poeiraCast 322 – O prog no ano do punk
por Bento Araujo     19 abr 2017

Nossa conversa neste episódio é sobre o que de melhor se produziu no rock progressivo em 1977, ano marcado pelo lançamento do punk rock como movimento.

Torne-se um apoiador do poeiraCast e ajude a manter o podcast semanal da poeira Zine no ar. Saiba mais clicando AQUI.

Agradecimentos especiais aos apoiadores: Adriano Gatti, Alexandre Guerreiro, Artur Mei, Caio Bezarias, Carlos Albornoz, Clark Pellegrino, Claudio Rosenberg, Ernesto Sebin, Evandro Schott, Flavio Bahiana, Haig Berberian, Lindonil Reis, Luis Araujo, Luis Kalil, Marcio Abbes, Ronaldo Nodari, Rubens Queiroz, Scheherazade, Sempre Música, Tropicália Discos e Válvula Lúdica.

edifier

Baixe esta edição do poeiraCast
  1. João Cândido

    O disco de 77 da Wanderlea não é progressivo, mas merece atenção (principalmente porque foi produzido e tem a participação do Egberto Gismonti). É o “Vamos que eu já vou”

    Responder
  2. MARIO JOSE PEREIRA

    FOI MAGNÍFICO ESSE PERÍODO MAIS RELAX Talvez pela nova mudança de comportamento até pelo movimento DISCO onde para o PROG tecnológia nos studios de gravações ajudaram a música no Geral Via mundo por aqui era uma mistura muito louca e com poucos equipamentos quase todos recondicionados e ainda tinha a CENSURA Massavilha do som muitos Lokis Voaram LP WATCH do Manfred Mann’s Earth Band ótimo programa até por capas personalizadas de cadernos sempre com muito Rock e Camisetas artezanais feitas no Pincel ótimos Tempos

    Responder
  3. William Peçanha

    …Ouvir que o “Seconds Out” é um dos discos ao vivo preferidos de vocês é muito legal, esse disco quase não figura em listas de melhores discos ao vivo (sejam 10, 20, 30 ou até 100 discos!), e, pra mim, sem dúvida, é um dos melhores (ao lado dos que vocês já sabem… UFO, URIAH, RAINBOW, PURPLE,etc…).
    E injustiçado também.
    A tão repetida em programas anteriores coleção do José figurando até 1977 é totalmente louvável, de lá pra cá muito pouca coisa se salva, concordo com ele (mesmo eu sendo fanático por progressivo lançados entre 1969 e 1985…).
    Agora, sempre desconfiei que o “Wind and Wuthering” foi gravado ANTES do “A Trick of the Tail”, ele está muito mais na linha do que o grupo vinha fazendo do que o “A Trick…”, acho o disco de 1976 até meio pop (“Mad Mad Moon”, “Robbery Assault and Battery” e a própria “A Trick of the Tail” estão ou na linha mais pop de anos adiante, já sob o comando do Phil Collins?).
    Tenho especial carinho pelo “Wind…” pois foi o meu primeiro contato com o Genesis.
    O Camel (outra de minhas paixões!) realmente não teve um par de anos felizes lá pelos idos de 1977/1978 (aliás, deve ter sofrido todo tipo de crítica pelos fãs da época por colocar uma faixa com a frase “Keep on dancing…” em uma das músicas do “Breathless”, se não me engano é na “Summer Lightening”, sem contar a batida TOTALMENTE disco que a música tem, só se salvando, talvez, pelo belo solo de guitarra nos segundos finais da tal música… Acho que mr. Latimer só se reencontrou em 1981 com o “Nude”.
    É isso.
    Que tal um cruza na área com o seguinte tema: “O Sérgio faz mesmo falta?” (EI, É BRINCADEIRA!!!!!!!).

    Responder

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *