthy of Araujo’s evangelism.”
Record Collector (five out of five stars review)

“The cover shots of the 100 records chosen to represent this radical strain of self-expression would be worth the price of entrance alone. Add to that the detailed descriptions, the introductory essays and the general care for quality that’s gone into this labour of love and you have an utterly essential purchase. A lavish, jaw-droppingly beautiful book.”
Shindig! (five out of five stars review)

“A lovely project cataloguing the artwork and history behind 100 classic and super rare Brazilian psych records from the country’s recording golden age. Expect to find Tropicalia favourites from Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa and more alongside recently reissued rarities from Lula Cortes, Hareton + Meta and Pedro Santos – all accompanied by bi-lingual Portuguese/English commentaries and 7″-sized full-colour reproductions.”
Vinyl Factory (LSD chosen as one of the 10 best music books of 2017)

“The book proceeds chronologically, with detailed entries on records (in Portuguese and English) describing everything from pop heroes to tropicalia pioneers to wild takes on progressive rock, and the cultural and political climate that produced them.”
Wire

“Printed in both Portuguese and English, this is the perfect gift for the well-travelled psych fan whose knowledge of the Tropicalia movement and beyond starts and stops with Os Mutantes, Brazil’s answer to late-period Beatles. It’s fascinating stuff.”
Classic Rock

“Araujo’s writing is clear and incisive, relating biographical information, historical context, cultural significance, and a brief description of the musical highlights of each record. ‘Brazil is a psychedelic country by nature,’ asserts the author. The 100 records covered in this book bear out that assertion in 100 different ways. An entire world is opened up for you in its pages. Go explore it.”
Ugly Things

Bento Araujo is a journalist, researcher and record collector. He started out playing in bands and working in record stores, until he founded poeira Zine, an independent print publication aimed at record collectors. His articles, essays and interviews have been published in newspapers O Estado de São Paulo and Folha de São Paulo, and in the magazines Bizz and Rolling Stone, among others. As a lecturer, mediator and curator, he has participated in events in Brazil and abroad. His book Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975), published in Portuguese and English, was sold in more than 40 countries. He was born, raised and still lives in São Paulo, Brazil.

Lindo Sonho Delirante vol. 2 – campanha no ar!

A campanha de financiamento coletivo do livro foi lançada no Catarse

por Lucas Lazarotto     25 Maio 2018

O jornalista, escritor, pesquisador e colecionador de discos Bento Araujo, editor da revista poeira Zine, acaba de lançar uma campanha de financiamento coletivo (crowdfunding) para viabilizar o livro Lindo Sonho Delirante vol.2: 100 discos psicodélicos ou audaciosos do Brasil (1976-1985). O primeiro volume do livro foi publicado em 2016, de forma totalmente independente, após uma bem sucedida campanha de financiamento coletivo. Lançado em português e em inglês, o livro foi vendido em mais de 40 países, ganhou cinco estrelas na revista britânica Record Collector e foi eleito pelo site britânico Vinyl Factory como um dos dez melhores livros de música do mundo daquele ano.

O primeiro volume trazia resenhas de discos lançados entre os anos 1968 e 1975, ou seja, abordava as origens do cenário psicodélico brasileiro. Neste novo volume, o autor pretende continuar contando essa história através da análise de mais 100 discos, desta vez lançados entre 1976 e 1985. Nesse período, a música brasileira ganhou ares heterogêneos, experimentais, vanguardistas e progressivos, e seguiu seu rumo sacudindo o underground, ainda sufocado pelo sangrento regime militar e pelo violento preconceito social. A garimpagem das obras contidas neste segundo volume começa em 1976, dando início a uma jornada de dez anos que termina justamente no ano de 1985, quando teve fim a ditadura militar no país.

De pioneiros como Tom Zé, Lula Côrtes, Arnaldo Baptista e Zé Ramalho até heróis e heroínas não tão celebrados como Marinho Castellar, Cátia de França, Jarbas Mariz, Luli & Lucinha e Flaviola e o seu Bando do Sol. Do rock bem brasileiro do Papa Poluição, Pão com Manteiga e Aratanha Azul, até a música vanguardista de Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção e Aguilar e sua Banda Performática. Da sofisticação progressiva d’A Barca do Sol, Terreno Baldio, Recordando o Vale das Maçãs e Bacamarte, até a fusão promovida por nomes como Hermeto Pascoal, Grupo Um, Cheiro de Vida e Cesar Mariano & Cia. Todos estarão juntos nesse segundo volume do Lindo Sonho Delirante.

Para saber mais sobre a campanha acesse www.catarse.me/lsd2

LSD: Suely e Os Kantikus

A distorção de Lanny Gordin era tão selvagem que seria impossível conquistar o grande público.

por Bento Araujo     25 out 2016

suelykSuely Chagas conheceu Rita Lee em 1962, quando iam para a escola no mesmo bonde. Apaixonadas por esportes e música, fundaram um grupo vocal: The Teenage Singers. Logo tornaram-se fãs dos Beatles e conheceram os garotos da banda Wooden Faces, Arnaldo Baptista e Raphael Villardi, entre eles. Depois de apresentações em comum em bailinhos e festinhas, as duas bandas se juntaram para se tornar o Six Sided Rockers, já com Sérgio Dias na guitarra.

Suely nessa época era o destaque do grupo, tanto que foi escolhida por Tony Campello para ser a sucessora de sua irmã, Celly Campelo, que casou e abandonou a carreira musical. Mas tudo foi por água abaixo quando Suely ganhou uma bolsa para estudar nos EUA. Quando voltou, o Six Sided Rockers havia se transformado em O’Seis, que depois virou Os Mutantes. Sobrou então para Suely montar um novo grupo com Raphael Villardi, qua também havia perdido a boca nos Mutantes. Assim nasceu Suely e Os Kantikus, que contava com um jovem e talentoso guitarrista chamado Lanny Gordin.

O grupo gravou este único compacto pela Philips. A tropicalista “Que Bacana” tinha a cara dos festivais, mas a distorção de Lanny era tão selvagem que seria impossível a canção conquistar o grande público. O mesmo pode-se dizer de “Esperanto”, que soava ainda mais psicodélica. Depois do compacto, Suely entrou na faculdade, virou dentista e nunca mais gravou.

CLIQUE AQUI PARA ADQUIRIR O LIVRO LINDO SONHO DELIRANTE

Suely Chagas met Rita Lee in 1962, when they both used to go to school on the same tram, in the Vila Mariana neighbourhood, in São Paulo. Passionate about sports and music, the girls founded a vocal group: The Teenage Singers. They soon became Beatles fans and met the boys from the band Wooden Faces, Arnaldo Baptista and Raphael Villardi among them. After playing gigs in schools and parties, both bands came together to become the Six Sided Rockers, with the addition of Sérgio Dias on guitar.

Suely was the group’s standout performer. She was even chosen by pioneering Brazilian rock singer Tony Campello to be his sister’s successor, since Celly Campello had left the music business to get married. But all went wrong when Suely won a scholarship in the US.
When she returned, the Six Sided Rockers had become O’Seis, which later became Os Mutantes. Then Suely put together a new group with Raphael Villardi, who also had missed out on the Mutantes gig. Thus was born Suely e Os Kantikus, which featured a talented young star on guitar: Lanny Gordin.

The group recorded their only single on Philips. The Tropicália-infused “Que Bacana” had all it took to win the TV music festivals, but Lanny’s fuzz was so wild that it would be impossible to win over the general public. The same could be said of “Esperanto”, which sounds even more psychedelic.

After the single, Suely went into university, became a dentist, and never recorded another song again.

CLICK HERE TO BUY LINDO SONHO DELIRANTE

Lindo Sonho Delirante (B)

Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975)

A celebration of the inventive and mind-expanding music produced in Brazil. The book aims to show the world that Brazil also had many intriguing psychedelic rock artists and records.

por Bento Araujo     29 set 2016

Lindo Sonho Delirante (B)

PRICE: $39.00 USD (BOOK) + $19.00 USD (ROW shipping and handling). TOTAL: $58.00 USD



 

CLICK HERE to order the book at AMAZON

CLICK HERE to order the book at BOOKOGS

Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975) is fully illustrated with cover art reproductions of all the 100 records presented. Each album and single entry is accompanied by a review in Portuguese and English, meticulous reproduction of the original sleeve artwork, a headline containing the group/artist name, album/single title, it’s respective record label, release date and original pressing serial number.

Considering the manifesto-album Tropicalia ou Panis et Circencis as a sort of ground zero of Brazilian psychedelic music, our digging begins in 1968. From Tropicalia ou Panis et Circencis we set off on a journey of eight years, ending at what is maybe the rarest and most mythological Brazilian psychedelic album of all, 1975’s Paêbirú: Caminho da Montanha do Sol, by Lula Côrtes and Zé Ramalho.

From pioneers such as Arnaldo Baptista, Rogério Duprat, Tom Zé, Fábio and Ronnie Von, to pop stars like Rita Lee, Milton Nascimento, Secos & Molhados and Novos Baianos. From giants like Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Jorge Ben and Os Mutantes to unsung heroes and heroines like Damião Experiença, Lula Côrtes, Sidney Miller, Suely e Os Kantikus, Marconi Notaro, Guilherme Lamounier, Walter Franco and Loyce e Os Gnomos. From the wild rock of A Bolha, Equipe Mercado, Ave Sangria, Casa das Máquinas, Spectrum and Paulo Bagunça e a Tropa Maldita, to the sophistication of Marcos Valle, João Donato, Egberto Gismonti, Luiz Carlos Vinhas, Pedro Santos and Arthur Verocai. All of them are gathered in Lindo Sonho Delirante. The superstars, the mavericks and the forgotten.

In addition to the one hundred (100) reviews, the book also contains an introduction in which the author analyzes how these musicians mixed the Anglo-Saxon pop music of the 1960s with their own Brazilian roots, taking cues from the Anthropophagics of 1922’s Modern Art Week, as well as local cultural icons such as Chacrinha and Grande Otelo.

The depth of the research and the artistic beauty of the album covers should attract both longtime collectors and those who are now entering the world of record collecting.

Book Specifications
232 pages
21 x 19.5 cm
Fully colored
Cover in 300g/m² coated paper, core in 115g/m² coated paper, hotmelt binding
Texts in Portuguese and English
Priceless information
100 reviews of albums + 100 reproductions of original cover art + Introduction

Praise for Lindo Sonho Delirante: 100 psychedelic records from Brazil (1968-1975):

“Penned by the editor of the country’s leading vinyl collectables magazine, this new book shines a light on 100 records that tell the story of Brazilian psych’s tumultuous first eight years. Beyond these little-known stories, perhaps the most important function of the book is as the gateway to the music itself; a listen to almost any of the iridescent singles, EPs and albums covered reveal them to be more than worthy of Araujo’s evangelism.”
Record Collector

“The cover shots of the 100 records chosen to represent this radical strain of self-expression would be worth the price of entrance alone. Add to that the detailed descriptions, the introductory essays and the general care for quality that’s gone into this labour of love and you have an utterly essential purchase. A lavish, jaw-droppingly beautiful book.”
Shindig!

“A lovely project cataloguing the artwork and history behind 100 classic and super rare Brazilian psych records from the country’s recording golden age. Expect to find Tropicalia favourites from Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa and more alongside recently reissued rarities from Lula Cortes, Hareton + Meta and Pedro Santos – all accompanied by bi-lingual Portuguese/English commentaries and 7″-sized full-colour reproductions.”
Vinyl Factory (LSD chosen as one of the 10 best music books of 2017)

“The book proceeds chronologically, with detailed entries on records (in Portuguese and English) describing everything from pop heroes to tropicalia pioneers to wild takes on progressive rock, and the cultural and political climate that produced them.”
Wire

“Printed in both Portuguese and English, this is the perfect gift for the well-travelled psych fan whose knowledge of the Tropicalia movement and beyond starts and stops with Os Mutantes, Brazil’s answer to late-period Beatles. It’s fascinating stuff.”
Classic Rock

“Araujo’s writing is clear and incisive, relating biographical information, historical context, cultural significance, and a brief description of the musical highlights of each record. ‘Brazil is a psychedelic country by nature,’ asserts the author. The 100 records covered in this book bear out that assertion in 100 different ways. An entire world is opened up for you in its pages. Go explore it.”
Ugly Things

Bento Araujo

Bento Araujo is a journalist, researcher and record collector. He started out playing in bands and working in record stores. In 2003, he created poeira Zine, an independent publication that introduced a considerable amount of information on artists from around the world who had never captured the attention of mainstream media. After 13 years of intense activity and 69 issues published, poeira Zine’s impact paved the way for a weekly podcast: poeiraCast. The author has also had his articles, essays and interviews published in the two biggest Brazilian newspapers, O Estado de São Paulo and Folha de São Paulo, as well as in music magazines such as Bizz, Rolling Stone, Rock Brigade and Roadie Crew. As a presenter, he worked with Gastão Moreira and Edgard Piccoli on the Heavy Lero show. As a lecturer, mediator and curator he takes part in many musical events throughout Brazil and South America. As a reporter, he has covered festivals, shows and musical events in the U.S., Europe, and several Latin American countries.

Lindo Sonho Delirante

Assista ao vídeo do crowdfunding do livro do editor da pZ

por Lucas Lazarotto     07 jul 2016

Para saber mais sobre a campanha, ou se tornar um apoiador do projeto, acesse www.catarse.me/lsd

Lindo Sonho Delirante (B)

Nova fase da poeira Zine

Iremos interromper a nossa produção de edições impressas bimestrais, mas é importante ressaltar que isso não significa o fim da pZ

por Bento Araujo     07 abr 2016

Bento pZA poeira Zine está começando uma nova fase.

Chegamos ao fim de um ciclo, mas também ao começo de outro, muito mais promissor.

Depois de 13 anos e 69 edições lançadas, iremos interromper a nossa produção de edições impressas bimestrais. Mas é importante ressaltar que, de forma alguma, isso significa o fim da pZ. O mercado editorial está passando por reformulações e nós também, mas vamos voltar em breve, com muitas novidades.

Nosso desejo é preparar edições especiais, livros, e outras surpresas, sem periodicidade específica. Isso sempre dentro da nossa principal premissa: de ir o mais a fundo possível nas pautas, resgatar e investigar nomes esquecidos do passado, apresentar bandas novas surpreendentes e lutar arduamente contra a superficialidade, a mesmice e o jogo de interesses que atualmente imperam em boa parte do jornalismo musical brasileiro.

Aproveito para agradecer imensamente a todos vocês que acompanharam a jornada até aqui e que, de uma forma ou outra, se identificaram com a proposta editorial da nossa querida poeira Zine.

Grande abraço,
Bento Araujo

Kadavar faz sua primeira excursão brasileira

Power trio alemão faz quatro shows por aqui em setembro, promovendo o seu terceiro álbum

por Ricardo Alpendre     27 ago 2015

kadavarQuem desembarca pela primeira vez no Brasil em setembro é o power trio alemão Kadavar.

Promovendo o novo álbum Berlin, o terceiro de estúdio, o grupo deverá mostrar em Goiânia, São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis seu hard rock com pegada vintage e influências de várias vertentes do metal.

Os shows nos palcos brasileiros são os primeiros de uma turnê mundial que segue daqui para Argentina, Chile e Uruguai, e depois para a América do Norte e Europa. É mais uma boa boa pedida para amantes do rock retrô setentista, mais uma promovida pela mesma Abraxas que tem trazido bandas como Radio Moscow e The Flying Eyes.

As datas das apresentações, todas em setembro, são: dia 18 em Goiânia, no Festival Vaca Amarela, Centro Cultural Martim Cererê; dia 19 em São Paulo, no Inferno Club; dia 20 no Rio, no Teatro Odisseia; dia 23 em Floripa, no Célula Showcase.

Todos os eventos têm show de abertura com bandas nacionais, e todas as informações estão na página da produtora no Facebook.

kadavar-south-america-dates

Playlist pZ 61

Preparamos um playlist da pZ 61 no Spotify para você escutar degustando a sua nova edição

por Bento Araujo     10 ago 2015

Playlist da poeira Zine 61, para escutar degustando a sua nova edição. Ouça músicas de bandas e artistas que abordamos nesta edição: Som Nosso de Cada Dia, Pink Fairies, nomes que se apresentaram no festival Wattstax, John Wetton, bandas de Krautrock, Hughes & Thrall, Taste, Love Affair etc.

Veja mais sobre essa edição no http://www.poeirazine.com.br/loja/numero-61/

Aeroblus em São Paulo

Trio vai se apresentar com guitarrista convidado no Sesc Belenzinho, no final de abril

por Ricardo Alpendre     27 mar 2015

Aerolus 2010

Um sonho será realizado para os fãs do Aeroblus. O grupo argentino/brasileiro, que foi capa da poeira Zine 58, irá se apresentar no Sesc Belenzinho no dia 25 de abril. É a primeira vez que a banda faz um show no Brasil.

No lugar do inesquecível Norberto “Pappo” Napolitano, a formação desta reunião do grupo tem os guitarristas Juan Cavalli (da Medinight Band) e Danilo Zanite (da Patrulha do Espaço). O outro argentino do trio é Alejandro Medina, um dos principais baixistas da história do rock argentino e sul-americano. E na bateria, é claro, está Rolando Castello Junior, fundador da Patrulha do Espaço e único integrante brasileiro do Aeroblus.

Castello, Medina e Pappo formaram o Aeroblus em Campo Limpo Paulista em 1976. No ano seguinte, eles se apresentaram nas casas de shows da Argentina, e lá gravaram para a Philips o único álbum do grupo, homônimo, o qual se tornou extremamente cultuado entre o público do rock pesado. Enquanto é preparado o lançamento de um CD contendo gravações de ensaios do período clássico, a nova encarnação do Aeroblus pode tocar composições inéditas daquela fase, além do material do LP de 1977.

O Aeroblus subirá ao palco na Comedoria do Sesc Belenzinho às 21h30 do sábado, 25/4.

Os valores de ingressos são padrão Sesc: de R$ 7,50 para comerciários matriculados no Sesc até R$ 25,00 para o público em geral. Portanto, é melhor correr.

Mais informações no site do Sesc.

The Flying Eyes faz sua primeira turnê brasileira

Grupo norte-americano toca em sete cidades no Brasil; Anjo Gabriel abre quatro dos shows.

por Ricardo Alpendre     06 mar 2015

The-Flying-Eyes-Poster-Tour-WEBComeça nesta sexta-feira, 6/3, a excursão brasileira do grupo The Flying Eyes. O combo norte-americano carrega nas tinturas psicodélicas o seu blues rock com fortes influências das décadas de 1960 e 1970.

Após dois concertos na Argentina (em Buenos Aires e Córdoba), o quarteto desembarcou em terras brasileiras e inicia sua empreitada em terras tupiniquins pela região Sul.

Neste dia 6 em Florianópolis e dia 7 em Rio do Sul, eles agitam Santa Catarina. Já no dia 8, domingo, o show é em Petrópolis, RJ; e quinta, dia 12, é a vez do Rio de Janeiro.

Sem folga, no fim de semana eles atacam em Goiânia na sexta-feira 13, dia 14 em São Paulo, e domingo dia 15 retornam a terras fluminenses para encerrar excursão em Volta Redonda.

Com quatro álbuns lançados, o Flying Eyes aposta também no folk e no blues primitivo, acrescentando ali pitadas lisérgicas, como mostra o disco mais recente, Leave It All Behind Sessions, lançado no fim do ano passado, uma coletânea de sons semi-acústicos gravados desde 2010.

A partir do show do dia 12, no Rio, a banda Anjo Gabriel participa das noitadas, tocando antes dos norte-americanos. Outros grupos também farão abertura nos diversos concertos.

O melhor lugar para conferir os locais de shows, as bandas de abertura e informações sobre os ingressos é a página da produtora Abraxas (a mesma que trouxe por duas vezes o Radio Moscow) no Facebook: www.facebook.com/abraxasevents

13th Floor Elevators se reúnem após 45 anos

Única apresentação está programada para maio, em Austin, Texas

por Ricardo Alpendre     24 fev 2015

13TH-FLOOR-ELEVATORSO semanário The Austin Chronicle, tabloide alternativo de Austin, Texas, publicou dias atrás que um dos orgulhos da cidade, a banda 13th Floor Elevators, fará uma reunião para se apresentar no Levitation Festival, que será realizado entre 8 e 10 de maio.

O evento, anteriormente chamado Austin Psych Fest, ocorre no Carson Creek Ranch, e em 2015 terá atrações de peso como Flaming Lips, Tame Impala, Jesus & Mary Chain, Spiritualized e Primal Scream, além dos Elevators, que fecharão o festival como banda principal do domingo dia 10.

O combo psicodélico texano se separou na virada das décadas de 1960 e 1970, e neste ano comemora o cinquentenário de sua formação.

Estarão nesse reencontro o vocalista e guitarrista Roky Erickson, o baixista Ronnie Leatherman, o baterista John Ike Walton e o curioso integrante Tommy Hall. Letrista principal, cientista e “visionário”, Hall é um caso à parte, tendo marcado o som dos Elevators com seu instrumento chamado electric jug; ou seja, mais ou menos uma versão eletrificada dos jarros ou moringas que caracterizavam as jug bands dos anos 1920.

Após ficar totalmente afastado da música durante esses 45 anos, ao contrário de seus colegas, Hall já está praticando o electric jug novamente, especialmente para o show.

Tanta é a importância dos 13th Floor Elevators para Austin que o Levitation Festival teve seu nome inspirado na música “I’ve Got Levitation”, presente no segundo disco do grupo, o clássico Easter Everywhere.

Primeira fase do Thin Lizzy novamente em vinil

Selo Light In The Attic completa suas reedições dos três álbuns com o trio original

por Ricardo Alpendre     18 fev 2015

Phil - Brian - EricBoa notícia para os fãs do Thin Lizzy, especialmente aqueles que gostam da primeira fase da carreira do grupo. O selo norte-americano Light In The Attic está relançando em LP de vinil 180g o segundo e o terceiro LPs da banda irlandesa: Shades Of A Blue Orphanage e Vagabonds Of The Western World, respectivamente.

Nos dois álbuns, assim como no que os precedera, o Thin Lizzy tinha Eric Bell na guitarra. Ao lado dele, os dois músicos que estariam em todos os grandes álbuns do grupo: Phil Lynott no baixo e vocal, e Brian Downey na bateria.

Shades, lançado originalmente em 1972, e Vagabonds, de 1973, são diferentes em estilo do Thin Lizzy que se tornaria mais famoso com Brian Robertson e Scott Gorham nas guitarras. Ao invés daquele hard-boogie melodioso dos trabalhos seguintes, o trio dessa primeira fase explorava sons folk e psicodélicos, com alguns desvios para o blues.

Bundle-2-675x507Na página do Thin Lizzy dentro do site da LITA (como o selo abrevia seu nome) são oferecidos os LPs individualmente a 18 dólares, ou os dois juntos a 32 dólares. Uma outra opção é comprar também o primeiro LP, Thin Lizzy, de 1971, no pacote com três LPs a 48 doletas. O álbum de estreia já havia sido relançado pela LITA em 2012, e também pode ser comprado separadamente.

Todos os álbuns, além da prensagem 180g e a alardeada remasterização, têm capa dupla com fotos pouco vistas antes e textos.

A página é http://lightintheattic.net/artists/420-thin-lizzy

The Sonics lançam novo álbum, o primeiro em 48 anos

Grupo proto-punk não gravava um LP de músicas originais desde 1967

por Ricardo Alpendre     26 jan 2015

sonicsApós aproximadamente 48 anos desde que o último LP foi lançado, os Sonics preparam seu primeiro álbum de inéditas desde 1967.

This Is The Sonics, como o álbum vai se chamar, tem lançamento agendado para 31 de março de 2015 pelo selo próprio, Revox, e foi gravado em Seattle, com três dos integrantes originais: Gerry Roslie (teclados e voz), Larry Parypa (guitarra e vocais) e Rob Lind (saxofone, gaita e vocais). Todos eles, que se reuniram em 2007, estavam na gravação dos três discos originais dos precursores do punk: Here Are The Sonics (1965), Boom (1966) e Introducing The Sonics (1967).

Nos dois primeiros (principalmente no álbum de estreia, gravado ainda em 1964), o grupo estabeleceu sua reputação como um dos mais sujos e pesados de todo o movimento do rock de garagem da época.

“The Witch”, o primeiro single daquelas sessões, lançado em 1964; “Psycho”, com o grito mais insano; “Strychnine”, com apologia ao gosto por uma bebida improvável; “Boss Hoss”, “Cinderella”, “He’s Waitin’”, e ainda versões cruas e frenéticas de sucessos do rhythm & blues… Aquele coquetel de irresponsabilidades eternizadas em vinil só poderia mesmo ficar às margens das paradas de sucessos, tornando-se, contudo, item obrigatório em qualquer coleção de rock que pretenda conter sons proto-punk.

Formada em Tacoma, Washington, a banda tem uma história muito ligada a Seattle, onde o novo This Is The Sonics foi gravado com produção de Jim Diamond.

O primeiro single confirmado do álbum é “Bad Betty”, um rock ‘n’ roll puro tocado no estilo inconfundível dos Sonics. No ano passado, a música apareceu, em outra versão, no compacto que o grupo dividiu com o Mudhoney para venda exclusiva no Record Store Day.

“Último desejo” bizarro de Kim Fowley?

Site TMZ diz que o influente produtor queria garotas violando seu cadáver.

por Ricardo Alpendre     23 jan 2015

Kim-Fowley-fuck-youKim Fowley deixou o mundo do rock mais triste e menos safado em janeiro de 2015, com sua morte aos 75 anos. Mas não menos bizarro. Ao menos se for verdade a notícia veiculada pelo site norte-americano TMZ – o mesmo que, em 2009, noticiou em primeira mão a morte de Michael Jackson.

Segundo o site, O produtor que trabalhou com Kiss, Runaways e Alice Cooper teria combinado com o editor da revista Girls and Corpses (Garotas e Cadáveres) que fossem feitas fotos de seu corpo sendo violado por garotas nuas. Esse teria sido seu último desejo. A revista é exatamente o que diz em seu título: uma publicação de fotos de mulheres jovens em poses “sensuais” com zumbis, cadáveres e afins.

De acordo com o TMZ, o produtor, considerado um dos mais geniais e polêmicos do rock, trocou e-mails com o editor e uma fotógrafa da revista em 2012, expressando suas intenções quanto ao ensaio fotográfico, que teria sua então namorada Snow e as amigas dela, fetichistas, mutilando o corpo de Fowley, deixando o sangue rolar, e até ateando fogo no sangue e em ossos. Fowley ainda teria proposto que ele mesmo custeasse o ensaio, se necessário.

O editor, apesar de rejeitar a parte mais sangrenta, teria concordado em fazer a sessão de fotos com as garotas nuas.

Entre o tempo do acordo e o de sua morte, Fowley trocou de namorada e se casou, e a viúva, Kara Wright, é quem tinha o controle do corpo. Segundo o TMZ, no dia 19 de janeiro, Kara não podia ser encontrada para liberar o ensaio. Mas ao que parece ele não chegou a ocorrer, porque o funeral ocorreu na tarde do dia 22, inclusive com as presenças de Joan Jett e do influente disc jockey Rodney Bingenheimer.

Ian McLagan morre aos 69 anos

Pianista dos Faces e Small Faces também tocou com os Rolling Stones.

por Ricardo Alpendre     05 dez 2014

ianmclaganSe 2014 já vinha sendo marcado pelas mortes de músicos importantes, este final de ano se mostra um pouco exagerado.

Apenas um dia após a morte do saxofonista Bobby Keys, na última quarta, 3/12, foi a vez do pianista e tecladista Ian McLagan, que tem seu lugar na história principalmente como integrante dos Small Faces e dos Faces.

McLagan morreu aos 69 anos, vítima de um derrame, em um hospital de Austin, Texas, cidade em que morava.

Nascido na Inglaterra em 1945, McLagan começou a carreira na primeira metade da década de 1960, e em 1965 entrou para os Small Faces, que se tornaram Faces após a saída de Steve Marriott e a entrada de Ron Wood e Rod Stewart em 1969.

Quando Wood foi integrar os Rolling Stones em 1975, após o fim dos Faces, ele levou McLagan para tocar como sideman da banda, e o pianista fez gravações e shows acompanhando o quinteto. Ele toca, por exemplo, o piano elétrico que é marca registrada do hit “Miss You”. Ainda ao lado de Wood participou do New Barbarians, projeto que também contava com Keith Richards, Bobby Keys, Stanley Clarke e Joseph Zigaboo Modeliste.

Em 1972, ao lado do baterista Kenney Jones, também dos Faces, McLagan tocou no clássico LP The London Chuck Berry Sessions, na porção de estúdio do álbum, em que o cantor e guitarrista apresentou músicas inéditas.

Durante a longa carreira, ele também acompanhou ídolos como Bob Dylan e Bruce Springsteen, e recentemente excursionou com Nick Lowe, outra figura heroica do rock britânico.

Desde 2012, com os Faces e Small Faces, ele faz parte do Rock and Roll Hall of Fame.

Seu álbum mais recente, United States, é relacionado por nosso editor, Bento Araujo, entre os melhores de 2014 na retrospectiva do ano no poeiraCast, episódio que estará aqui no site da pZ a partir de 17 de dezembro.

Bobby Keys (1943-2014)

Saxofonista faz parte da história dos Rolling Stones

por Ricardo Alpendre     03 dez 2014

bobby keysÀs vésperas de completar 71 anos de idade, o saxofonista Bobby Keys morreu na última terça, dia 2 de dezembro, em sua casa em Franklin, Tennessee, nos Estados Unidos, após anos enfrentando os efeitos da cirrose.

Texano, Bobby foi um dos principais saxofonistas do rock, se não o principal, tendo iniciado sua carreira há mais de cinco décadas e meia como músico acompanhante de artistas como Buddy Holly e Bobby Vee.

Ele já havia se tornado um dos músicos mais requisitados da música pop quando se iniciou a parceria que o tornaria imortal: a partir de 1969, ele se tornou “o saxofonista” dos Rolling Stones, tocando em todos os álbuns do grupo até 1974 e, depois, em todos a partir de 1980. Sua colaboração em discos como Sticky Fingers (1971) e Exile on Main St. (1972), tem valor incalculável em termos musicais.

Além da banda de Mick Jagger e Keith Richards, Bobby também fez parte de álbuns importantes de outros monstros sagrados, embora sem um vínculo tão efetivo. George Harrison, Joe Cocker, John Lennon, Eric Clapton, Chuck Berry, Ringo Starr, Faces, Donovan, B.B. King, Humble Pie, Lynyrd Skynyrd, Graham Nash e muitos outros têm na discografia a contribuição de seu saxofone.

keith richards - bobby keysOs Stones publicaram em nota oficial: “Os Rolling Stones estão devastados pela perda de nosso querido amigo e lendário saxofonista, Bobby Keys”. Keith Richards divulgou carta aberta, escrita a mão: “Perdi o maior companheiro do mundo e não consigo expressar a tristeza que sinto, apesar de que Bobby diria algo para me animar. Minhas condolências a todos que conheciam a ele e seu amor pela música”.

Radio Moscow volta ao Brasil

Além dos shows no País, grupo vai ao Chile, Uruguai e Argentina

por Ricardo Alpendre     28 nov 2014

Radio MoscowMais uma excursão brasileira da banda Radio Moscow se aproxima. Os norte-americanos Parker Griggs (guitarra e voz), Anthony Meier (baixo) e Paul Marrone (bateria) têm sete shows marcados no Brasil, além de outros quatro para os hermanos angentinos, chilenos e uruguaios. Será a segunda vez em que o grupo, um dos melhores da atualidade no rock setentista, visitará a América do Sul, apenas dois meses depois da bem-sucedida primeira passagem.

Na ativa desde 2003, o Radio Moscow tem cinco álbuns, sendo o mais recente Magical Dirt, lançado em 2014. O primeiro, chamado simplesmente Radio Moscow, de 2007, foi produzido por Dan Auerbach, dos Black Keys.

As datas, confirmadas oficialmente pela banda, são as seguintes:

5/12 – Groove Pub – Uberlândia, MG

6/12 – Goiânia Noise Festival – Goiânia, GO

7/12 – Pub Handte – Panambi, RS

11/12 – Lechiguana – Gravataí, RS

12/12 – Inferno Club – São Paulo, SP

13/12 – Lapa Café – Rio de Janeiro, RJ

14/12 – Gypsy Bar – Petrópolis, RJ

16/12 – Santiago, Chile

17/12 – Montevidéu, Uruguai

18/12 – Buenos Aires, Argentina

19/12 – Córdoba, Argentina

RADIOMOSCOW

 

Napoleon Murphy Brock toca Zappa em São Paulo

Ao lado da banda Let’s Zappalin, músico fará dois shows em dezembro.

por Ricardo Alpendre    

napoleonOverdose de música para fãs de Frank Zappa na capital paulista!

O guitarrista Rainer Pappon e seu grupo Let’s Zappalin farão duas apresentações em dezembro. O norte-americano Napoleon Murphy Brock, cantor, saxofonista e flautista de Zappa e dos Mothers of Invention em uma das melhores fases da carreira do artista entre 1973 e 1975, é o convidado da banda brasileira nos shows, que serão realizados no fim de semana que antecede o Natal.

O primeiro deles será no sábado, 20 de dezembro, às 19h, no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1.000, ao lado do Metrô Vergueiro), com ingressos a R$ 20,00.

Já o segundo, domingo, dia 21, às 21h, será dividido em duas entradas e terá a performance do álbum Roxy & Elsewhere, no Café Piu Piu (Rua Treze de Maio, 134 – Bela Vista), com couvert artístico de R$ 40,00.

Também fazem parte do Let’s Zappalin os músicos Fred Barley, Jimmy Pappon e Érico Jônis.

Moto Rock Fest

Festival terá músicos do Terço, Som Nosso e Secos & Molhados neste sábado.

por Ricardo Alpendre     26 nov 2014

Moto Rock FestNão é tão comum ver o motociclismo associado ao rock progressivo, mas levando-se em conta que no Brasil dos anos 1970 o prog se misturava ao rock mais básico com tamanha naturalidade, fica até confortável o mote “Festival de Rock Progressivo” abaixo do título Moto Rock Fest.

O evento, que ocorre em São Paulo neste sábado (dia 29), terá como headliner um show indispensável para fãs da banda O Terço. O nome do show pode parecer confuso, mas, para o público da banda, não deixa dúvidas: Sérgio Hinds toca “O Terço” Lado B. Após apresentar o espetáculo no Rio e em Belo Horizonte, Hinds receberá no palco paulistano o músico Cezar de Mercês, ex-integrante do grupo e autor de boa parte das composições clássicas.

“Esse projeto, por coincidência, já estava na minha cabeça há algum tempo”, disse Cezar, que justifica a iniciativa oportuna: “Por motivos óbvios, resgatar as músicas que ficaram fora dos shows ‘oficiais’ do retorno do Terço e que contam a história da banda de forma mais abrangente”. Com a soma das duas iniciativas, a reunião dessas forças criativas foi um caminho tão natural quanto aguardado. Além de Cezar, também haverá a participação de Roberto Lazzarini, do Terreno Baldio.

Outro show que promete ser inesquecível é o do Pedro Baldanza Trio. Baldanza, o “Pedrão” do Som Nosso de Cada Dia, também fará parte do show da banda 70 de Novo, projeto que revive grandes momentos da década progressiva, encabeçado por Zé Brasil, do Apokalypsis, com Silvia Helena, Gerson Conrad (do Secos & Molhados) e o já mencionado Cezar de Mercês. E o Apokalypsis ainda aproveita a ocasião para fazer o show de lançamento de seu novo CD, 40 Anos.

Tudo isso será realizado a partir das 18h do sábado no palco do Via Marquês, na Barra Funda, com ingressos a R$ 30,00 (entradas de camarote com open bar custam R$ 120,00). A organização informa que haverá feira de discos de vinil e exposição de carros e motos. E, como a temática é o motociclismo, será lançada a campanha “Se beber não pilote”.

O Via Marquês fica na Av. Marquês de São Vicente, 1589.

Os ingressos estão à venda no site www.ticketbrasil.com.br e nas lojas Aqualung e Moshi Moshi, da Galeria do Rock.

Paul Revere, líder dos Raiders, morre aos 76 anos

Tecladista estava aposentado desde julho por problemas de saúde.

por Ricardo Alpendre     07 out 2014

Paul Revere and the Raiders

Morreu no último sábado, dia 4, aos 76 anos de idade, Paul Revere, tecladista e fundador da banda Paul Revere & The Raiders. O grupo fez sucesso nos anos 60 e início da década seguinte com hits como “Just Like Me”, “Kicks”, “Hungry”, “Him Or Me – What’s It Gonna Be?” e “Indian Reservation (The Lament of the Cherokee Reservation Indian)”.

Revere, que liderou os Raiders ao lado do vocalista Mark Lindsay, havia se retirado do meio artístico em julho deste ano por problemas de saúde, embora o grupo continuasse a se apresentar. A causa da morte ainda não foi revelada.

No site da banda, que é um dos orgulhos do Estado de Idaho, nos EUA, foi escrito um belo texto em homenagem a Paul, nascido em Nebraska e que vivia em Caldwell, Idaho, onde iniciou a carreira. Mais sobre Paul Revere na próxima edição da pZ.

Box set comemora meio século dos Kinks

Com retrospectiva do selo Pye (1964-71), caixa será lançada em novembro.

por Ricardo Alpendre     26 set 2014

The Kinks - AnthologyEm 1964, os Kinks lançavam seu primeiro sucesso, com o compacto “You Really Got Me”, após dois outros singles malsucedidos naquele mesmo ano. Celebrando o cinquentenário da banda, a qual se separou em 1996, será lançado em novembro o box set The Anthology 1964-1971. Nos cinco CDs da caixa, editada pela Sanctuary e Sony-BMG, haverá 139 faixas cobrindo o período clássico do grupo no selo Pye, incluindo 25 versões ou mixagens alternativas, inéditas. Como bônus, o pacote ainda terá um single em vinil de 7 polegadas.

A data prevista para lançamento é 3 de novembro na Inglaterra. Já nos Estados Unidos, a caixa chega às prateleiras no dia 18 de novembro.

Sobre uma possível e tão especulada reunião do grupo, o que depende dos irmãos Ray e Dave Davies, Ray diz que há conversas eventuais, que eles poderiam voltar a compor juntos, e que concordam em não fazer turnês recheadas de hits do passado: promoveriam material novo.

Hawkwind: Hall of The Mountain Grill

Em setembro de 1974, o quarto álbum dos ingleses mostrava com quantos sintetizadores se faz um rock pesado.

por Ricardo Alpendre     22 set 2014

É quase consenso que Hall of the Mountain Grill, lançado há 40 anos, é um dos melhores álbuns da carreira do Hawkwind.

Após o sucesso do single Silver Machine, dois anos antes, ele é o primeiro álbum de estúdio em que a banda usa e abusa dos sintetizadores digitais.

Temos aqui um ranking de suas faixas, da pior (isso existe?) até a melhor (tem como escolher?).

“PARADOX”

Em termos de composições “principais”, esta fica abaixo das demais. Em melodia, em criatividade, em tudo. Ainda assim, fecha o álbum sem comprometê-lo.

“WEB WEAVER”

Folk com violões, piano e (ah, vá…) sintetizadores. Vocais extremamente simples, que não comprometem.

“HALL OF THE MOUNTAIN GRILL”

Um interlúdio instrumental de Simon House. Bonita, embaixo do mar de sintetizadores.

“GOAT WILLOW”

Interlúdio composto por Del Dettmar. Parece música erudita. A flauta de Nik Turner é imaginativa.

“LOST JOHNNY”

Rock de Lemmy com o eterno parceiro de aventuras Mick Farren. Ressurgiria, em versão bem menos polida, na primeira encarnação do Motorhead.

“D-RIDER”

É a composição de Nik Turner, o louco do saxofone, no disco. Mais um acerto. Melodia incomum, um muro de sintetizadores, e um show de ruindade do baterista Simon King – que tinha identidade, o que não se pode negar.

“WIND OF CHANGE”

Uma das melhores instrumentais da banda, atmosférica e enigmática como sugere o nome. A melodia é extremamente inspirada. O arranjo, idem.

“YOU’D BETTER BELIEVE IT”

O rockão que abre o lado B com o pé na porta. Composta por Brock, mas até parece ser de Lemmy, que solta a voz no refrão.

“THE PSYCHEDELIC WARLORDS (Disappear In Smoke)”

Um show stopper desde então, “Warlords” abre o disco expondo todas as limitações dos Hawks como músicos e uma certa ingenuidade de Dave Brock como letrista. Mesmo assim, tudo funciona maravilhosamente bem nesse manifesto social e ecológico.

Motörhead: Os 30 anos de No Remorse

Coletânea trouxe quatro músicas inéditas com uma formação diferente das anteriores

por Ricardo Alpendre     12 set 2014

MotorheadHá trinta anos, no dia 15 de setembro de 1984, o Motörhead lançava o álbum duplo No Remorse. Embora seja uma coletânea dos sete anos do grupo no selo Bronze, de Gerry Bron, No Remorse trouxe quatro músicas inéditas de um Motörhead renascido, e foi ainda o último deles naquela gravadora.

Em 1983, o Motörhead havia perdido, com a saída de Brian Robertson, dois guitarristas em pouco mais de um ano. Naquele momento delicado, o baterista Philthy “Animal” Taylor anunciou a Lemmy, único remanescente da fundação da banda, que também estava de saída. A resposta do baixista e vocalista foi irônica como ele próprio: “Phil, seu timing é ótimo”. Pouco tempo depois, tendo recrutado os novatos Wurzel e Phil Campbell para o lugar que fora de Robertson (e, anteriormente, de Eddie Clarke), além do baterista Pete Gill, ex-Saxon, Lemmy estreou a nova formação do Motörhead em uma apresentação no Hammersmith Odeon. A relação com a Bronze já não era das melhores – o selo não tinha total confiança no novo line up. Para o álbum que o grupo ainda devia à gravadora, então, Lemmy compilou vinte faixas, que foram distribuídas em dois discos. Quatro músicas novas se somaram a elas, fechando, cada uma, um dos lados do vinil duplo.

No RemorseCom capa confeccionada em couro sintético preto estampado com a arte de Joe Petagno em prateado (embora seja mais facilmente encontrada a edição de capa convencional), No Remorse trazia nos encartes um texto de Malcolm Dome, da Kerrang!, e comentários de Lemmy, faixa a faixa.

Das quatro composições novas, creditadas ao novo quarteto, uma, “Killed by Death”, foi lançada em compacto duas semanas antes do álbum. Em uma das versões desse single, a de 12 polegadas, há duas músicas no lado B chamadas “Under the Knife”, embora elas sejam canções diferentes. Apenas uma delas aparece no compacto simples, e ambas estão entre as faixas bônus das reedições “deluxe” em CD de No Remorse.

Em fita cassete, a embalagem original também era especial: uma caixinha de couro, que imitava uma embalagem luxuosa de cigarros, e incluía até aqueles avisos sobre o mal que fazia à saúde.

O quarteto da época do lançamento de No Remorse viria a gravar ainda um álbum completo, o também importante Orgasmatron, em 1986, por um novo selo, GWR Records, do empresário Doug Smith.

The Central Scrutinizer Band recebe trio de músicos de Zappa

Ike Willis, Bobby Martin e Ray White vêm ao Brasil celebrar Does Humor Belong in Music

por Ricardo Alpendre     09 set 2014

The Central Scrutinizer BandComemorando os trinta anos do show, disco e vídeo Does Humor Belong in Music?, de Frank Zappa, The Central Scrutinizer Band receberá nos dias 3 e 4 de outubro, no Sesc Belenzinho, em São Paulo, os convidados Ike Willis, Bobby Martin e Ray White. Os três, que se apresentarão pela primeira vez juntos no Brasil, eram peças importantes na banda de Zappa (falecido em 1993) quando o show foi gravado em Nova York, em 1984.

Reconhecida como uma das melhores bandas em homenagem ao artista norte-americano, a Scrutinizer tem músicos de primeira linha, acostumados a acompanhar grandes nomes da música nacional. Os shows, sexta e sábado, começam às 21h30.

O preço das entradas é aquela camaradagem de sempre nos Sescs: R$ 25,00 a inteira (ou R$ 10,00 a meia entrada, e R$ 5,00 para comerciários).

De ruim, apenas o nome do setor do Sesc onde será a apresentação: Comedoria. Mas até isso tem um bom motivo. Chegue antes, sem ter jantado, e descubra.

Radio Moscow no Brasil em outubro

Fãs do rock setentista e psicodélico terão a oportunidade de assistir a um dos melhores nomes do estilo

por Ricardo Alpendre     08 set 2014

Radio MoscowFãs brasileiros do rock setentista e psicodélico terão a oportunidade de assistir a um dos melhores nomes do estilo. Os norte-americanos do Radio Moscow desembarcam na América do Sul na virada do mês para um show na Argentina e cinco no Sul e Sudeste brasileiros.

Logo após se apresentar em Buenos Aires, dia 30 de setembro, o power trio seguirá para Porto Alegre, onde, no dia 1.º de outubro, comandará a noite na casa El Toro. 2/10 será a vez de Ibirama, SC, e a casa Woodsrock. No dia seguinte, no Célula, em Florianópolis. Na sequência, eles tomarão o rumo de São Paulo, onde se apresentarão no Inferno Club, dia 4. E, finalmente, dia 5, encerrarão a excursão no Leviano, no Rio.

As datas já estão todas no site do grupo, www.radiomoscow.net.

Após a trip sul-americana, o Radio Moscow voltará aos Estados Unidos, onde seguirá dividindo o palco com os veteranos Pentagram e Bang.

Radio Moscow tour

Box de Beefheart terá álbuns subestimados e disco de outtakes

O selo norte-americano Rhino anuncia o produto para novembro, inclusive em vinil.

por Ricardo Alpendre     05 set 2014

Captain Beefheart boxA Rhino, mais uma vez, cumpre seu papel de trazer relançamentos legais para um público que sabe o que está comprando. Três álbuns de Captain Beefheart ressurgem, agora remasterizados, no box Sun Zoom Spark: 1970 To 1972, que chegará às lojas na primeira quinzena de novembro. Lick My Decals Off, Baby (1970), The Spotlight Kid (1972) e Clear Spot (idem) são os LPs que sucederam o celebrado Trout Mask Replica, de 1969, e permanecem menos conhecidos que o “hit” de Beefheart. Os três, especialmente Lick My Decals Off, Baby, tinham um lugar especial na preferência do próprio Don Van Vliet, o “Capitão”, que morreu em 2010 aos 69 anos.

O box, que será comercializado em CD, vinil e download, terá também um quarto disco contendo 14 faixas inéditas, todas outtakes do mesmo período – algumas dessas músicas chegaram ao vinil, nas versões finalizadas, nos álbuns da virada dos anos 70 para os 80.

Eric Gales toca em São Paulo nesta quinta-feira

Turnê brasileira do músico já passou por Rio, Goiás e Rio Grande do Norte

por Ricardo Alpendre     26 ago 2014

Eric GalesO guitarrista norte-americano Eric Gales fará uma apresentação em São Paulo no dia 28 de agosto, quinta, no Gillan’s Inn. Esta é a terceira passagem do premiado músico de blues rock pelo Brasil (as anteriores foram em 2003 e 2006). Antes de Sampa, a temporada brasileira de Gales já passou por Rio de Janeiro, Barra Mansa, Goiânia e Natal.

Gales, músico destro que toca a guitarra invertida, como se fosse um canhoto, acumula elogios recebidos de alguns dos maiores nomes do blues e do rock, como B.B. King, Eric Clapton, Mick Jagger, Keith Richards e Carlos Santana. Em outubro do ano passado, outra fera do blues moderno, Joe Bonamassa, escreveu a respeito dele no Twitter: “Um dos melhores, senão o melhor guitarrista do mundo hoje”.

Na turnê brasileira, Gales é acompanhado pelos os músicos nacionais Ugo Perrotta (baixo), Alexandre Papel Loureiro (bateria) e Fred Sunwalk (guitarra).

A abertura, em São Paulo, ficará por conta da banda Plexiheads.

Os ingressos custam de R$ 60,00 a R$ 80,00.

Mais informações em www.gillansinn.com.br

Eric Gales no Gillan's Inn

Novos álbuns sempre às sextas?

Proposta tramita entre gravadoras e associações para unificar os dias de lançamentos de discos

por Ricardo Alpendre     18 ago 2014

lançamentosA indústria fonográfica internacional discute uma proposta que poderá unificar as datas de lançamentos de álbuns no mundo todo para as sextas-feiras. Há quem confirme que a medida passará a valer em julho de 2015. Já existem padronizações em determinados dias da semana, dependendo do país. No Reino Unido, os novos LPs e CDs costumam chegar às lojas às segundas-feiras. Nos Estados Unidos, ocorre às terças, e na Austrália, às sextas.

Pessoas ligadas à indústria dizem que a medida pode diminuir a ação da pirataria. Tanto a IFPI, que representa a indústria do disco de forma global, quanto o RIAA, o órgão que regula as gravadoras nos EUA, são favoráveis.

Alguns selos independentes, que têm estratégias diferentes das majors, desaprovam a padronização obrigatória. Eles lançam seus produtos em outros dias, driblando momentaneamente a concorrência das multinacionais.

poeira Zine Fest

Festa de lançamento da nova edição da pZ, com shows tributo ao Thin Lizzy e ao Grand Funk Railroad

por Radames Junqueira    

pZ Fest Blackmore

Nesta próxima sexta-feira acontece em São Paulo mais uma edição da pZ Fest, desta vez no Blackmore Rock Bar, em Moema.

A data marca o lançamento da nova edição da pZ (#55) e os 45 anos do lançamento de On Time, primeiro álbum do Grand Funk Railroad. No palco estarão as bandas On Time (um tributo ao Grand Funk Railroad que conta com a presença do nosso editor, Bento Araujo, no baixo) e Thin Lizzy Tributo.

Esperamos todos vocês para uma noitada de muito rock ‘n’ roll e bom papo.

Blackmore Rock Bar
Alameda dos Maracatins, 1317 – Moema – São Paulo
11 3804-5678
Reserva de mesas: contato@blackmore.com.br
Mais informações: blackmore.com.br
 

Kansas fará shows no Brasil em novembro

Celebrando 40 anos de carreira, o Kansas acaba de confirmar dois shows no Brasil

por Lucas Lazarotto     06 ago 2014

Celebrando 40 anos de carreira, o Kansas acaba de confirmar dois shows no Brasil: dia 20 de novembro, no Vivo Rio, no Rio de Janeiro, e 21 de novembro, no HSBC Brasil, em São Paulo.

Esta é a segunda passagem da banda pelo país, mas pode ser considerada a primeira, já que na outra ocasião a banda realizou uma única (e muito mal divulgada) apresentação como atração internacional de um bizarro rodeio, em Jaguariúna, no interior de São Paulo.

Infelizmente essa nova tour não contará com o vocalista original do Kansas, Steve Walsh, que deixou o grupo recentemente. Da formação original virão ao Brasil Phil Ehart (bateria) e Richard Williams (guitarra).

Serviço:
KANSAS – 40th Anniversary Tour
Serviço Rio de Janeiro
Data: 20 de novembro de 2014
Local: Vivo Rio
Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo
Abertura da casa: 20h | Inicio show Kansas: 22h
Classificação etária: a partir de 16 anos
Capacidade: 2.000 lugares sentados
Ar-condicionado no local
Acesso para portadores de mobilidade reduzida
Manobrista no local: R$ 30,00
Forma de pagamento: Aceitamos dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) / não aceitamos cheques.
Chapelaria: Incluída
Ingresso Rápido – Ingressos online: www.ingressorapido.com.br
Informações e compras: 4003-1212
Atendimento pós-venda SAC: 4003-2051
Ingressos:
Setor VIP – R$ 350,00 | Setor VIP (meia entrada) – R$ 175,00
Setor 1 – R$ 270,00 | Setor 1 (meia entrada) – R$ 135,00
Setor 2 – R$ 200,00 | Setor 2 (meia entrada) – R$ 100,00
Setor 3 – R$ 120,00 | Setor 3 (meia entrada) – R$ 60,00
Setor 4 – R$ 100,00 | Setor 4 (meia entrada) – R$ 50,00
Camarote A – R$ 380,00 | Camarote (meia entrada) – R$ 190,00
Camarote B – R$ 290,00 | Camarote (meia entrada) – R$ 145,00
Frisas – R$ 300,00 | Frisas (meia entrada) – R$ 150,00
Balcão – R$ 190,00 | Balcão (meia entrada) R$ 95,00
Pontos de venda em Rio de Janeiro:
Bilheterias do Vivo Rio – SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA
Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo
Horário de atendimento: Segunda a sábado: 12h às 21h | Domingo/feriado: 12h às 20h.
Formas de pagamento: Dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) não aceitamos cheques.
Kansas SPServiço São Paulo
Data: 21 de novembro de 2014
Local: HSBC Brasil
Endereço: Rua Bragança Paulista 1.281
Abertura da casa: 20h | Inicio show Kansas: 22h
Classificação etária: a partir de 16 anos
Capacidade: 2.000 lugares sentados
Ar-condicionado no local
Acesso para portadores de mobilidade reduzida: http://www.hsbcbrasil.com.br/acessibilidade
Manobrista no local: R$ 35,00 antecipado e R$ 40,00 na hora.
Forma de pagamento: Dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) / não aceitamos cheques.
Chapelaria: R$ 10,00
Ingresso Rápido
Ingressos online: www.ingressorapido.com.br
Informações e compras: 4003-1212
Atendimento pós-venda SAC: 4003-2051
Ingressos
Setor VIP – R$ 350,00 | Setor VIP (meia entrada) – R$ 175,00
Setor 1 – R$ 280,00 | Setor 1 (meia entrada) – R$ 140,00
Setor 2 – R$ 270,00 | Setor 2 (meia entrada) – R$ 135,00
Setor 3 – R$ 200,00 | Setor 3 (meia entrada) – R$ 100,00
Setor 4 – R$ 120,00 | Setor 4 (meia entrada) – R$ 60,00
Camarote – R$ 380,00 | Camarote (meia entrada) – R$ 190,00
Frisas – R$ 300,00 | Frisas (meia entrada) – R$ 150,00
Cadeira alta – R$ 280,00 | Cadeira alta (meia entrada) R$ 140,00
Pontos de venda em São Paulo:
Bilheterias do HSBC Brasil – SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA
Endereço: Rua Bragança Paulista 1.281
Horário de atendimento:
Segunda a sábado das 12h às 22h
Domingo e feriado das 12h às 20h.
Formas de pagamento: Dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners) não aceitamos cheques.

 

Dez vídeos de Johnny Winter que você tem que assistir

Nos despedimos do guitarrista que está na capa da nova pZ com o que de mais bacana existe dele no YouTube

por Bento Araujo     17 jul 2014

pZ55Dia 16 último, o mundo do rock e do blues perdeu um de seus grandes expoentes. Como todo sangue bom do blues, Johnny Winter morreu literalmente na estrada, em seu quarto de hotel, em Zurique, enquanto fazia sua enésima turnê europeia no auge de seus 70 anos de idade.

A pZ homenageia Winter em sua nova edição, com um longo artigo especial contando toda a sua turbulenta trajetória e uma discografia selecionada comentada. Veja mais sobre essa edição.

 

Abaixo, selecionamos os melhores momentos de Johnny Winter no Youtube, para acompanhar a leitura da sua nova pZ:

1 – “Mean Town Blues” (1969)
Mesmo em início de carreira, Winter já demonstrava total confiança e habilidade com seu instrumento. Essa sua aparição em Woodstock (que ficou de fora do filme original) mostra um artista no auge da garra e da vontade de aparecer para o mundo.

2 – Live in Copenhagen (1970)
A gravação de melhor qualidade em vídeo do trio original de Winter em ação, com Uncle John Turner na bateria e Tommy Shannon no contrabaixo. Inclui canja de Edgar Winter.

3 – “Johnny B. Good” (1970)
Em 1970 ele chegou arrasando em Londres com seu trio acrescido da ilustre presença do irmão Edgar Winter. Estusiasta do rock dos anos 50, fazia questão de apresentar ao vivo esse clássico imortalizado por Chuck Berry.

4 – “Guess I’ll Go Away” (1970)
Sua banda “And”, com Rick Derringer também na guitarra, marcou uma das fases mais pesadas de sua carreira e rendeu dois grandes discos, um de estúdio e outro ao vivo. Essa apresentação registrada pela TV francesa mostra o vigor daquela formação ao vivo.

5 – Live At Tubeworks, Detroit (1971)
Johnny e seu parceiro (e baixista de sua banda) Randy Joe Hobbs ao vivo, num programa de TV, tocando e sendo entrevistados. Vale por mostrar o guitarrista de um perfil mais intimista. Destaque para sua atução na inseparável Firebird, com pouca distorção e volume.

6 – “Jumpin’ Jack Flash” (1974)
Grande fã de Stones, executou diversos clássicos da banda de Jagger & Richards em sua carreira, tanto em estúdio como ao vivo. A mais emblemática delas era a sua releitura para este clássico, que ocasionalmente encerrava as suas apresentações. Essa versão é ao vivo no programa da TV britânica The Old Grey Whistle Test.

7 – Live on Don Kirshner’s Rock Concert (1974)
Sua aparição no legendário programa da TV americana marcou época, principalmente por ter sido exibido também no Brasil pela Rede Globo, um pouco depois, em seu programa Sábado Som.
http://youtu.be/9srJIjp55Bs

8 – Muddy Waters – Live At The Chicago Fest (1981)
O guitarrista marca presença em boa parte desse show de Waters em Chicago, subindo ao palco com um cajado e uma Les Paul.

9 – Live at Massey Hall, Toronto (1983)
No início dos anos 80 o guitarrista reformulou sua banda de apoio, apostando num som mais pesado e enxuto. Neste trio estavam John Paris no baixo e Bobby T. Torello na bateria.

10 – “Highway 61 Revisited”, Brasil (2010)
Em 2010 Winter passou pela única vez pelo Brasil. Tocou em diversas cidades e fez essa aparição relâmpago no programa de Jô Soares.
http://youtu.be/22hYaK63ELk

Bonus Track:
“I Just Wanna Make Love To You” (1978)
Não é sempre que se vê por aí uma jam organizada pelo pessoal do Foghat com Johnny Winter, Muddy Waters, John Lee Hooker, Otis Blackwell, Eddie “Bluesman” Kirkland, Dave “Honeyboy” Edwards e outros. A grande maioria dos músicos que estão neste vídeo já morreu…