poeiraCast 443 – Specials e o selo 2 Tone
por Bento Araujo     11 dez 2019

Em um cenário inglês que incluía o punk, a new wave e as rápidas mudanças no pop, surgiu na industrial e universitária Coventry, no final dos anos 70, o movimento do ska britânico, liderado pelos Specials e alavancado pelo selo da banda, 2 Tone Records. Aquela pequena mas consistente comunidade musical é nosso assunto neste episódio.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Carlos Parpinelli, Ernesto Sebin, Flavio Bahiana, João Roberto Tayt, Lindonil Reis, Luis André Araujo, Luis Kalil, Marcelo Moreira, Marcio Abbes, Marco Aurélio, Pedro Furtado Jr., Rossini Santiago, Válvula Lúdica, Vandré dos Santos e Zozimo Fernandes.

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. Alexandre Pereira

    Sugestões para programas ou duelos de gigantes:
    – MP3 x Streaming?
    – Roll-Metal-Rock Brigade-Roadie Crew e o jornalismo rock em 2019
    – Os últimos livros sobre música lançados no país 2018-2019

    Um abraço. Vocês continuam ótimos. Sou o colega reaça do Ricardo no facebook, jornalista (Folha, Estadão, Diário do Grande ABC e Rádio Capital) e testumanha ocular e auricular kkk de muitas histórias do jornalismo musical

    Responder
  2. ZOZIMO FERNANDES

    Parabéns pelo programa e em especial ao Ricardo, pela verdadeira aula de 2-Tone. Somente aqui a gente pode encontrar uma matéria sobre o ska e com um conteúdo desse quilate. Aproveito para deixar uma dica para um programa sobre o Tom Waits; a sua trajetória, sua voz e o número de albuns excepcionais justifica o tema. Agora o número de pedidos duplicou, não tem como vocês recusarem ! rsrsrsrs Abraços a todos

    Responder
  3. ZOZIMO FERNANDES

    É isso aí, Isidoro. Somente o Rain Dogs ou o Orphans, brawlers and bastards já valeriam um programa. Mas eles insistem em falar de ELO é Uriah Heep. Não vamos desistir; agora somos um exército!

    Responder
  4. Fabian Oliveira

    Sérgio, você levou azar com o disco do Megadeth. É provavelmente o pior disco da banda. Do Risk pra frente, o que vale a pena é o Dystopia, com o Kiko Loureiro na guitarra, e o The System Has Failed. Abração!

    Responder

Faça um comentário Fabian Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *